Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As bombas do Banco Central Europeu

por John Wolf, em 18.09.14

Quando a economia real falha, os economistas são os primeiros bombeiros a ser chamados. Na realidade, é como pedir ao incendiário para apagar o fogo. Há qualquer coisa que falha nesta abordagem. Há algo cognitivamente deficiente nesta receita, na terapêutica. O Banco Central Europeu (BCE) embarca hoje num longo comboio de ficção monetária. Como a dívida dos Estados da Zona Euro está aos níveis que se conhece, e a deflação é a nota dominante, os banqueiros centrais ajuizam e decidem a injecção maciça de dinheiro, através de meios mais ou menos convencionais. Ou seja, quando os políticos falham, o ónus da recuperação económica é transferido para a orla financeira. Contudo, as operações em causa terão impacto diminuto na economia real. Não existe uma relação linear entre Long Term Refinancing Operations (LTRO´s) e a geração de emprego, a título de exemplo. As medidas têm mais impacto nas contas a apresentar, nos balancetes, e, desse modo, estão mais em sintonia com as exigências orçamentais dos Estados-membros relativamente aos seus níveis de dívida e deficit orçamental a cumprir.  É neste desfasamento entre o que se decide a montante e o que acontece a jusante, onde reside o cidadão comum. Mas existem alternativas? A resposta não é fácil. Apenas sei que se todos o fizerem em simultâneo, o processo não produz os resultados esperados. A Reserva Federal dos EUA, embora tenha anunciado uma certa intenção de abrandamento dos estímulos à economia, em abono da verdade, a torneira não vai ser fechada assim tão cedo. Na corrida ao fundo da desvalorização das divisas, veremos quem consegue mais celeremente realizá-la: se a Reserva Federal leva a melhor ou o BCE é obrigado a ir ainda mais longe do que a compra directa de títulos de tesouro na Zona Euro. Nem sequer trago à baila outras considerações como a libra esterlina, ou para idêntico propósito, as atribulações provocadas pelo referendo na Escócia. Daqui por alguns anos, Vitor Constâncio (quando regressar a Portugal) será mais um a declarar que não sabia de nada. Que não decidia. Que era Draghi que pensava tudo. Que era o presidente do BCE que mandava.

 

(fotografia Martin Leissl/Bloomberg)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:05

Música para hoje: Vampire Weekend - Oxford Comma

por Samuel de Paiva Pires, em 18.09.14


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

Gott sei Dank

por Nuno Castelo-Branco, em 17.09.14

Aguardam-se medidas idênticas extensíveis a todos os países que integram a União Europeia. Senhor Passos Coelho, faça o favor de não se atrasar e limite-se a copiar aquilo que o nosso aliado Sr. Cameron há poucos dias anunciou. É urgente.

 

"A Alemanha é uma democracia bem fortalecida, e não há lugar aqui para uma organização terrorista que se opõe à ordem constitucional, assim como à noção de entendimento internacional"

 

"O EI é uma ameaça, também para a segurança pública da Alemanha"

 

"Com a medida, fica proibido ser membro do EI, recrutar combatentes ou fazer propaganda para o grupo em redes sociais ou manifestações. Também passa a ser vetado usar símbolos do EI e arrecadar fundos para os extremistas. Símbolos já disponibilizados na internet deverão ser apagados.

O sindicato alemão da polícia saudou a proibição. "Não é possível que partidários de um agrupamento terrorista bárbaro e desumano literalmente espalhem o ódio e cometam crimes sob sua bandeira em nosso país"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04

Se a moda pega...

por Pedro Quartin Graça, em 17.09.14

 

Na Ucrânia é assim...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:32

Paleozóico

por Fernando Melro dos Santos, em 17.09.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:17

As setas parlamentares de João Galamba

por John Wolf, em 17.09.14

O santo protector dos pequenos partidos, João Galamba, não tem fé na redução do número de deputados parlamentares. Eu compreendo a lógica da batata por detrás do seu raciocínio. Um número avultado de deputados serve para disfarçar a sua falta de qualidade e diluir o sentido de responsabilidade. Um país rico como Portugal deveria ter mais parlamentares para sugar ainda mais recursos ao "errário" público. É gente retrógrada como Galamba que atrasa o caminho do país. É gente desta que deseja eternizar as oligarquias partidárias que tornaram Portugal refém de favores e privilégios. É gente desta que tem medo da racionalidade que deve guiar as reformas que um país exige. É gente desta que ainda tem uma horda de crentes a seguir as pisadas de um caminho de desvio. É gente desta que defende o seu interesse, mas afirma proteger a auto-determinação dos partidos. É gente desta que Portugal coloca nos centros de pensamento e decisão. É gente desta que não aceita opiniões diversas quando a cantiga não lhe é favorável. É gente desta que se serve de uma imagem hippie, mas que acaba por ser reaccionário, conservador.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:07

Costa & Salgado...

por Nuno Castelo-Branco, em 17.09.14

...somam e seguem.

 

"Também nos preocupa constatar que algumas das destruições de azulejos acima referidas (a negrito) foram legais porque as demolições de fachadas receberam aprovação do Pelouro do Urbanismo, «por despacho do Vereador Manuel Salgado» conforme se podia ler nos locais das obras."

 

Nada de fiscais, pesadas penalizações ou embargos de obra, claro. "Paciência, foi-se, agora já nada podemos fazer". 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:06

NÓS, Cidadãos! veio para ficar

por Pedro Quartin Graça, em 17.09.14

Com a entrega da 1ª leva de assinaturas no Tribunal Constitucional no passado dia 15, dois anos depois das grandes manifestações feitas por cidadãos livres contra as politicas sucessivamente erradas dos governos que tiveram como consequência a Troika, o movimento Nós, Cidadãos! deu o primeiro passo para a sua legalização como partido político.
Nós, Cidadãos! irá agora continuar a angariação de assinaturas, a par da recolha de contributos para o seu programa de governação, a apresentar em Congresso em Dezembro, dando voz a todos os que não se revêem nos modelos partidários que nos governam.
Como movimento de expressão nacional, Nós, Cidadãos! vem pugnar por todos quantos – pessoas, grupos profissionais e associações cívicas – exigem profundas reformas políticas e económicas, pautadas pelo sentido da transparência, do compromisso ético e da justiça social.

 

Mais informações aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:41

O império da União Europeia

por John Wolf, em 16.09.14

A matriz cultural europeia assume, de um modo irrefutável, que ocupa um papel de relevo em termos civilizacionais. Ao longo dos séculos, e em particular, a partir das correntes de Iluminismo que se verteram em Inglaterra, na França e na Alemanha, foi-se aceitando com naturalidade a ideia de superioridade moral, de desígnio quase teológico da Europa. E essa ideia, expansionista e conquistadora, consubstanciou-se, por exemplo, quer no império napeolónico quer na expressão ultramarina do império britânico. Em suma, os impérios não são um exclusivo dos oponentes, dos inimigos. O império Prussiano, assim como os demais, podem equiparar-se ao império Russo no que diz respeito aos seus intentos e aos próprios métodos: anexaram, mataram, integraram, arrasaram as estruturas políticas existentes - criaram novas ordens. Contudo, enquanto a Rússia seguiu uma via autónoma, baseada numa cultura distinta, a Europa Ocidental procurou estabilizar um conjunto de regras. O grande legado da Europa dos tempos presentes reside na força da lei, nas doutrinas de legalidade que estabelecem limites para a actuação, quer numa lógica interna quer numa abordagem externa. A invenção que a Comunidade Económica Europeia representa, e mais tarde a União Europeia aprofunda, será a versão moderna de um conceito imperial de perfil suave. Pela via positiva e de atracção, a Europa encontrou uma fórmula para se alargar económica e socialmente, mas ignorou a importância da sua expressão política e militar. A Europa, embora tenha tido projectos de auto-suficiência militar, como foi a falhada União da Europa Ocidental, nunca procurou efectivamente consolidar o seu corpo e braços armados. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) havia sempre funcionado numa lógica de blocos, de jogo a dois, de guerra fria. Mas esses tempos findaram, mas certas dinâmicas não foram interrompidas, mas meramente atrasadas por novas nomenclaturas. Nessa medida, a Rússia escolheu o seu momento com grande sentido de precisão. A crise económica europeia, a indefinição dos EUA no que diz respeito à sua política externa proactiva ou a ameaça do fundamentalismo islâmico devem ser entendidos como catalisadores da política externa russa, dificilmente interpretada pelos quadros operativos convencionais e pelos processos de pensamento transatlânticos. A tése de defesa do espaço vital natural da Rússia colide com uma outra ideia tida a seu respeito; o (re)assumir da sua expressão imperial, de superpotência. A pergunta que se coloca ao Ocidente e em particular à União Europeia, prende-se com o modo de travar os avanços russos quando o engagement da Rússia parece ser cada vez mais difícil. A construção europeia deve rapidamente pensar do mesmo modo que a Rússia, mas servindo-se do seu maior património: a sua expressão democrática positivista e pacífica. Numa lógica de alargamento, a União Europeia (UE), talvez possa procurar circumnavegar a zona de fricção, os pontos de contacto onde distintos interesses nacionais colidem. A UE deveria realizar um salto indutivo e pensar uma configuração que transcenda o mainland do seu pensamento. A Europa poderia, de um modo estratégico, pensar num alargamento a sul, obviando o paradigma continental clássico, e abraçar novos parceiros em regiões não contíguas ao continente europeu. Nessa medida, o reino de Marrocos poderia ser um bom candidato para consolidar a expressão política e económica de uma Europa fustigada por razões endémicas agravadas. Um país islâmico moderado como Marrocos, ao ser "fraternizado" pela UE, serviria o processo de relacionamento com o desafio islâmico radical que se nos apresenta. Um conceito de "se não os podes vencer, estende-lhes a mão" poderia servir para tratar problemas considerados insanáveis e que residem na centralidade europeia. Quer a França quer a Alemanha terão de lidar a breve trecho com a intensa expressão de comunidades muçulmanas residentes nos seus países. A Rússia, por outro lado, já entendeu que pode extrair força dos seus cidadãos onde quer que estes se encontrem. A Europa continua atada a velhos pressupostos e tarda em avançar para algo realmente surpreendente. Para desarmar Putin dos seus argumentos e intentos, há que pensar de um modo excêntrico, seguindo linhas de orientação emancipadas do passado. Se realmente quisermos, sabemos o que nos reserva o futuro. Procurar no passado talvez não sirva de grande coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03

Cushman & Wakefield

por Nuno Castelo-Branco, em 16.09.14


Aparentemente indignada pela criminosa possibilidade do desaparecimento destas fachadas, contudo não se rala minimamente em manter fechadas as janelas de todos estes edifícios. Pelo contrário, miraculosamente vão sendo escancaradas de forma paulatina e muitíssimo evidente. Porque será, Sr. Cushman e Dª Wakefield? Ainda por cima Vossas Excelências já foram avisadas bastas vezes, a partir deste blog e/ou do Forum Cidadania LX.  Rica imagem para uma imobiliária, não haja dúvida. Bem podem estabelecer avenças com empresas de demolições e uma joint-venture com a empresa-vereação do urbanismo olissiponense.

O projecto chegou a ser aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa e a ter licença. Mas ela caducou, antes de se efectivar a venda. A maioria dos candidatos à compra pretende manter as fachadas. Até porque, no caso do edifício da Duque de Loulé [demolir a fachada] seria criminoso” disse ao Corvo fonte da Cushman & Wakefield."

É, como dizia o outro, "deves"...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:02

Deputados

por Nuno Castelo-Branco, em 16.09.14

 

Não se entende toda esta resistência a uma necessária redução no número de deputados em S. Bento. Apenas para uma breve comparação com alguns países de dimensão idêntica à portuguesa - embora mais prósperos -, aqui ficam os números:

Reino dos Países Baixos, 16.856.000 habitantes, 150 deputados no Parlamento

 

Reino da Bélgica, 11.200.000 habitantes, 150 deputados no Parlamento

 

República da Áustria, 8.400.000 habitantes, 183 deputados no Parlamento

 

República da Hungria, 9.879.000 habitantes, 199 deputados no Parlamento

 

Reino da Dinamarca, 5.700.000 habitantes, 179 deputados no Parlamento

 

República da Irlanda,  6.400.000 habitantes  186 deputados no Parlamento

 

Reino da Noruega, 5.136.000 habitantes, 169 deputados no Parlamento

 

Em conclusão, os beneditinos "resistentes" ficam na desagradável posição de reconhecerem a "necessidade de mais gente para fazer o mesmo trabalho que os outros fazem" com menos cérebros disponíveis. Claro que isto é populismo, algo muito diferente de caciquismo, tachismo, jotinhismo, etc. Aguarda-se então mais uma avalanche de justificações esfarrapadas.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

Criminosas sacanices francesas

por Nuno Castelo-Branco, em 15.09.14

Igreja de Santa Rita, 15éme, Paris, França

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43

Putin e a independência da Escócia

por John Wolf, em 14.09.14

Os movimentos falsamente separatistas ou de anexação que se têm vindo a desenovolver nos limites da Europa convencional ou para além da sua matriz política, instigados e levados a cabo pela Rússia, na Geórgia, na Ucrânia, com uma nítida expressão na Crimeia em tempos mais recentes, embora desligados dos pressupostos nacionais europeus, podem ser reconduzidos aos mesmos. O referendo escocês, respeitante à sua independência, intensificou reinvindicações antigas e certamente fará eclodir novas solicitações de autonomia. Ambrose Evans-Pritchard releva, de um modo abrangente, quais os candidatos à fragmentação da Europa. Uma interpretação excêntrica e ousada destes eventos de dispersão, obriga os decisores da União Europeia a ter de pensar uma lógica inversa na (de) construção europeia. A haver expressão democrática e positiva no sentido da independência nacional de um conjunto de povos residentes na União Europeia, o Tratado da União Europeia torna-se parcialmente obsoleto ou conceptualmente irrelevante. As forças centrifugas e de concentração política que se acham firmadas na constituição europeia, estão a ser ultrapassadas pela realidade. Embora seja impensável uma intervenção britânica para proteger os direitos dos cidadãos que residem na Escócia, Putin lança no seio da Europa ocidental o perfume dos seus argumentos e da sua acção. De um modo pensado ou não, a verdade é que a analogia entre um cenário e outro, poderá ser resgatada para plantar divisões nas hostes da centralidade da União Europeia. Existem muitos modos de levar a guerra ao inimigo, e a Rússia não hesitará em partilhar os seus métodos com as partes interessadas. Numa lógica ainda mais ultrajante, imaginemos o apoio que a grande Rússia poderia emprestar aos diferentes movimentos nacionais que se encontram espalhados pelo mainland da Europa ocidental. Eu sei que talvez seja uma extrapolação exagerada, a roçar os limites da racionalidade teutónica, mas todas as possibilidades devem ser colocadas em cima da mesa. De Berlim a Londres, da Catalunha ao reino dos Algarves.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:52

Talvez como contrapartida à sua passagem pela FLAD, o Sr. Rui Machete presta um favor aos mais interessados neste frete e declara apoiar a entrada da Turquia na U.E. Sabendo-se que apesar das oportunas alegações do Sr. Erdogan quanto à "herança do Império Romano do Oriente", a realidade turca aponta precisamente para o legado da destruição daquele que foi um dos esteios da Europa. A afirmação do ministro português nada mais é senão um fait-divers, um estalido de boca que desta vez terá de passar pelo crivo de um referendo à escala europeia. 


*Em praticamente todas as línguas dos países que compõem a NATO: Talvez desta forma o Sr. Ministro entenda. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14

No, Sir!

por Nuno Castelo-Branco, em 13.09.14

 

Andamos todos amnésicos de uma história que a maioria dos actualmente vivos não conheceu, mas sem dúvida bastante documentada e à disposição da sua descoberta por quem nela se interessar. Se o pós-II Guerra Mundial foi registado por milhares de documentários para sempre testemunhando a miséria e o sofrimento, imaginemos então o que seríamos forçados a passar, no caso de sobrevivermos, após um conflito entre os EUA e a Rússia. 

 

Nestas danças da chuva que em tan-tans e círculos anuncia a mobilização, há que recorrer a expressões em inglês, pois consiste numa boa forma de vincarmos bem  a urgência da situação. Por muito que tentemos resistir ao patético sacrifício, este é o mundo em que vivemos.

Ninguém conhece concretamente quais os objectivos russos, pois a queda da União Soviética implicou a rápida desagregação do império construído pelos Romanov e ciosamente conservado pelos seus sucessores do PCUS. O estabelecimento da Comunidade de Estados Independentes, poderá ter parecido como um anúncio de uma correspondente russa da Doutrina de Monroe, mas a realidade da volátil política internacional nos anos noventa, bem depressa implicou o total ignorar dessa clara delimitação de uma esfera de interessas. Logo foram surgindo bases aliadas em territórios outrora integrantes do império russo-soviético, assim como convites endereçados a alguns dos novos Estados - algo até agora sem efeito -,  fazendo-os crer nas inegáveis vantagens de pertença à NATO. Conhecem-se bem as dificuldades vividas na Rússia pós-comunista, também não sendo estranhas as notícias acerca da crescente frustração local perante o ostensivo desprezar dos seus interesses, por parte de um ocidente que inicialmente se apresentava como um horizonte de esperança. Não valerá a pena repetirmos a longa lista de eventos que progressivamente foram separando os parceiros do desanuviamento, hoje em quase aberta hostilidade.

 

No verão de 1939, o ministro Ciano visitou o seu homólogo alemão. Ribbentrop recebeu-o em casa e numa conversa no jardim, o italiano, confundido pelas evasivas e manobras de diversão do seu colega, perguntou-lhe frontalmente:

- Mas afinal o que querem vocês? O Corredor? Dantzig?

 

Olhando-o friamente, Ribbentrop foi lapidar:

- Wir wollen den Krieg!

 

O governo do Reich queria a guerra e não se contentaria com qualquer reedição de Munique. Um ano antes, Mussolini tinha impedido Hitler de atacar a Checoslováquia e tal contratempo não se repetiria.

 

A quem se aplica hoje a expressarão Wir wollen den Krieg? A John Kerry, a Sergei Lavrov ou a ambos? Se esta suposição poderá ser abusiva e anacronicamente transportada para os nossos dias, ficamos tão confundidos como o ministro dos Negócios Estrangeiros da Itália, não sabendo apontar o dedo a quem verdadeiramente pretenderá despoletar um conflito. Os sinais parecem de difícil destrinça e o subir da parada uma constante, aplicando-se tanto a americanos como aos russos. Além de serem conhecidas as dificuldades internas que Putin parece estar a enfrentar - cercado por falcões ao estilo de Jirinovski e correspondentes relíquias do infelizmente mal-soterrado passado comunista -, também teremos então de atender ao democrático rufar de tambores cujo eco nos chega do lado de lá do Atlântico. Passando sobre o grotesco de certas pretensões que visavam transformar Sebastopol numa espécie de Subic Bay do Mar Negro, a verdade é que ainda poucos de nós entenderam até onde os nossos aliados pretendem chegar, quando anunciam a colocação de forças militares num possível cenário de conflito, a tal deterrence force da salvação. Ninguém acredita na eficácia da criação de um dispositivo militar na Polónia, um dos países da NATO, pois tal exercício de segurança seria naturalmente encarado pelo possível contendor. Algo de muito diferente será a presença de forças militares da Aliança dentro do próprio território ucraniano, seja essa presença devida a um súbito impulso justificado por garantias a caridosamente concedermos - sim, somos aliados na NATO -, seja ela decorrente de um daqueles habituais pedidos de assistência hipoteticamente enviados a partir de Kiev.  Se querem a guerra, então esta é a melhor forma de a obterem: coloquem tanques, soldados, canhões, mísseis e aviões na Ucrânia e de preferência, utilizem-nos nos combates contra os rebeldes.

 

Há quem pense poder iniciar um conflito de forma controlada, nem por isso temendo o epíteto de warmonger. É praticamente inevitável o rápido descambar para uma escalada envolvendo armamente táctico nuclear, relegando as trocas de granadas entre os Abrahms e os T-90, para a condição de algo bastante irrisório, previsível e rotineiro. Mesmo sendo esta uma infeliz eventualidade talvez já considerada pela gente do Pentágono e do correspondente edifício ministerial russo, há sempre que contarmos com a esperança do lamentável incidente se circunscrever ao espaço europeu, deixando a parte mais importante da aliança fora do raio de acção retaliatório. Por muito pueril que tal coisa nos possa parecer, é mesmo um wishful thinking despreocupadamente cultivado. Aparentemente, a Sra. Palin pode hoje ser considerada como uma genial visionária digna de todos os encómios. Dadas as circunstâncias, a dita personagem  poderia mesmo ser a directa candidata a sucessora republicana de Obama. Para os mais entusiastas pelo início de uma Operação Barbarossa 2, o actual mapa proporciona-lhes o ponto de partida numa frente tal como ela surgia nos inícios de 1943. Dali a Kursk, é apenas um salto. 

 

Não é necessário ou desejável qualquer mútuo appeasement, mas tão só o conhecimento de quais os limites pretendidos por russos e americanos. Quem hoje poderá indicá-los de forma concreta e credível? Ninguém. Quanto aos europeus que aparentemente beneficiaram do estiolar dos seus deveres de auto-defesa, russos e americanos arriscam-se seriamente a não encontrarem simpatizantes ou alinhados numa Europa sumamente preocupada consigo própria e por aquilo que vai acontecendo a sul.

 

Já não estamos nos tempos do "Yes, Sir!"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:37

A guerra faz parte da condição humana

por Samuel de Paiva Pires, em 13.09.14

Rui Ramos, Nenhuma guerra acabará com a guerra:

 

Nenhuma campanha militar acabará alguma vez com as disputas de influência dos grandes Estados, nem com os choques das comunidades em que a humanidade gosta de se dividir. Depois de Putin, outro líder russo procurará rever as fronteiras desenhadas no momento do colapso soviético. Depois do ISIS, outra seita tentará realizar violentamente outras profecias. Nenhuma guerra será a última. Para um Ocidente envelhecido, endividado e humanitário, pode não ser a perspectiva mais conveniente. Mas é assim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:08

Tatuagens

por Nuno Castelo-Branco, em 13.09.14

Pelo formato do escudo nacional, este foi "um dos nossos"

 

Há mais de vinte anos, numa viagem a Bangkok, deparei com uma grande casa de tatuagens mesmo junto ao hotel onde me hospedei durante uns dias. A sala das picadas era uma never ending procession de turistas, sobressaindo os norte-americanos. Dali partiam com a pele cuidadosa e esmeradamente  bordada com flores, stars and stripes ou os já então inevitáveis dragões orientais. O angariador que permanecia horas a fio à porta do estabelecimento, perseguia os farang - estrangeiros - com um caderno de desenhos à escolha. Bastas vezes comigo tentou a sua sorte e sempre ciente da negativa, um dia deu tudo por tudo e exclamou:

- "Fô iu Sâ, uí héb niu dizáin"

 

Curioso pela proposta, quis ver o novo projecto indelével. Consistia ele num código de barras a tatuar onde me aprouvesse e nele se incluiria o meu grupo sanguíneo.

 

Era uma boa ideia, mas recusei-a da forma mais polida e sem o aventar de qualquer preconceito. Ainda estávamos longe da moda do século XXI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:29

Da investigação científica

por Samuel de Paiva Pires, em 12.09.14

 

Eric Voegelin, The New Science of Politics:

 

The theoretical issue of positivism as a historical phenomenon had to be stated with some care; the variety of manifestations themselves can be listed briefly, now that their uniting bond is understood. The use of method as the criterion of science abolishes theoretical relevance. As a consequence, all propositions concerning facts will be promoted to the dignity of science, regardless of their relevance, as long as they result from a correct use of method. Since the ocean of facts is infinite, a prodigious expansion of science in the sociological sense becomes possible, giving employment to scientistic technicians and leading to the fantastic accumulation of irrelevant knowledge through huge "research projects" whose most interesting feature is the quantifiable expense that has gone into their production.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33

O mundo infantil das primárias

por John Wolf, em 12.09.14

Enquanto uns realizam testes primários, outros demonstram ao mundo o valor da ausência da palavra. Enquanto uns discutem IVAs e restaurantes, outros redesenham mapas de continentes. Enquantos uns estão à janela, outros organizam respostas concretas a ameaças substantivas. Enquanto uns falam de traições, outros dão facadas. Enquanto uns estão focados em si, outros sabem que deixaram de ter importância. Enquanto uns angariam simpatizantes, outros inscrevem combatentes. Enquanto uns pensam em tachos, outros aumentam a pressão da panela. Enquanto uns dormem, outros estão acordados. Enquantos uns são o que são, outros nem isso conseguem ser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

Música para hoje: Major Lazer - Get Free

por Samuel de Paiva Pires, em 12.09.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07






Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2004
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2003
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2002
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2001
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2000
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 1999
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Instituições nacionais

  •  
  • Instituições internacionais

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds