Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Aceitam-se votações e sugestões

por Samuel de Paiva Pires, em 08.09.10

Quanto ao tema a desenvolver em dissertação de Mestrado em Ciência Política, na especialidade de Teoria Política:

 

1 - O Conceito de Liberdade em Hayek;

2 - Liberalismo e Conservadorismo: Da Contribuição de Friedrich Hayek e Michael Oakeshott para a Teoria Política no Séc. XXI;

3 - Edmund Burke e os fundamentos do Conservadorismo;

4 - Monarquia vs. República.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:18


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís de Aguiar Fernandes a 08.09.2010 às 02:12

Eu ia pela hipótese nº2. A 1 está muito em voga mas abrange várias outras áreas, a 4 é demasiado vaga e a 3... Bom, a 3 também serve. ;)
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 08.09.2010 às 09:36

É precisamente a n.º2 sobre a qual ando a ler agora, mas parece-me mais digna de um Doutoramento que de um Mestrado.
Sem imagem de perfil

De Miguel Castelo-Branco a 08.09.2010 às 07:29

Algo que seja retintamente português, pois tenho a impressão que as faculdades precisam desesperadamente de colocar os pés na terra e fazer coisas que tenham a ver com essa terra. Acho que o ciclo da americanice está a acabar, como acabou (felizmente) o ciclo Foucault.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 08.09.2010 às 09:35

Miguel, eu tenho um projecto de Doutoramento com admissão e financiamento pendente (que duvido muito que venha a conseguir) sobre a influência de Burke e Bentham no pensamento e acção dos liberais portugueses exilados em Inglaterra entre 1820 e 1834. Contudo, como provavelmente não irá para a frente, e dado que trabalho a full time, não poderei elaborar uma tese de mestrado como gostaria, pelo que terei que pegar em temas sobre os quais já tenha investigação feito e alguns escritos, como é o caso destes. Além do mais terei que fazer a tese de mestrado em apenas alguns meses.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.09.2010 às 20:10

Que quer dizer com o ciclo da americanice??? Mais depressa acaba o português do que o americano...como, de resto, se vê.
Imagem de perfil

De P.F. a 08.09.2010 às 21:23

Pessoalmente, não obstante todos os temas seres interessantíssimos, aquele que mais me diz respeito é o terceiro. Quanto ao interesse académico, estou de acordo com o Miguel, não sabendo porém se as correntes políticas nacionais estarão ainda pouco estudadas ou não. Penso que urge fazer um estudo sério sobre António Sardinha, António Sérgio, Alfredo Pimenta, etc. numa perspectiva de filosofia política.
Bom trabalho e boa sorte!
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 08.09.2010 às 22:23

Obrigado, Pedro! Há tempos andava a pensar que seria interessantíssimo realizar, com espírito enciclopedista, um grande trabalho de sistematização da filosofia política portuguesa. Não tenho, contudo, tempo e financiamento para tal, e desconheço boa parte dos autores, o que é um lapso que terei que colmatar futuramente.
Imagem de perfil

De victorangelo a 09.09.2010 às 08:43

Samuel,
De um velho destas coisas, aqui vai o conselho: é pegar no tema 2. O cerne da questão continua a ser de actualidade, o debate vai continuar e ganha balanço e matéria para o doutoramento futuro. Dá prazer ver jovens do seu calibre. Cordialmente, VA
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 11.09.2010 às 18:42

Obrigado, caro Victor! O problema é mesmo o pouco tempo disponível. A pegar neste tema, terei que circunscrever muito bem o objecto de estudo, e depois no Doutoramento tentar combinar as características do conservadorismo e liberalismo como forma de resposta aos dilemas da Modernidade.

Saudações
Imagem de perfil

De victorangelo a 11.09.2010 às 19:56

Parece-me ser um bom encadeamento. Coragem e boa sorte. VA
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.09.2010 às 20:12

Jovem Doutror,

Pois eu acho que o quarto é o mais interessante para uma tese de mestrado. Por motivos óbvios!

Comentar post







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas