Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Fim da Monarquia em Portugal

por Nuno, em 15.02.10

 

 A polémica em torno da substituição do regime monárquico constitucional pelo republicano tem-se baseado demasiadas vezes em premissas  ideológicas, em geral descontextualizadas da realidade Histórica.

Penso que a questão fulcral é a de reflectir se a existência de um rei impediria ou não as modificações / reformas mais significativas feitas pelos republicanos após 1910.

Pessoalmente não vejo porque impedisse, pelo que o argumento que se baseia no confronto de dois projectos políticos antagónicos e irreconciliáveis não explica claramente a inevitabilidade do fim da monarquia.

Portugal no fim do século XIX não era um produto da governação do rei, mas dos grupos políticos e sociais que o apoiavam e dos quais estava refém desde a derrota dos miguelistas.

Muita gente veio a culpar o ditador João Franco pela morte de D. Carlos porque o seu governo suscitou viva oposição tanto dos partidos monárquicos como do republicano. Portanto penso ser pacifico que o projecto político de João Franco era exclusivamente o de D. Carlos , visto ser este que legitimava o seu governo.

Acredito que a causa que justifica o regicídio está no conflito de interesses dos grupos sociais / políticos que estavam por trás dos partidos monarquicos e do republicano. Durante o liberalismo o rei tinha-se sempre apoiado num pequeno grupo social que resultava da fusão entre a nobreza e a alta burguesia, que detinha todo poder político e económico.

As reformas económicas desenvolvidas na segunda metade do século XIX por Fontes Pereira de Melo, permitiram o desenvolvimento de uma pequena e média burguesia ambiciosa e dinâmica que exigia direitos políticos e acesso às lucrativas posições no Estado que lhes eram vedadas. As suas exigências eram apoiadas ainda por um proletariado urbano não muito numeroso, mas activamente contestatário da ordem estabelecida.

O referido crescimento dos grupos contestatários foi aproveitado pelos republicanos para começaram a minar a posição do monarca e do regime. Simultaneamente as questões levantadas em torno do ultimato britânico foram intensamente aproveitadas pelos republicanos com o fito de emprestar um cunho patriótico ao derrube da monarquia (e às ambições pessoais dos primeiros).

Portanto no final do século XIX, o rei estava no meio de dois grupos políticos que se confrontavam, um exigindo direitos políticos e reformas, outro lutando para defender os seus privilégios e o status quo existente.

Os ideólogos republicanos ambicionavam o controle total do Estado através da eliminação da figura do rei, que desejavam substituir por pessoas mais comprometidas com os partidos políticos.

D. Carlos, apercebendo-se do rumo dos acontecimentos e da situação cada vez mais perigosa em que se encontrava, optou pela única solução que lhe restava que era a da governação indirecta através da interposta pessoa de um político da sua inteira confiança (João Franco). O seu objectivo era logicamente por em prática as reformas políticas prometidas pelos republicanos à pequena e média burguesias, reconquistando a sua lealdade e alterando a base de apoio da monarquia. Retiraria assim dessa forma qualquer sentido ao seu derrube.  Obviamente que estas intenções suscitaram a oposição tanto dos republicanos como dos sectores privilegiados que tradicionalmente apoiavam a monarquia.

A alienação de parte do sector monárquico motivada pela ditadura de João Franco, explica em boa medida porque  razão em 1910 a minoria republicana conseguiu tomar o poder com tão pouca resistência. As trágicas mortes de D. Carlos e de D. Luís Felipe, selaram portanto o destino da monarquia portuguesa e deixaram o projecto politico do rei para sempre inacabado e envolto numa aura de ambiguidade e mistério.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:47


3 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 15.02.2010 às 10:35

Qual dos Nunos é este? Somos vários...
Sem imagem de perfil

De Miguel Castelo-Branco a 15.02.2010 às 10:37

Não podendo deixar de apreciar o texto, vejo que as "determinantes" da fundamentação são muito próximas dos "complexos sociais e políticos" que ordenam a análise marxista; portanto, a "superestrutura ideológica" dos "grupos possidentes" foi alterada para o "nacionalismo burguês" republicano, por forma a "alargar a sua base de apoio". Tenho para mim que a abordagem ao problema do derrube da monarquia - ou de qualquer revolução - não pode nem deve ser amarrado a causalidade social alguma.
Sem imagem de perfil

De TV a 27.04.2011 às 14:28

Já todos percebemos que a Républica não trouxe qualquer beneficio a Portugal. A monarquia não era a fonte de todos os males como apregoado!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas