Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A "crise" dos outros

por Nuno Castelo-Branco, em 26.08.10

Do Combustões, chega um texto que poderá sugerir uma rápida visita à Tailândia. Bastará um avião TAP, carregado de políticos e gestores simpatizantes dos dois principais partidos do sistema.

 

"A Tailândia está em "crise", dizem os entendidos ocidentais. Sim, boa crise esta que conhece 9% de crescimento económico (2010), 1.6% de desemprego, inflacção de 3.4% e uma dívida pública correspondente a 40% do PIB. Nós, europeus, cheios de futuro, estamos a correr em tropel para níveis de rendimento e consumo próximos dos anos 60, temos dívida pública que se aproxima dos 85% e desemprego real a bater os 15%. Depois, há o double standard. Na Tailândia, um deputado vence 1000 Euro, um ministro 2000 e o presidente do parlamento 3000 por mês. Nós estamos bem, pois batemos em double standard as mais empedernidas "aristocracias". Ah, falta falar da justiça thai, também flagelada pelos avisados ocidentais. Na Tailândia, o tempo médio de criação ou a extinção de uma companhia é de dez dias, como a constituição de um processo por difamação é de 30 dias, com 15 para trabalho dos tribunais e 15 de recursos; ou seja, dois meses. Na esclarecida Europa, isso arrasta-se por três ou quatro anos, com as custas a correrem pelo difamado. Bendita crise esta, a da Tailândia. A receita podia passar a integrar o cabaz das exportações do país, que só no passado ano aumentaram 50%."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:27


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.08.2010 às 01:54

Nuno,

fale mais sobre a Tailândia. Foto tão linda.

leve lá a hidranja.
Sem imagem de perfil

De Luís a 28.08.2010 às 17:05

Chamo a atenção para a falta de rigor e de informação deste texto:

http://jornal.publico.pt/noticia/27-08-2010/quando--as-feministas-influenciaram--o-poder-19991625.htm

Na I República foram lançados textos do mais misógino que há, remetendo as mulheres para o papel de donas de casa. O texto é de uma parcialidade escandalosa.

Comentar post







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas