Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Carta aberta à Europa

por Estado Sentido, em 10.02.12

 

Quando chegou à Chancelaria alemã, a Sra. Merkel viu partir o seu antecessor Gerard Schroeder para um rendoso posto proporcionado pela discutível democracia russa. O gás foi o móbil desse tráfico de influências e a Europa está hoje à mercê do Sr. Putin. A Chanceler Merkel viaja para a China e países africanos de expressão portuguesa. A Sra. Merkel chega em visita de contactos claramente comerciais ao Brasil e outros países sul-americanos, alguns dos quais são democracias de estranho recorte bonapartista. Pouco importam os argumentos éticos, pois o mundo dos negócios não se compadece com ninharias, especialmente se a Mercedes Benz ou qualquer outra grande empresa alemã, puder facturar apetitosos proventos na permuta de tecnologias por dinheiro vivo.


O duo CDU-SPD nas pessoas de Merkel e Schulz, não possui aquela memória histórica secular que lhes permita olhar com alguma circunspecção, as relações que um país como Portugal, antigo de nove séculos, foi estabelecendo já há mais de meio milénio com outros continentes. Quando os portugueses chegaram à China, a expressão geográfica da Alemanha vivia fratricidas guerras religiosas e os seus centos de micro-Estados lutavam por uma nesga de terra, um monte, um pedaço de rio que pudesse oferecer uma pequena vantagem em relação aos demais. Tudo isto no quadro de um ilusório I Reich destruído há duzentos anos por outro projecto europeu, sem dúvida tão imperial como aquele que hoje alguns ambicionam. A França que agora segue na senda dos desígnios de Berlim, teve o seu curto momento de glória por uma década, aliás posta em causa no solo deste pequeno país que em conjunto com o seu tradicional aliado britânico,  lutou e venceu pela verdadeira liberdade da Europa das nações. A própria Alemanha, criação recente de pouco mais de um século, beneficiou desse sacrifício luso-britânico, ouvindo nos sinos que repicavam em Lisboa, Rio de Janeiro e Londres na celebração da vitória, o nascimento da sua consciência nacional.


Portugal possui uma política externa própria, não se esgotando esta em meros exercícios de contabilidade ou de transferência de fundos. Ao contrário de vinte e cinco outros Estados da União Europeia e tal como o Reino Unido, a nossa língua é falada em quatro continentes, precisamente aqueles que hoje os empresários e políticos alemães ambicionam ter como parceiros de negócios. Portugal pode, deve e tem de participar nesse esforço de modernização e diversificação da sua economia que ao contrário da Alemanha, será mais um complemento nas profundas relações culturais existentes com a África, Ásia e América. Jamais os portugueses permitiram a imposição de Bloqueios Continentais, proibições do comércio livre impostas por terceiros ou afrontosas limitações da sua soberania. A Europa comunitária a que o nosso país aderiu é a existente em 1985, bem diversa nos fundamentos e nos propósitos que aquela que hoje alguns querem impor ao arrepio das soberanias e identidades nacionais, esquecendo que só estas permitem a expressão internacional das vontades dos diferentes povos, formuladas através das instituições democráticas onde se sentem verdadeiramente representados. É através da pluralidade de pertenças e da diversificação de relações externas que os estados europeus melhor podem contribuir para a realização da vocação universalista da União Europeia em face dos desafios impostos pela globalização.

 

Há que alertar os alemães para os perigos decorrentes da ignorância e espírito aventureiro dos seus inconscientes dirigentes. Esta é uma missão que decerto compete a um dos três países mais antigos do Velho Continente, precisamente aquele que deu a conhecer a Europa ao resto do mundo.

 

Miguel Castelo-Branco

Nuno Castelo-Branco

Samuel de Paiva Pires

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.02.2012 às 23:13

Os meninos são supê cultos, uns keriduxos mesmo. Caturras!

Comentar:

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds