Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Justiça para Pacheco Pereira!

por P.F., em 13.05.10

Desmistificando as insensatas pretensões do povoléu e de políticos populistas, o Dr. Pacheco Pereira considera demagogia reduzir os vencimentos e privilégios dos políticos. Que seria de nós sem este elemento tão

ilustrativo da plutocracia iluminada? Como nós Portugueses não gostamos de demagogia e, e ele não merece a injustiça da redução de suas modestas benesses, faço aqui um apelo para que organizemos assim uma "vaquinha" para completar os vencimentos do Dr. Pacheco Pereira, caso estes venham a sofrer os propalados cortes. Que tal um grupo no Facebook, tipo "Vamos completar o salário do Pacheco Pereira!"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51


4 comentários

Sem imagem de perfil

De zedeportugal a 13.05.2010 às 19:53

A solução passa por um esforço acrescido da sociedade civil no sentido de condicionar cada vez mais a acção feudo-partidária, pressionando sem desistir até que as instituições públicas - tribunal constitucional, presidência da república, conselhos superiores diversos, etc - e vozes dentro dos próprios partidos tenham que admitir a discussão de um novo sistema político (que não é, nem pretende ser nenhuma ideologia): a democracia semi-directa. (http://democratadirecto.wordpress.com/)

Acreditem que não há outra solução para mudar isto.

O povo tem mesmo que ser quem mais ordena, ou continua a ser escravizado pelo todo-poderoso Estado e indecentemente explorado pelos lobies partidários. Os militares estão, de certeza, com o povo. Atenção: não estou a apelar a nenhuma revolução armada, nem golpe de estado, mas apenas a prever sem grande dificuldade lógica que os que têm sido tão maltratados espontaneamente darão o seu apoio à mudança.

Quem tem cabeça para pensar que pense e chegará a esta mesma conclusão.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 13.05.2010 às 19:56

Estou totalmente de acordo com Pacheco Pereira. Nada de reduzir os salários dos políticos. O que é necessário é reduzi-los drasticamente, em vez dos 5%. Em Espanha o patamar atingiu os 15%. Bem sei que se trata apenas de uma medida simbólica, mas seria um excelente sinal a enviar à população. Eles não percebem o que isso significa e assim, o futuro dirá se pagarão bem caro por isso mesmo.
Sem imagem de perfil

De Nuno Oliveira a 13.05.2010 às 22:37

Estando eu fora de Portugal há 3 semanas, tenho estado distante dos acontecimentos.
Eu vi a Quadratura em que o Pacheco Pereira defendia essa tése. E ele tinha razão num ponto: de nada adianta baixar os ordenados dos políticos se não se fizer mais nada. É pura demagogia. Ele nunca defendeu que se baixassem os ordenados de todos com excepção dos políticos.
Eu sou a favor que não se baixem ordenados nenhums. Acho até que deveria haver aumentos. Bastaria para isso despedir metade da Assembleia da República (deve ser mais ou menos esse o ratio dos que fazem alguma coisa) e metade da função pública. Assim o ratio de produtividade subiria para os 50% em contraponto aos 25% actuais. Continuava tudo na mesma mas ao menos pouparíamos uns tostões valentes.

P.S.: Estou tão feliz por ter finalmente decidido emigrar...
Imagem de perfil

De P.F. a 13.05.2010 às 23:13

Nuno Oliveira e Nuno Castelo Branco


Estava convencido que no "pacote da demagogia" identificado por JPP também estava inserida a defesa da redução do número de deputados e restantes políticos no activo. De resto, nunca ouvi nem li do senhor em causa nenhum ataque, digno desse nome, ao sistema do qual também ele se alimenta.
Aliás, para reduzir a classe política são necessárias alterações constitucionais de monta. E saber onde se vai cortar, pois além do parlamento não falta ninhos de tachos políticos: autarquias, institutos públicos, gabientes ministeriais, etc.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas