Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estado de espírito

por Samuel de Paiva Pires, em 18.10.10
Viva a Maria da Fonte
Com as pistolas na mão
Para matar os cabrais
Que são falsos à nação

Quando é que nos tornámos medricas? Como é que um povo que fez quatro impérios ao longo de séculos, que passou por tantas crises bem mais graves que a actual, se deixou enredar nesta ladaínha que nos tolhe a coragem? Sinto uma profunda revolta, mas olho à volta e vejo que nos tornámos medricas. Quer os líderes que nos desgovernam, quer os portugueses em geral. E como assinalou o João Gomes Almeida, "em Portugal, o governo apresenta um orçamento de estado que vai pedir ao seu povo o maior sacrifício financeiro das últimas décadas. Os nossos dedicados sindicatos convocam uma greve geral para daí a um mês, os dirigentes estudantis continuam a embebedar-se e a suplicar notas aos docentes e o povo não se preocupa, afinal daqui a poucos minutos dá o directo diário da Casa dos Segredos".

 

A extorsão que este OE nos impõe, o descurar das principais áreas de actuação do Estado Social, tudo para manter uma ineficiente e parasita máquina estatal, é de uma injustiça gritante. É óbvio que não serão os partidos, os comensais interesses vigentes que se sentam à mesa do orçamento, que irão ter a coragem de ser justos e reformar profundamente o Estado português, colocando em causa as clientelas partidárias e a subsistência das Mota-Engil e das Ascendi do regime. E eu que nos últimos anos me tornei um convicto democrata liberal, começo a crer que talvez Manuela Ferreira Leite tivesse razão quando disse que mais vale suspender a democracia durante uns meses - até porque nós não temos uma democracia mas sim uma oligarquia de gente mal formada a dirigi-la. Se vamos ter ditadura do FMI, daqui a um mês ou daqui a seis, não valerá mais sermos nós a limpar a casa e colocar à frente dos nossos destinos verdadeiros patriotas e gente que saiba o que faz?

 

Estamos adormecidos nesta catarse colectiva. Até os estudantes, que noutros países sempre foram uma classe social a ter em consideração, se deixam extorquir (as novas regras e a falta de pagamento das Bolsas de Acção Social assim o demonstram), sem tugir nem mugir. Desde 1820, e até 1926, ao menos os portugueses lutavam na rua pelo que acreditavam ser melhor para o país, em especial quando se sentiam particularmente injustiçados. Estamos a ser roubados por gente que ainda se ri na nossa cara, e nada fazemos. Quando, mas quando raio é que nos tornámos medricas???

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:51


66 comentários

Sem imagem de perfil

De Fernando Santos a 19.10.2010 às 00:52

Pois, qd??? =s
Imagem de perfil

De mischa a 19.10.2010 às 11:43

Acho que precisamos de um líder! anda tudo trasmalhado! quando a chama acender acho que o fogo vai ser grande!
Sem imagem de perfil

De Jose da Fonte a 19.10.2010 às 11:52

Está tudo á espera de ver a revolução em casa através da televisão. Eu já comprei umas minis e tudo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2010 às 14:37

Compra uns chinelos e um colete para as nalgas à prova de bala! E pistacchios tb.
Sem imagem de perfil

De pINTO a 19.10.2010 às 12:06

VIVA O REI
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2010 às 14:43

Nesta altura, o rei devia estar munido com um programa alternativo. Mas que faz? Passeia-se e mostra-se nos dias históricos.
Sem imagem de perfil

De Xatice Tuga a 19.10.2010 às 12:14

O que precisamos é de tornar cada pessoa num líder, só assim assumiremos a nossa responsabilidade e a nossa quota parte, só assim nos respeitaremos mutuamente. Os políticos serão sempre tudo menos líderes, ou estarão sob o controlo das grandes corporações ou sob a obediência das Constituições e dos Povos que os elege. A escolha é Nossa, nós é que fazemos parte da Grande Massa que até hoje, anda a pastar sem direcção definida, o que QUEREMOS AFINAL? Isto é uma República ou um pedaço decadente de um império? Seja uma República, sem um povo culto só existe democracia, que é apenas uma ditadura da maioria, e como é fácil que essa ditadura sofra sérias mutações.
Sem imagem de perfil

De Alberto a 19.10.2010 às 12:15

Meu caro, foi a sua "democracia" liberal que nos trouxe aqui... e a sua citada MFL também contribuiu, e muito, para isto.
Sem imagem de perfil

De Filas a 19.10.2010 às 12:21

Dizer que nos tornamos medricas eh dizer que nao temos capacidade de reaccao ao que estah a acontecer (e reagir agora ja vem bem tarde), quando o que faltou foi capacidade de prevenir e falta de proactividade no momento em que havia para todos. Antes de sermos medricas fomos preguicosos, gananciosos, cumplices de uma maquina que vai muito mais alem to que o Estado ou Governo: Ganancia e competicao a troco de ganhos e bem-estar a curto prazo, mafias, falta de solidariedade. Parece que estavamos todos ah espera que quando a torneira se fechasse, a nossa Industria e gestao "made in" Portugal se iria sobrepor a concorrencia Mundial...
Sem imagem de perfil

De Paulo de Carvalho a 19.10.2010 às 12:21

Pinto da Costa para primeiro ministro! Vão ver se isto não indireita!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2010 às 14:39

Não, claro que não endireita. a mulher é jovem e depois as festas nunca mais acabam...
Sem imagem de perfil

De Susy a 19.10.2010 às 12:34

Parabéns ao autor! Excelente! Não posso deixar de estar totalmente de acordo em tudo o que escreveu Sou emigrante e é com muitíssima tristeza que leio as notícias do estado actual da Nação e dos portugueses.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2010 às 14:39

que fazem os emigrantes aí? Organizem-se também, gaita!
Sem imagem de perfil

De Susy a 20.10.2010 às 09:00

Se o meu país não me permite viver uma vida enquanto indivídua, independente economicamente e honradamente, não vejo outra alternativa que não seja emigrar. Os emigrantes, ao saírem do país já actuaram de alguma maneira...
Sem imagem de perfil

De Eu a 19.10.2010 às 12:54

Volta Salazar!!!!

Comentar post


Pág. 1/4







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas