Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O réu Francisco Louçã

por Nuno Castelo-Branco, em 03.01.10

 

 

Réu! Como as palavras são por vezes sonoras, enchendo a boca de quem as pronuncia. O catilino da demagogia nacional, o sr. Francisco Louçã, vai experimentar a dureza dos bancos de madeira da sala de tribunal. Este Le Pen da zona saloia do extremo ocidental da Europa, desde sempre tem vociferado contra tudo e contra todos, manipulando a opinião, linchando reputações e ainda mais, prejudicando gravemente a tranquilidade pública, quando não o património colectivo. Ainda nos recordamos da desastrosa intervenção do BE no caso do túnel do Marquês, levando à catastrófica suspensão de uma obra útil e ao pagamento de uma indemnização milionária à lesada empresa construtora. Pagos pelos contribuintes - via Câmara Municipal de Lisboa -, os milhões deviam ter saído do património do Bloco de Esquerda ou dos seus responsáveis.

 

Paulo Teixeira Pinto enviou Louçã para a barra dos tribunais, precisamente o lugar onde o Conducator do BE gostaria de colocar 9.700.000 portugueses. Previsivelmente, Louçã escudar-se-á atrás da imunidade parlamentar, fazendo exactamente aquilo de que acusava ainda há uns meses o conselheiro Dias Loureiro. O mais curioso nisto tudo, consiste no protesto veemente da direcção bloqueira, alegando "ameaça inaceitável". Não é ameaça, é uma realidade. Que se preparem para abrir os cordões à bolsa.

 

Uma boa notícia para iniciar 2010.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 03.01.2010 às 20:33

Esse agora vai ver o que é bom para a tosse!!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.01.2010 às 21:22

Le pen da zona saloia.

Fantástico! Fenomenal! É isso mesmo. Acrescentaria um ar de sacristia...à espera de papar uma qualquer alminha distraída.

Pois então, também ele se vai sentar nos bancos corridos de pau?
Então vem por aí nova inconstitucionalidade normativa de algum preceito do processo penal...TC! Pois então?! E a imunidade? Essa? não tem descanso...tem perdido quilos e quilos...ma
Não sei se há pulseiras em stock...
De qualquer maneira, se o Estado se mantém, logo o teremos como conselheiro de Estado... parece que ele era muito bom aluno...e tem um curriculum académico brilhante...motivo para qualquer tribunal anular uma qualquer instrução penal...





Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 04.01.2010 às 09:21

Ninguém contesta a inteligência de Louçã, mas seria um óptimo sinal para todos, se passasse a ser mais comedido nas suas campanhas. Agora talvez tenha mais juízo, porque só o facto de ser processado já é um aviso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.01.2010 às 21:18

Mon cher ami,

Qual aviso...não se esqueça que o Mister Louçã também conhece o terreiro...e mina tanto quanto os outros.

Faz parte da lista dos tipos que eu idealizo à porta do TC...eliminem o processo penal...a pulseira electrónica não combina de todo com a minha camisinha proletária...

Desculpe, viu?

Agora é que não falo mais.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 04.01.2010 às 12:24

Mas este processo irá dar em nada. Vai ser considerado como Liberdade de opinião à semelhança do que José Sócrates moveu a JMT. Isto se chegar a Tribunal.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 04.01.2010 às 20:01

Hmmm! Com a Justiça que temos?

E essa coisa da imunidade parlamentar é mais uma forma que encontraram para serem mais iguais do que os outros- igualdade, igualdade, mas quando lhes batem à porta...
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 04.01.2010 às 20:26

O Paulo Teixeira Pinto não era o mesmo que pertencia à Opus Dei e saiu quando terminou a sua relação contratual com o seu patrão?

Eu se fosse monárquico pensava duas vezes...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 05.01.2010 às 16:40

A pergunta deve ser esta: porque foi posto fora do BCP, quando saiu da Opus Dei?
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 06.01.2010 às 00:01

Dá-me a sensação que a ordem das coisas não foi essa, mas como é óbvio não tenho a certeza...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.01.2010 às 21:14

Ouvi-me!

Vai para tribunal pois! Essa é a parte mais fácil. O problema é outro. Vamos assistir a uma inconstitucionalidade normativa...mais outra...a não ser que o Ilustre Teixeira tenha mas conhecimentos...

Louçâ é brilhante... dizem da cabeça...e isso pode ser um óbice em qualquer instrução penal. Esperemos que o JIC ou outro não se esqueça de perguntar as habilitações académicas do homem. E se acham que ele disse aquilo com intenção de ofender o suposto lesado...
Se fosse ao queixoso juntava logo o CV de Louçã...com a seguinte alegação « Com tanta inteligência, sópodia saber bem o que queria proferir com tais dizeres....e ...ó ! Que o dolo eventual aqui não é perdido nem achado...eu iria mais para um doo directo...

Agora não falo mais. Prometo.

Sem imagem de perfil

De Rui Monteiro a 04.01.2010 às 23:42

Brilhante foi o Paulo Teixeira Pinto

Não tem nada a perder como o Louçã, não arrisca a perder votos com o seu partido, é confrontado com as suas posições de criticar os outros e a arma vira-se contra ele.
Mas PTP esse só ganha, pode perder uns tostões nos tribunais ... coisa pouca, não está como arguido no processo BCP, ganha publicidade para a Causa Monárquica, os monárquicos ganham tempo de antena.
No final a imunidade de Louçã pode prevalecer, mas a incongruência dele também, a falta de coerência também.
No final é a Liberdade de Expressão que é contestada porque temos de ter em conta que Louçã disse que PTP é responsável para situação do BCP, e o PTP nem arguido é.
E vejam o timming porque foi colocada a acção no início do ano ? porque é silly season política e além disso já passou o Natal e tudo que congestiona o aparelho digestivo reoublicano
Sem imagem de perfil

De Rui Monteiro a 04.01.2010 às 23:43

aparelho digestivo republicano.

Digamos que os netos de carbonários no BE vão fumar bastantes charros para curar a dor de cabeça que vão ter.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 05.01.2010 às 16:41

Cá estaremos para ajudar a dar mais umas marteladas. desta não escapam.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2010 às 02:08

Mon cher Nuno,

às vezes nem parece monárquico...qual martelada? Biqueirada, senhor, biqueirada...eu ajudo, que eu uso salto alto..lembra-se?

Educadinha
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2010 às 02:11

Ok...posso pôr a saia de serapilheira à malada e dar um forte pontapé no butt do Louçã e na esquerdalha amiga dele....

Mas vou avisando que há esquerdistas que respeito...
São inteligentes...mas muito, muito teimosos.

Educadinha
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2010 às 02:18

Avant d´aller au lit...

A ilustração do post é sugestiva...lembra-me um certo hipotético colectivo de juízes em instância recursiva...o do meio a dizer « ó seu calhau, tenho mais que fazer do que ouvir e ler as suas alegações» e os pares com o ar clássico de alguma justiça « ó otário, estiveste tu a fazer o recurso para quê...o acórdão já foi feito antes das tuas alegações darem entrada» ... e até já é conhecido extra-muros.

Agora não assino ...tenho medo de mais umas escutas...que estas não têm o selo do STJ. Não quero ir para Santarém.
Imagem de perfil

De Paulo Sousa a 19.04.2010 às 23:39

Vejam-me isto encontrado num arquivo do Barnebé:

"Como é sabido, estes processos [de difamação] são usados sistematicamente por pessoas importantes (estilo Edite Estrela) para calar a boca a quem quer que as acuse de qualquer coisa feia (estilo Nuno da Câmara Pereira). Trata-se essencialmente de um meio de proteger os poderosos da liberdade de expressão alheia. A imunidade parlamentar serve precisamente para dar aos deputados a possibilidade de livremente acusarem os políticos adversários, para dar aos deputados a possibilidade de se exprimirem com uma liberdade que não é tolerada ao comum dos cidadãos."

Quando estala o verniz, os presumidos donos da moral pública mostram bem do que são feitos.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas