Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tenho de dar a mão à palmatória.

por Cristina Ribeiro, em 14.06.10

Em tempos, não longínquos - embora a saudade de um blogue assim seja grande- um amigo blogger dizia-me que o mal deste país era a partidocracia; invariavelmente dizia-lhe que não era tanto assim - mas, depois de tanto tempo decorrido, de tanta água suja ter passado sob a ponte, não há como negar: essa burocracia que faz do nosso sistema partidário um ninho de casos obscuros e muito, muito, mal explicados, tem tido consequências do mais nefastas que há, sobre o país que raptaram, como se de propriedade privada se tratasse, onde, aí sim, poderiam fazer as malfeitorias que lhes desse na real gana.

Uma coisa, porém, lhe contrapunha, e assim continuo a pensar: a democracia tem chances de sobreviver saudavelmente - falei-lhe em Konrad Adenauer: o povo alemão é muito mais disciplinado? Por natureza. Mas bastava-nos ter políticos a sério " para fazer de um povo fraco um forte povo ". Se já sucedeu isso em Portugal, porque não voltar a acontecer. E esses políticos podem muito bem aparecer em democracia. Políticos fortes que saibam liderar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Vaz a 15.06.2010 às 01:05

Que falta faz o Paulo Porto à blogosfera.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 15.06.2010 às 01:17

Prometeu que voltaria com o novo ano; acho que lhe vou puxar as orelhas por mail :)
Imagem de perfil

De António de Almeida a 15.06.2010 às 18:19

Não podem existir políticos fortes enquanto a política for aquilo que é, as pessoas mais qualificadas fogem para outras áreas de actividade, algumas até do país. Em rigor, quem as poderá censurar?
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 15.06.2010 às 20:59

Pois é precisamente aí que bate o ponto, António: um político ( claro que teria de se rodear de outros de igual, ou semelhante, quilate ), mostraria o quão forte é, ao mudar a política que tem vindo sendo seguida; quero acreditar que há pessoas dotadas para o fazer sem recurso à ditadura.
Não é por isso que pedimos um " Novo Rumo"? Por acreditar? Mas sem a ingenuidade de pensar que é fácil, e é para amanhã. Sá Carneiro, por exemplo, não fugiu, mas nunca encontrou quem o secundasse; acredito que Amaro da Costa, por exemplo, o faria.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas