Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

comprei um livro sobre Olivença, devo, ontem, ter olhado com uma pontinha de inveja o senhor que, quando me preparava para pegar no livro « A Lâmpada que não se apaga », de Adolfo Simões Müller, sobre Florence Nightingale, a enfermeira da Guerra da Crimeia, se me antecipou e arrematou o único exemplar.

Mote para lembrar todos os outros livros juvenis que li do escritor: « As Aventuras do Trinca Fortes », sobre Camões, « O Capitão da Morte » sobre o  explorador inglês Walter Scott, « O mercador da Aventura », sobre Marco Polo, o livro sobre Madame Curie, cujo título não recordo, e alguns mais, que a memória não reteve...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:36


12 comentários

Imagem de perfil

De António de Almeida a 12.04.2010 às 22:19

Há que séculos não compro um livro num alfarrabista.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 12.04.2010 às 22:30

Por cá só temos alfarrabistas de ocasião. Estivesse em Lisboa ou no Porto :)
Sem imagem de perfil

De carlosbarbosaoli a 13.04.2010 às 00:19

Já não vou a alfarrabistas há muito tempo. É que sou consumidor compulsivo ( só de livros e música, felizmente) e os tempos andam maus.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 13.04.2010 às 12:18

Esses são também os meus " pecados " consumistas, mas realmente os tempos impõem contenção, Carlos. Andei bem em encher as estantes noutras épocas- agora tenho sempre coisas novas para ler ( embora goste muito de reler os que mais me dizem ).
Imagem de perfil

De Luísa Correia a 13.04.2010 às 16:16

É uma figura interessante, Florence Nightingale, mas menos romântica do que poderia supor-se, Cristina. Curiosamente, uma «anti-social»…
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 13.04.2010 às 19:17

Luísa, confesso que só tinha dela a imagem romanceada, mas quando li o seu comentário busquei algo mais - eis o que, por ex. encontrei" Florence desenvolveu um interesse por assuntos sociais fora do tempo, mas em 1845 sua família estava firmemente contra a sugestão dela de ganhar experiência em um hospital. Até então as únicas tarefas de enfermagem que ela tinha feito era cuidar de amigos e parentes doentes. Durante esta época a enfermagem não era tido como uma profissão apropriada para uma moça bem educada. As enfermeiras desta época além de não ter treinamento tinham a reputação de serem vulgares, ignorantes e dadas a promiscuidade e bebedeiras".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.04.2010 às 23:17

Cristina,

A natureza humana é estranha. Será sempre estranha ao longo do tempo. Nesta Terra, claro.

Não sabia como as enfermeiras eram, então, (des) consideradas.

Quanto não terá ficado escondido na História dos tempos, não é?

Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 14.04.2010 às 00:31

Tem razão, Educadinha. O homem é mesmo um bicho estranho.
Imagem de perfil

De Luísa Correia a 14.04.2010 às 15:55

É verdade, Cristina, a enfermagem era exercida sem qualquer preparação pela escumalha feminina da época, e foi a Florence que a «nobilitou», acabando por abrir a primeira escola para enfermeiras. Teve, além disso, um comportamento extremamente voluntarioso e quase heróico (aos meus olhos) na Guerra da Crimeia. Mas, pelo que já li a seu respeito, era uma mulher distante, cujo amor pela «humanidade» emparelhava com o desinteresse pelo «homem concreto». Não era mulher de ternuras e comoções, embora fosse atenciosíssima e absolutamente «profissional». Retirar-se-ia muito cedo da actividade (creio que pelos 40 anos) e viveria a sua maturidade e velhice num quase completo isolamento.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 13.04.2010 às 22:15

As memórias são esquivas... mesmo quando não é um senhor que se nos antecipa.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 13.04.2010 às 22:27

Às vezes brincam connosco ao esconde-esconde, é bem verdade Manuel :)

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas