Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O défice monstruoso

por Nuno Castelo-Branco, em 26.05.10

 

Na Câmara dos Lordes e com toda a pompa das ocasiões importantes para um país sem complexos, a Rainha leu o discurso de abertura do novo Parlamento, onde o 1º ministro anuncia o programa do seu governo. Os cortes na despesa são profundos e denotam a vontade de saneamento das contas públicas. Um sector atingido é o das mordomias dos políticos que vêem cortados inúmeros privilégios e despesas de ostentação até agora pagas pelo Estado. Limusinas (10 milhões de Libras "trabalhistas" por ano!) - que agora apenas poderão ser usadas em actividades oficiais -, chauffeurs, assessores, prendas e viagens, são alguns dos draconianos cortes que impedirão conhecidos e escandalosos abusos.

Em França, Sarkozy impôs novas regras com a perda de benefícios automobilísticos para numerosas entidades governamentais e do sector empresarial do Estado, suprimindo automóveis de luxo e motoristas, despesas de "representação" e obrigatoriedade do imediato corte de 10% na despesa corrente dos departamentos do Estado. Como nota curiosa, foi publicada uma lista de restaurantes baratos que poderão ser frequentados por ministros e outros titulares de órgãos de soberania. Prevê-se uma abrupta descida no despesismo ostentatório.

Em Espanha, além do corte de 15% dos salários-políticos, desaparecem organismos parasitários, como Fundações fantasma, gabinetes de estudo contratados a apêndices da partidocracia, etc. Enquanto isso, os políticos e autarcas apertam o cinto.

 

Em Portugal, novas medidas foram tomadas. O 1º ministro vê aumentados para mais treze o número de motoristas disponíveis, não houve o menor anúncio de corte das frotas automóveis à disposição de presidentes, ministros, secretários de Estado, subsecretários de Estado, assessores presidenciais, directores do sector empresarial do Estado, dos juízes de Supremos, PGR, ministérios, etc, etc. Enquanto isso, os jobs for the boys continuam em força, como se nada de extraordinário se passasse em Portugal. A Assembleia da República viu aumentada a sua dotação e comprou novas viaturas de luxo para a sua presidencial Mesa, enquanto o Palácio de Belém bate aos pontos e para mais do dobro, a dotação do seu congénere espanhol. De facto, enquanto aumenta a despesa com subvenções, a despesa de Belém passa para 21.000.000 de Euros por ano, vendo acrescida em quatro milhões, a soma até agora recebida. Note-se que nos finais de 2009, a Casa Real espanhola enviou uma nota ao sr. Zapatero, indicando não querer receber qualquer aumento de verbas - 8.000.000 Euros/ano - para a despesa da representação oficial do Estado. Alegremente, o presidente Cavaco, o 1º ministro, ministros e outras "altas individualidades", vão viajando nos Falcon e sempre que podem, organizam cortejos de limusinas em constante renovação. O OGE prevê 160.000 Euros de despesa de comunicações móveis do gabinete do 1º ministro. Não se vislumbra qualquer corte no subsidismo a Fundações privadas  que se erguem com o dinheiro público, enquanto aumenta o clientelismo caciquista. Não se anunciaram medidas de corte na contratação de gabinetes de estudos paralelos a entidades oficiais, nem uma política mais rígida na contratação de assessores e outros quadros técnicos. A república auto-comemora-se este ano, sorvendo cabedais em jantares, conferências, publicações onanistas, visitas de estudo, selectas festas e obras de fachada em Praças e Museus que foram da Monarquia. O monstro está aí, mais gordo que nunca.

 

Entretanto, procederam a alguns cortes na despesa. Atacam quem menos possui e tem de recorrer ao Serviço Nacional de Saúde. Enquanto os sponsors da banca continuam com impostos abusivamente baixos, a imensa maioria canibalizada por políticas absurdas, paga o que já não pode.

 

Tudo na mesma. Não aprendem.

 

Portugal é um país pobre e em dificuldades. Não pode manter a república. Que seja abolida!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:36


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Gastao de Brito e Silva a 26.05.2010 às 14:19

É de facto uma república das bananas e um excelente ponto de comparação a um regime monárquico... o Rei preocupa-se com o estado da nação, obriga a classe política a seguir um linha de ética dando o primeiro exemplo...

Como é que os republicanos e em nome da democracia atentam diariamente contra este nosso País...

Torna-se difícil ser patriota nestas condições enquanto estes CRÁPULAS em nome de Portugal vão espoliando os cofres do estado...

Lembra-me os crimes que a Santa Inquisição fez em nome de Deus... assim estes ENERGUMENOS vão atentando contra todos os princípios morais sob a alçada da democracia...

Ainda se dão ao luxo de comemorar 100 anos de desastre social, corrupção e anti democracia...

Votem nestas bestas e continuem a queixar-se...

Obrigado "por abrir a pestana" com esta dissertação...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2010 às 14:41

Gastão, o seu comentário é uma perfeita adenda ao post.
Sem imagem de perfil

De mike a 26.05.2010 às 20:00

E pareceu-me ter ouvido ontem na rádio que o Estado criou mais outra empresa SA, atribuindo-lhe um orçamento de 5 milhões de euros. Nem prestei atenção sobre o sector de actividade dessa empresa. Só sei que o presidente será alguém do PS.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2010 às 20:03

Tchhhhhhhhhhhhh, não me diga! ;)
Sem imagem de perfil

De Nuno Oliveira a 26.05.2010 às 20:34

Caro Nuno,
Tenho seguido com alguma atenção a situação política no Reino Unido.
É impossível traçar um paralelo entre os dois países.
As eleições no Reino Unido ocorreram e 1 semana depois tinha um novo PM. 2 semanas das eleições (1 semana de trabalho) anunciaram os cortes que iriam fazer. Os primeiros. Já disseram que irá haver mais.
Em Portugal, levou mais de 1 mês para o mesmo PM formar novo governo. Com o mesmo MF.
Sabiam exactamente o estado das contas e mentiram a todos. Mesmo depois de eleitos continuaram a mentir (ou então são mesmo muito incompetentes).
Não conseguiram juntar medidas suficientes para serem encarados como estando a combater seriamente o deficite. Fizeram o PEC e mais uma vez não há seriedade nas despesas a cortar. Apenas o aumento de impostos. Levou-lhes 6 meses desde as eleições para responderem com um pacote de medidas escassas e insuficientes para resolver o problema ao mesmo tempo que apertam o cinto dos mesmos: quem trabalha.
A razão pela qual eu sigo com muita atenção o Reino Unido? Porque me cansei de esperar que tivéssemos um político sério e competente. E de um povo que olhe para além do umbigo.

E mudei-me...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2010 às 20:47

Logo uma semana depois do 5 de Outubro, talvez não tivesse sido uma má ideia um desembarque em força dos Royal Marines em Carcavelos. Ainda estão a tempo!
Sem imagem de perfil

De WZD a 27.05.2010 às 16:43

Mais depressa os nossos inúmeros oficiais-generais, que ao que parece, são mais que capitães, sargentos, praças e oficiais superiores todos juntos, fariam um golpe de estado, contando que as suas mordomias não fossem beliscadas. ;)

Todos comem à mesma mesa do mesmo prato, ou gamela...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas