Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A tiro de canhão!

por Nuno Castelo-Branco, em 24.06.10

 


Uma sugestiva imagem em granítica e bem conhecida calçada

 

Oportunamente distraídos pela plena e ininterrupta campanha eleitoral em que há muito se empenha Belém e pelos futebóis que se tornaram no principal esteio do cambaleante Esquema, os portugueses não podem imaginar o que os seus lídimos dirigentes preparam. Nem sequer já mencionando o nada estranho conluio que representa a "força de intervenção europeia" que ditará Golpes de Praga em ocasiões azadas pelo directório bruxelense, eis que surge uma clara e incontornável programação para o enfrentar de qualquer eventualidade.

 

Muito pela rama, um canal noticioso passou rapidamente uma peça, cujo tema versava a segurança interna do Estado. A má nova despercebidamente se desvanecerá nos sinais rádio enviados para o insondável abismo cósmico. No entanto, consiste num preocupante motivo de rápida reflexão por parte dos potenciais e evidentes alvos da securitária intenção: nós, o vulgo.

 

Apercebendo-se do crescendo da situação explosiva que se avizinha a passos de gigante, vão tomando as devidas precauções. Bons alunos  dos centenários princípios em fraudulenta comemoração, esta gente decidiu-se a voltar as baionetas das Forças Armadas, apontando-as ao peito de um inimigo infinitamente mais perigoso do que qualquer ínfimo grupelho medievalesco e turbantado com toalhas de pizzeria.

 

A conferência de segurança que hoje se realizou, propõe - com plena e natural aquiescência do sr. ministro da tutela -, a adjudicação das Forças Armadas aos serviços de preservação da segurança do Estado, a par da missão das polícias. Sabemos o que isso significa. Num país que ainda há noventa anos tinha uma GNR - a força pretoriana do regime costista - armada com metralhadoras pesadas e com canhões de tiro rápido de 75mm, o recurso à decisiva força do Exército, é por demais atraente para ser desprezado. Alega-se naturalmente, com a muito curial ameaça de potencial terrorismo, termo de contornos mais vastos e difusos do que o insondável Deserto de Gobi.  Esta palavra para tudo servirá. Esperem e verão.

 

O estratagema poderá sair-lhes de forma imprevista. É que bastas vezes na nossa história, os canhões também dispararam... pela culatra!

 

* Não valerá o esforço a procura de informação acerca da escondida reunião. Até a esta hora, nada transpirou para a imprensa de referência. Percebe-se porquê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:38







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas