Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O mito do voto em branco

por P.F., em 15.07.10

Ao contrário da Cristina, eu não vislumbro vantagens no "voto em branco" se este for aplicado a eleições presidenciais. Na minha opinião, em qualquer tipo de eleições, o acto em si enquanto voto de protesto é um mito, porque daqui nunca nascerão consequências sérias para quem detém o poder.

No caso concreto das próximas presidenciais, o voto em branco não transmite protesto nenhum que se enquadre nas pretensões de quem não aceita a forma de governo republicana. A primeira mensagem que pode ser lida do voto em branco é: eu alinho com o sistema, porque voto, mas não dou o voto a nenhum dos candidatos, porque não prestam ou porque não concordo com as ideias deles. Em eleições presidenciais o monárquico, à partida, recusa o voto aos candidatos não necessariamente por discordar deles, mas sim porque rejeita a forma de governo.

No entanto, nada impede que o monárquico vote nas presidenciais se vir motivos sérios para isso. Se por exemplo estiver em causa a soberania ou a mudança de regime - neste último caso pode ver num candidato um agente da mudança ou, pelo contrário, alguém contra quem quer votar por representar perigo de mudança para pior. Quando não estão em causa estes factores, como creio ser o caso destas próximas presidenciais, o monárquico deve abster-se. Pois a abstenção não transmite necessariamente uma mensagem de insatisfação para com os candidatos.  A abstenção significa simplesmente a não participação no sistema. A abstenção não envia nenhuma mensagem em especial. De modo genérico transmite alheamento, é certo. Mas, quem não concorda com o sistema deve ser alheio às suas práticas e, em alternativa, procurar levar a cabo outras iniciativas de combate. Ou não - pode escolher simplesmente alhear-se e viver num mundo aparte. Com o advento da democracia, entre muitas lérias que nos impingiram, essa do dever cívico do voto é uma delas. Assim como a ilusão de o voto ser sinónimo de liberdade de escolha e nele poder estar o início de alguma mudança ou solução.

Votar nestas presidenciais, seja de que forma for, em branco ou ir lá fazer desenhos ou escrever palavrões, significa alinhar com a República. Responde ao apelo do dever cívico que alimenta um sistema que não é o nosso. O monárquico tem consciência que os candidatos não são entusiasmantes, pois sabe que eles provêm de uma forma de governo errada por natureza.

Onde a liberdade existe ninguém é obrigado a viver consoante padrões impostos. Ninguém deve ser coagido a escolhas nem compromissos quando não pretende participar neles, ou quando esses compromissos são por si só matéria de discordância. É um acto de objecção de consciência tão legítimo como qualquer outro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:56


9 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 15.07.2010 às 11:33

Não ponho os pés nesses locais. Gosto desse tipo de abstenção e desejo que seja superior a 50% do s inscritos nos cadernos eleitorais.
Imagem de perfil

De P.F. a 15.07.2010 às 18:36

Tentemos contribuir, então, para que a abstenção ganhe, Nuno. O fraco poder de mobilização destas eleições, dirá muito acerca delas.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 15.07.2010 às 15:19

Não sou monárquico, mas assumo desde já, que a manterem-se as actuais candidaturas mais a que surgirá patrocinada pelo PCP, não irei votar na 1ª volta das presidenciais. É que nenhum dos candidatos merece que me dê a tal maçada...
Imagem de perfil

De P.F. a 15.07.2010 às 18:38

António

Se o PCP vai patrocinar um candidato, aí a conversa já é outra. Temos de apoiar o camarada!
Imagem de perfil

De Manuel Pinto de Rezende a 16.07.2010 às 19:13

eu risco o boletim de voto, e escrevo: Viva o Rei, Viva o Manuelismo!
Imagem de perfil

De P.F. a 17.07.2010 às 02:05

Hmmm. Isso não chega, tem de haver daquelas coisas que fazem... pum. Viva o Rezendismo!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.07.2010 às 13:03

Li em diagonal....mas então, será que percebi que defendem a abstenção?

Porque a abstenção é uma forma de manifestação, não é?

Ora dizei-me, Félixe, dizei-me lá...

A anónima dos outros posts....
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.07.2010 às 13:07

Se bem que eu adoraria ir lá e indicar no boletim a todos a terra do «F». Estas limitações ortográficas, não me deixam expressar...

A mesma anónima
Sem imagem de perfil

De espiar com detectives a 29.11.2011 às 01:38

boa tarde mito tks foi extremamente excelent. esta entrada está fantastico.. pachei a ser membro nato aqui do blogue! cumpx

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas