Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Mal (de novo) entre nós

por Manuel Pinto de Rezende, em 19.09.10

«E os direitos do homem?

Há ou não há fundamento para comparar a expulsão dos ciganos da Roménia e da Bulgária ordenada por Sarkozy, com o que os nazis fizeram durante a II Guerra Mundial (...) e com as deportações para a Alemanha de 75 000 Judeus (na maior parte sem nacionalidade francesa), de que o regime de Vichy se encarregou por conta do III Reich? Num sentido, não há. Hitler queria exterminar os ciganos (...) e não parece que a Roménia e a Bulgária tencionem tratar da mesma maneira os ciganos que Sarkozy eventualmente "repatriar". Mas, desgraçadamente, isto não torna o episódio um simples caso de emigração ou residência ilegal.
E não torna, porque há outra face em que a política de Sarkozy se aproxima e até às vezes se confunde com a política de Hitler. Não é por acaso que a França resolveu escolher os ciganos como objecto do seu rigor e não escolheu, por exemplo, os portugueses. Os ciganos são uma minoria étnica vulnerável e não têm um Estado que os defenda (...). Promover colectivamente um pequeno grupo de "estranhos", sem protecção, a bode expiatório de uma crise grave e à superfície irresolúvel é uma antiga técnica do populismo, que Sarkozy (como Hitler) não hesitou em usar. Só que, por força, ela estabelece sempre sem exame uma culpa colectiva e aponta ao cidadão comum os "culpados" de um "crime" imaginário.
Qual é o verdadeiro crime dos ciganos? Em primeiro lugar, a "raça" (...). Em segundo lugar, a cultura, que, neste caso, incluiu o nomadismo. E, em terceiro lugar, a recusa de se "integrar" na sociedade francesa, presumindo que existe um único modelo de "sociedade francesa". Ora, como muitas vezes já se verificou, estas três "razões" levam directamente ao ódio e à perseguição. E aqui Viviane Reding não se engana, a II Guerra mostrou a que extremos pode chegar e com que rapidez se pode espalhar o estigma imposto por uma autoridade nacional a uma minoria étnica. Berlusconi já permitiu 315 "intervenções" do Estado em acampamentos de ciganos. Pior ainda, consta que a santificada Angela Merkel se prepara para expulsar 12 000. Onde fica nisto e para onde vai a "Europa" dos direitos do homem?»


VASCO PULIDO VALENTE, Público, 18 Set. 2010

 

in Cachimbo de Magritte

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30


2 comentários

Imagem de perfil

De Nuno a 20.09.2010 às 04:06

É fácil falar quando não se vive ao pé deles, as minorias são enriquecedoras se aceitarem respeitar os usos e costumes locais. Caso contrário são um foco de conflitos e problemas, a abertura total ás minorias contribuiu para o fim império romano do Ocidente em 475 (salvo erro). Considero essa questão tão indefensável que nem me vou alargar mais, além disso estou fora em férias.
Sem imagem de perfil

De Olindo Iglesias a 20.09.2010 às 14:52

Este texto exemplifica a retórica do politicamente correto. Será que o Sr. Pulido Valente acredita mesmo naquilo que escreve ou quererá ele parecer "kewl"?

Será que esse senhor acho normal 12,000 ciganos acamparem às portas de quaisquer cidades de um qualquer país?

Será que esse senhor acha normal 12,000 estarem-se completamente nas tintas para integração ou qualquer conceito parecido e numa atitude verdadeiramente parasitária tirarem proveito do país de acolhimento?

O que esse senhor se deveria perguntar, e aquilo que REALMENTE deveria preocupar a Comissão Europeia e o Conselho é saber o porquê do exodus dos ciganos do seu país "natural".

Comentar post







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas