Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Carta aberta à Europa

por Estado Sentido, em 10.02.12

 

Quando chegou à Chancelaria alemã, a Sra. Merkel viu partir o seu antecessor Gerard Schroeder para um rendoso posto proporcionado pela discutível democracia russa. O gás foi o móbil desse tráfico de influências e a Europa está hoje à mercê do Sr. Putin. A Chanceler Merkel viaja para a China e países africanos de expressão portuguesa. A Sra. Merkel chega em visita de contactos claramente comerciais ao Brasil e outros países sul-americanos, alguns dos quais são democracias de estranho recorte bonapartista. Pouco importam os argumentos éticos, pois o mundo dos negócios não se compadece com ninharias, especialmente se a Mercedes Benz ou qualquer outra grande empresa alemã, puder facturar apetitosos proventos na permuta de tecnologias por dinheiro vivo.


O duo CDU-SPD nas pessoas de Merkel e Schulz, não possui aquela memória histórica secular que lhes permita olhar com alguma circunspecção, as relações que um país como Portugal, antigo de nove séculos, foi estabelecendo já há mais de meio milénio com outros continentes. Quando os portugueses chegaram à China, a expressão geográfica da Alemanha vivia fratricidas guerras religiosas e os seus centos de micro-Estados lutavam por uma nesga de terra, um monte, um pedaço de rio que pudesse oferecer uma pequena vantagem em relação aos demais. Tudo isto no quadro de um ilusório I Reich destruído há duzentos anos por outro projecto europeu, sem dúvida tão imperial como aquele que hoje alguns ambicionam. A França que agora segue na senda dos desígnios de Berlim, teve o seu curto momento de glória por uma década, aliás posta em causa no solo deste pequeno país que em conjunto com o seu tradicional aliado britânico,  lutou e venceu pela verdadeira liberdade da Europa das nações. A própria Alemanha, criação recente de pouco mais de um século, beneficiou desse sacrifício luso-britânico, ouvindo nos sinos que repicavam em Lisboa, Rio de Janeiro e Londres na celebração da vitória, o nascimento da sua consciência nacional.


Portugal possui uma política externa própria, não se esgotando esta em meros exercícios de contabilidade ou de transferência de fundos. Ao contrário de vinte e cinco outros Estados da União Europeia e tal como o Reino Unido, a nossa língua é falada em quatro continentes, precisamente aqueles que hoje os empresários e políticos alemães ambicionam ter como parceiros de negócios. Portugal pode, deve e tem de participar nesse esforço de modernização e diversificação da sua economia que ao contrário da Alemanha, será mais um complemento nas profundas relações culturais existentes com a África, Ásia e América. Jamais os portugueses permitiram a imposição de Bloqueios Continentais, proibições do comércio livre impostas por terceiros ou afrontosas limitações da sua soberania. A Europa comunitária a que o nosso país aderiu é a existente em 1985, bem diversa nos fundamentos e nos propósitos que aquela que hoje alguns querem impor ao arrepio das soberanias e identidades nacionais, esquecendo que só estas permitem a expressão internacional das vontades dos diferentes povos, formuladas através das instituições democráticas onde se sentem verdadeiramente representados. É através da pluralidade de pertenças e da diversificação de relações externas que os estados europeus melhor podem contribuir para a realização da vocação universalista da União Europeia em face dos desafios impostos pela globalização.

 

Há que alertar os alemães para os perigos decorrentes da ignorância e espírito aventureiro dos seus inconscientes dirigentes. Esta é uma missão que decerto compete a um dos três países mais antigos do Velho Continente, precisamente aquele que deu a conhecer a Europa ao resto do mundo.

 

Miguel Castelo-Branco

Nuno Castelo-Branco

Samuel de Paiva Pires

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15


21 comentários

Sem imagem de perfil

De paulinha.manu@gmail.com a 10.02.2012 às 02:04

Muito bem escrito. Catuureira!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.02.2012 às 02:06

Tá supê caturra!
Sem imagem de perfil

De VH a 10.02.2012 às 09:21

E não há jornal que publique isto? Excelente.
Sem imagem de perfil

De Octávio dos Santos a 10.02.2012 às 10:24

Magnífico!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.02.2012 às 14:00

Tem raz~~ao Távinho, tá supê catuura!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.02.2012 às 14:01

Tem razão Távinho, tá supê caturra!
Sem imagem de perfil

De Tiago C a 10.02.2012 às 15:36

Um texto bem escrito, com adjectivos qb e sóbrio. Mas falha no essencial. Factos históricos são factos históricos e não os podemos moldar para que se adeqúem ao nosso propósito.
Portugal não se opôs a qualquer bloqueio continental. Portugal viu-se, sem o querer minimamente, envolvido numa questão entre duas potências europeias. E por paradoxal que possa parecer, pela pouca importância com que Portugal era olhado, todo o plano de Napoleão, de isolar economicamente os ingleses, que pela força não o conseguiu, só se podia tornar efectivo se os ingleses não tivessem qualquer hipótese de exportar os seus produtos. Não era o território europeu de Portugal que tanto ingleses e franceses queriam. Era sim a possibilidade, concretizada de facto, de os ingleses exportarem os seus produtos para o Brasil e assim sobreviverem economicamente. A frota que acompanhou o sequito de D. João VI para o Brasil fê-lo , como também tinha ordens para arrasar Lisboa se a opção de Portugal fosse respeitar o bloqueio a que se tinha forjadamente comprometido com Napoleão. Como se vê os ingleses de aliados tradicionais rapidamente passariam a inimigos.... Aliás sabem certamente que grande parte do saque dos franceses foi levado de Portugal com o acordo e anuência desses tão nossos grandes aliados.
Não deixa de ser verdade a pouca importância dada pelos novos lideres europeus às constantes da história.
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 10.02.2012 às 21:15

Sr. Tiago,


O texto não falha no essencial. Portugal não “viu-se envolvido” numa questão entre duas potencias europeias, mas se envolveu numa questão europeia. Para comprovar  isso, pesquise pela Campanha do Rossilhão e pela intervenção naval portuguesa, chefiada pelo grande Marquês de Nisa. A grande viragem se deu com a paz firmada entre a monarquia espanhola, que depois pagou caro por esse erro, e Napoleão. A partir daí a invasão era iminente, e difícil a preparação militar do reino num contexto onde não faltavam “simpatizentes das ideias francesas”. O então príncipe regente D. João conseguiu o impossível, e o próprio Napoleão reconheceu que este foi o único monarca que o enganou.


Quanto à afirmação de que  “Não era o território europeu de Portugal que tanto ingleses e franceses queriam. Era sim a possibilidade, concretizada de facto, de os ingleses exportarem os seus produtos para o Brasil e assim sobreviverem economicamente.”, há aqui contradições gritantes. Os franceses precisavam de Portugal para fechar a Europa, visto que a superioridade britânica no mar era óbvia, e as riquezas reais e imagnadas de Portugal não eram de se desprezar por parte da França, que há pouco havia vendido a Louisiana em troca de uma quantia que poderia ser obtida facilmente em Portugal através do saque.


O Portugal europeu também era um mercado significativo para a Inglaterra, ainda mais naquele contexto, onde servia também de base para o contrabando. Quanto ao Brasil, se o interesse meramente mercantil prevalecesse, seria mais conveniente para os ingleses que a monarquia bragantina caísse e o Brasil se tornasse logo independente.  

Sem imagem de perfil

De Tiago C a 10.02.2012 às 23:01

Vamos lá por partes;
A campanha do Rossilhão demonstra que demos um passo maior que a nossa perna. Tão só isso. A nossa importância era tal que Espanha e França assinaram um acordo de paz e nem se interessaram com o destino do corpo expedicionário português, que se tinha deslocado até à Catalunha.
O que isto tem a ver com a com a nossa frota naval só o Carlos Velasco saberá. A invasão francesa tornou-se eminente apenas e só quando Napoleão perdeu a batalha naval de Trafalgar e percebeu que a única forma de vergar os ingleses seria o tal bloqueio continental. Foi aqui que a aliança de Portgal e Inglaterra ganha contornos decisivos no conflito entre franceses e ingleses. Em Espamha como julgo que saberá a casa real foi deposta e surge como rei um irmão de Napoleão.
Os franceses só precisavam de Portugal para fechar a europa aos ingleses. Apenas e só por isso é que os ingleses estavam dispostos a arrasar com Lisboa se fosse essa a opção portuguesa. A importância do brasil era tal, que, no acordo de ajuda que Portugal efectuou com os ingleses, os barcos da marinha mercante inglesa tinham privilégios nos portos brasileiros, em termos de impostos cobrados, superiores aos da marinha mercante portuguesa! Qual é a contradição gritante que aqui há?
Em relação ao facto de Inglaterra preferir um Brasil independente, é óbvio que era preferível para os ingleses que o Brasil fosse parte do território de um Estado seu aliado, como Portugal, retirando, como retirou, os benefícios de tal acordo. Se fosse o contrário porque ajudariam os ingleses a familia real na realização de tão difícil viagem?
Só para terminar; Portugal era à época, um país pobre e atrasado economicamente. Quando a corte vai para o Brasil, é um povo analfabeto, pobre e sem quaisquer perspectivas que fica para trás. Mais tarde, influenciados pelos ideais liberais vindos de França, começam a surgir os primeiros verdadeiros sinais de hostlização em relação à presença dos ingleses em Portugal. Mas isso já são outros "quinhentos".  Passe bem
Sem imagem de perfil

De Tiago C a 11.02.2012 às 15:45

Caro Nuno,

Em desencontro com a opinião generalizda, para mim e depois de ler e estudar esta época, D. João VI foi um dos melhores chefes de Estado que Portugal teve. Por mais que o retratem como um ser gorducho, incapaz de tomar uma decisão, factos são factos e D. João VI foi rei, e morreu a reinar!, numa época em que a maior parte das casa reais europeias fora destituídas. Para além de ser o grande responsável pelo Brasil que hoje conhecemos, foi também D. João VI o responsável por em Portugal termos passado de um regime absolutista (no sentido de o poder não ser sufragado) para uma monarquia cosntitucional. A vilafrancada, a actuação do rei, foi, para mim, o marco decisivo para o não retrocesso de Portugal.
A ida, que não uma fuga, para o Brasil, representou uma ousadia, ao tempo, inimaginável. A vontade e a capacidade de transformar uma mera colónia, ou entreposto negreiro, em metrópole, representa a força deste rei.
Obs: Sou republicano, mas nunca por nunca vou negar ou sequer renegar o passado monárquico do meu país.
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 10.02.2012 às 21:15

É verdade que os ingleses atacariam a frota portuguesa se Portugal passasse para o lado francês, mas isso só atesta a imprtância que tinha a marinha portuguesa, que só perdia em importância e poder para a inglesa e francesa, ainda que em números ficasse atrás da espanhola e da holandesa, se não me engano. Mas a alternativa seria deixar a frota portuguesa cair nas mãos do franceses, o que era um risco inaceitável pra uma nação que também contava com a invasão.


Também é verdade que o general inglês Dalrymple, contra todo o seu estado maior, deixou os franceses irem embora com o saque, desconfio que por causa de um daqueles acordos selados entre partes que se cumprimentam através de maneiras esotéricas, mas a reacção em Inglaterra foi antagonismo violento aos termos do mesmo, que constituia a humilhação de um aliado que sempre foi visto pelo grande público com simpatia e afeição.


 
Saudações.


Sem imagem de perfil

De Tiago C a 10.02.2012 às 23:06

Sobre a importância da frota portuguesa nem respondo, tal é a falta de realidade dessa afirmação. Lembre-se só que quando a corte partiu para o Brasil houve barcos que ficaram para trás pois nem condições tinham para sair do Tejo.

Em relação à afirmação sobre putativas intervenções da maçonaria no saque a Portugal... enfim hoje em dia serve para justificar quase tudo.
Passe bem
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 10.02.2012 às 23:48

Sr. Tiago,

Admito que fui derrotado de maneira inequívoca pela sua burrice.

Ave asinus!
Sem imagem de perfil

De Tiago C a 11.02.2012 às 15:49

Caro Carlos Velasco,

Numa troca de ideias, cabe a cada interlocutor apresentar o seu lado e respeitar o lado oposto. Se tal não se afigura como tarefa possível para si, mais não me resta que deixá-lo sozinho. A zurrar.
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 11.02.2012 às 22:07

Caro Tiago,

O desrespeito partiu de si. Na escola em que fui educado, só se discute uma questão se estivermos preparados, e terminar um argumento com passe bem equivale a mandar alguém se f...er.
Sei que nos nossos tempos as coisas não são assim para a maioria. Portanto, talvez tenha havido um grande mal entendido se virmos as coisas numa perspectiva relativista, tão em voga nos dias de hoje.
Assim, dentro do espírito de tolerância que predomina nos nossos tempos, proponho uma troca que de certeza nos enriquecerá mutuamente: eu te ensino História e você me ensina a zurrar.

Cordiais saudações de um amigo da fauna.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.02.2012 às 12:29

És mesmo uma bichona.
Sem imagem de perfil

De anónimo a 12.02.2012 às 17:43


Estar a ocupar o espaço cibernético com discussões estéreis e ainda por cima indelicadas, parece-me uma perda de tempo.
Não há dúvida de que o saque saíu do nosso país levado pelas tropas napoleónicas sob proteção das tropas inglesas.
Quanto ao comprometimento das casas maçónicas, parece-me uma ipótese a descartar, tendo em conta o que aconteceu ao Sr. General Gomes Freire de Andrade, por iniciativa dos comandos ingleses.
Sejam mais profundos nas afirmações para não criar confusão!! 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.02.2012 às 23:13

Os meninos são supê cultos, uns keriduxos mesmo. Caturras!

Comentar post


Pág. 1/2







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas