Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




EU Leave Commissioner

por John Wolf, em 29.06.16

Brexit.jpg

 

A União Europeia (UE), como tem sido o seu apanágio, não tem sido capaz de acompanhar os tempos em que vivemos. E estou a ser simpático. Ao longo das últimas décadas não soube edificar os pilares da Política Externa e de Segurança Comum ou tender para uma verdadeira União Fiscal. O esforço mercantil e económico não bastou para contagiar as demais dimensões. Os fundos estruturais pareciam ser a panaceia inédita. Pensaram eles que a religião dos mercados seria suficiente, que atirar dinheiro aos desafios serviria para dissipar o fosso económico e social entre os mais ricos e pobres. À época não havia desentendimentos. Não havia neo-liberais e menos neo-liberais. Não havia uma Esquerda ou uma Direita demarcada por regiões. Não havia uma zona Euro nem uma zona Deutsche Mark. Não havia grande diferença entre o político doméstico e o político de Bruxelas. Mas lentamente, sem grande alarido, o interesse nacional de cada Estado-membro foi subvertendo o idealismo de Monnet ou Schuman. Os países, Estados-membros, ou outros a caminho desse estatuto, foram alavancando o seu caderno de encargos, o seu rol de exigências, até desvirtuar a possibilidade de uma verdadeira união política, uma federação. E os anos da UE que foram passando serviram de pastagem para a expressão de um conjunto de reinvindicações económicas e sociais da parte daqueles que não foram capazes de reorganizar os seus modelos societários. Sempre que as dimensões económicas não encontraram resposta, a ideologia foi sendo arremessada para justificar quer as faltas quer os excessos. Se existiu um Estado-membro que melhor soube tirar partido das fraquezas congénitas da UE, esse parceiro foi o Reino Unido. Se existiu um Estado-membro que buscou tratamento diferenciado dentro da continentalidade europeia, esse colega foi o Reino Unido. Se existiu um Estado-membro que nunca abdicou da sua irmandade transatlântica com os EUA, esse camarada foi o Reino Unido. Enfim, podemos afirmar, de um modo equilibrado e desprovido de paixão, que o Reino Unido talvez não tenha feito a sua quota-parte para aprofundar o processo de integração. Na hora do divórcio e da penosa separação de águas, todos estes elementos de sentimentalidade nacional e europeísta serão colocados em cima da mesa para o estabelecimento de novos acordos de associação. Embora seja uma contradição suicida, resta exigir o seguinte à UE por forma a atenuar as dores de separação: onde está o Comissário das Saídas da UE? Será de prever que semelhantes casos de despedidas venham a ocorrer. E seria bonito, que na sua hora final, a UE demonstrasse algum decoro, alguma competência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:31

Leitura obrigatória

por Samuel de Paiva Pires, em 29.06.16

Sobre o Brexit e o futuro da União Europeia, ide ler o belíssimo texto do José Meireles Graça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:54

Bomben Auf Engeland

por Nuno Castelo-Branco, em 28.06.16

 

439_001.jpg

 


Quando pensamos que descer mais é impossível, eis que somos surpreendidos por aqueles que em princípio mais moderação e distância deveriam mostrar. Está-lhes no adn apontar o dedo a todo o tipo de extremistas, desde os recauchutados ex-maoístas agora impantes de bazófia e que chegam a Lisboa para debitar mais umas tantas lições que apenas eles próprios escutam, até aos outros, aqueles geralmente anónimos à imensa maioria que distraidamente vai clicando o zapping à cata da bola do momento. 

O que hoje se passou no areópago europeu, foi bem a prova final daquilo que há muito todos suspeitávamos. Um Juncker enigmaticamente sóbrio, desferiu todo o tipo de impropérios em direcção a N. Farage, o eterno risonho que tem a certeza de que todas as suas provocações cairão infalivelmente no saco profundo de entes tão bestiais como o desaparecido van Rompuy e aquele outro belga de nome impronunciável, aspecto duvidosamente gelatinoso e melena longa artificialmente colorida.  Tudo isto muito divertido e que afinal preenche o tempo de um "parlamento" que nada propõe nem decide a não ser aquilo que lhe chega de outros gabinetes. Para além das missas de corpo presente, conferências abastecidas de gordos pastéis, chorudos salários e subsídios pessoais para as mais inimagináveis coisas, para pouco mais tem servido. 

O Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, inesperada e subitamente foi transformado numa espécie de Líbia dos tempos de Kadhafi, ou na gémea europeia da Coreia do Norte, à falta do Uganda de Idi Amin. Tornou-se num Estado pária.

Chovem os insultos, rosnam irritações e querem rapidamente expulsar o país que inventou a democracia da qual beneficiam todos eles. Afinal de contas, tooa este desabar de frustrada raiva não passa de um rápido encontrar de medidas preventivas que evitem a descoberta da lixeira que guardam sob a faustosa carpete estrelada.

A votação foi clara e entre os nacionais, cobriram-nos de vergonha a tríade PSD, PS e CDS com a sua exigência lesa-tratados que eles próprios fizeram aprovar sem dar cavaco ao seu próprio constituinte, neste caso, o povo português. Correm com os britânicos a pontapé, eis o que fizeram. Estão loucos e agem como tal.

Não sabem nem agora querem saber o que é e o que significa para a Europa o Reino Unido, refugiando-se numa campanha onde o mais infecto racismo é apresentado como rápida consequência do resultado referendário que não lhes agradou. Não se ralam minimamente com a mais descarada censura desde há muitos meses prodigamente ministrada a centenas de milhão de europeus que ao alcance de um computador, são informados de inconvenientes realidades que a todo o transe os nossos donos procuram mediaticamente ocultar. Eles sabem que nós, todos nós, sabemos. Sabemos e pior ainda, tememos e não queremos. Aqui está a razão bem escondida do resultado do recente referendo.

Só lhes falta rapidamente aproveitarem o buraco britânico e preencherem-no com a Turquia, essa lídima representante do desaparecido Império Romano do Oriente, como há algum tempo o cada vez mais suspeito quase-ditador Erdogan teve o descaramento de invocar como argumento. 

Entram em contradição, apresentando as suas televisões um chocante episódio há pouco ocorrido em Manchester, onde três miudosques ladrando um inglês indecifrável, agrediram verbalmente alguém que porventura vive naquele país muito antes deles próprios terem nascido. Isso mesmo, os tais miúdos que o repelente Barroso esta tarde fartamente suando diante dos holofotes, ousou distinguir como civilizados entes a proteger, apontando assim o futuro que espera este cada vez mais evidente recanto do grande continente asiático. 

No estado de histeria colectiva em que o parlamento europeu está, apenas faltará um deputado alemão propor a substituição daquela ode-coisa composta por Beethoven, por isto: Bomben auf Engeland. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:03

Artigo 49 do Tratado de Lisboa

por John Wolf, em 28.06.16

6a00d8341c5e0053ef01a73d88394b970d.jpg

 

Deviam ter tido mais juízo. Um referendo é um assunto sério e não deveria ter sido menosprezado. Jogaram? Perderam? Ganharam? Agora é um pouco tarde para chorar sobre leite derramado. Venha de lá esse artigo 50 que tem estado a acumular pó no Tratado de Lisboa. A petição para um Rereferendo já conta com 3 milhões de assinaturas? Lamento muito, mas apostaram no cavalo "errado". Paciência. Tiveram décadas e mais décadas de pertença ao projecto europeu, para agora se porem a invocar o desconforto da situação e reclamarem mais concessões. Sim, saída célere para colocar do lado de fora do idealismo europeu indivíduos com ideias diversas. Keep your friends close, but your enemies closer? (don´t know). Daqui por uns tempos podem sempre recandidatar-se a membro da União Europeia, se esta ainda existir. O artigo 49 também lá está para alguma coisa. Passemos à frente, mas receio que o desafio político que a Europa enfrenta não merecerá a resposta adequada. Os comunitários têm uma tendência inata para tratar das maleitas com as receitas erradas. Daqui a nada vão atirar com ainda mais dinheiro ficcionado pelo Banco Central Europeu aos mutilados pelo referendo. Existe muita roupa suja que irá ser atirada ao ar. O Parlamento Europeu parece ser o local apropriado para a baixeza de nível. Le Pen ou Farage foram criados nesse aviário. São filhos de Monnet e Schuman, e dos corredores infinítos de redundâncias da União Europeia. Fruta normalizada. É o que me ocorre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30

Vidas difíceis

por Nuno Castelo-Branco, em 28.06.16

69a68eb35ace134fa084cccdc2b88e24.jpg

 

 

 

- Mummy, porque razão vocês, os velhos, estão a roubar-me o futuro? 


- Roubar-vos o futuro? Já te digo quem teve o futuro roubado.

- O teu trisavô Randolph que morreu com vinte e dois anos em Ypres, desfeito por uma granada alemã. O teu trisavô Andy que passou por Arras, por Paschendale e esteve enterrado na lama da Flandres durante três anos até ser internado devido a gases, ficando cego de um olho. É aquele senhor da pala que está em várias fotos a sépia, aquelas que há uns dias disseste “bem podias vendê-las!” O teu trisavô Robert que veio da Austrália e ficou sem uma perna em Gallipoli e depois foi evacuado para Inglaterra, ali se casando com a tua trisavó Maggie, a enfermeira que conheceu e dele tratou no hospital. Viveram todos eles os difíceis anos vinte e passaram pela crise de 1929 e as suas filas de desempregados.

- Yes, but…

- Quanto aos teus quatro bisavós, também te posso dizer qualquer coisa. O teu bisavô Peter foi evacuado em Dunquerque e depois teve de servir na DCA que defendeu Londres durante o Blitz de 1940. Daí seguiu para o norte de África e fez toda a campanha da Líbia, passou por El Alamein, foi capturado na Itália e passou dois anos na Silésia, Alemanha, como prisioneiro de guerra. Sabes onde fica a Silésia? Pela tua cara, claro que não…
O teu bisavô John serviu na RAF, fez a Batalha de Inglaterra e foi depois destacado para servir no porta-aviões Ark Royal no Mediterrâneo, aí tendo perdido a vida quando o navio foi torpedeado. É aquele senhor da foto sobre o sideboard, o da Victoria Cross.

O teu bisavô Tony foi embarcado na defesa da marinha mercante que fazia a ligação do Reino Unido ao Canadá e EUA, correu enormes perigos devido à campanha submarina da Kriegsmarine e acabaria por ser destacado para o exército e participar no D Day, na Operação Market Garden, acabando a guerra como um dos motoristas de Montgomery e assistindo à rendição dos nazis na charneca de Luneburg. Dali seguiu para Berlim, para servir nas forças britânicas de ocupação, uma cidade em escombros onde conheceu a tua bisavó Elke com quem tanto te pareces e que como refugiada, miraculosamente sobrevivera à evacuação da Prússia Oriental, vendo o resto da família morrer esmagada sob o dilúvio de bombas e granadas soviéticas. Lembras-te de quando em pequeno foste connosco num cruzeiro no Báltico e com ela desembarcámos em Kalininegrado e pela última vez ela viu a fachada da sua casa? Nunca esquecerei aquela visita a uma aldeia do interior, abandonada e em ruínas… o desespero dela para ali sentada durante horas, olhando para o vazio. Morreu pouco depois, claro que já não te recordas.
O teu bisavô James serviu durante anos como descodificador da Enigma em Bletchley Park, enquanto todas as outras tuas bisavós, ou ficavam em casa a tomar conta dos teus avós, ou prestavam serviço nas fábricas, na Home Guard, na Cruz Vermelha, na Intendência das Forças Armadas ou nas nurseries do Estado. Passaram pela fase da reconstrução, num horizonte infinito de fome, ruínas e penúria que durou mais de vinte anos. Mesmo assim, meteram mãos à obra e juntamente com os franceses, alemães, belgas, holandeses e tantos outros, construíram essa Europa que agora vês. Todos eles votaram yes em 1975.

- Yes, fine, but…

- But, nada! Quanto aos teus dois avós, também tenho algo para te contar. Enquanto o teu avô Tim participou na Campanha do Suez e daí foi depois destacado para a Malásia e Hong Kong onde conheceu a tua avó Anne, o teu avô Tom mentiu na idade e enfrentou os Mau Mau no Quénia, ali sendo ferido e acabando por morrer num hospital militar em Nairobi, cidade onde eu e os teus tios nascemos.

- I know all that but I…

- Espera, ainda não terminei, shut up!
Quanto a mim e ao teu pai, também tenho algo para te dizer. Quando da independência do Quénia, fui evacuada com a tua avó que já estava viúva, juntamente com teus tios que mal sabiam andar. Viemos para Londres onde acabei por conhecer o teu pai uns anos mais tarde. Ele estava então destacado na Royal Navy e fez a Campanha das Falklands como piloto de helicópteros, transportando grandes placas de metal que atraíam os mísseis argentinos, os Exocet vendidos e fornecidos pelos nossos aliados franceses. Foi condecorado pela própria Rainha!


- Estou farto de ouvir essa história de pedaços de lata brilhante no casaco, mas, mummy, o que são mísseis Exocet?

- Se não sabes vai à Wikipedia, deve existir uma página sobre isso.

- Fiz horas extraordinárias para te dar tudo aquilo que a sociedade da tecnologia proporcionou: para não te sentires diminuído em relação aos teus amigos mais ricos, ofereci-te sempre os mais avançados telemóveis, enquanto ias colocando os outros naquela gaveta onde ainda estão. Comprei-te os IPAD, os Iphone que perdeste, os computadores de mesa sempre em actualização e todos os gadget e tablets quando te via e ainda vejo a olhar intensamente para uma montra. Comprei-te sempre as roupas que querias. Paguei-te as férias em vários resorts do Mediterrâneo e sempre com sucesso apaziguei o teu pai furibundo e farto das tuas bebedeiras, raves abroad, festas trance e pedinchices quanto a todas as play-stations & games que agora tens para ali atiradas e esquecidas no armário do teu quarto. Com grande sacrifício comprámos aquela pequena flat em Albufeira, no Algarve onde passas for free fins de semana com os teus amigos da bola e da cerveja. A propósito, porque te recusas a ir connosco? Fechámos os olhos às dúzias de viagens de um dia na Ryan Air para ires assistir aos jogos do Manchester United em toda, toda a Europa e várias vezes por ano. Olha, nunca te dissemos, mas quase morremos de vergonha por nós, pelos teus avós e pelo teu país quando foste preso no sul de Espanha por hooliganismo. No meu trabalho nunca souberam. O teu pai meteu-se num avião, pagou a um advogado espanhol e foi resgatar-te, estavas todo esmurrado, lembras-te? 

Depois, decidimos fazer mais um empréstimo ao Barcklay’s para que pudesses aproveitar o Erasmus na Polónia. No serviço as minhas colegas gozavam comigo a propósito desse programa, fazendo trocadilhos com outra palavra que decerto conheces. Aproveitaste? Vida difícil a tua…

- Fuck off!, I hate all of you!, you cannot understand young people! (sob)

- Yeah, yeah, toma lá 30 Libras para ires com os teus amigos ao pub ver o jogo Inglaterra-Islândia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13

Dos mercados

por Samuel de Paiva Pires, em 28.06.16

Dragão, Dominó, Chain reaction, Whatever!...:

Todavia, não deixa de ser bizarro... Os mercados fustigaram a Grécia porque ficou, fustigaram Portugal porque nem à chapada e a chicote de lá saíria, fustigaram a Rússia, a China e a República Centro Africana (todos os meses) porque não pertencem; fustigaram até o Estados Unidos sabe Deus porquê, e agora vão fustigar também os Britânicos porque saem? A verdade é que saiam, fiquem, ou nem por isso, são fustigados. Na medida em que os tais mercados se converteram num flagelo já não valem como argumento. É irrelevante o que um país faça em termos de acordos internacionais perante um flagelo. Esteja o céu para aí virado, apanha com ele e pronto. É como os furações, os terramotos ou as enxurradas.Ou seja, os Mercados já pertencem mais ao domínio da metereologia do que da economia. Digo da metereologia porque estou a ser simpático: o termo rigoroso é astrologia (bruxaria e candomblé se estivermos com exactidões).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:35

"Forget about it!"

por Nuno Castelo-Branco, em 27.06.16

half-united-kingdom-great-britain-half-spain-flag-

 



Nos últimos dias tudo tem servido para o normal parlapatório televisivo dos nossos comentadores políticos, desde o Dies Irae que se aproxima não se sabe como nem quando, até ao rebolar de desejo pelo rápido desaparecimento do Reino Unido. Apostam na total independência da Escócia e imediata integração do país na U.E. Em suma, uma das faces da vingança,  o argumento dos fracos e desesperados. Desunham-se por novas ideias, mas... 

...aqui estão dois pequenos detalhes:

1. Há que atender aos Tratados e por mais voltas que os nababos de Bruxelas lhes tentem dar, a conclusão é a mesma: qualquer adesão deverá ser sufragada pela unanimidade dos Estados, ou seja, pelos 27 remanescentes. Para agradar aos supracitados parlapatões que debitam sentenças em inglês, tal como os Tratados estão, "it's very unlikely".

2. A Espanha nunca o permitirá e a razão é conhecida. Quanto muito procurarão os espanhóis obter qualquer coisa a respeito de Gibraltar. Aceitar o ingresso de uma Escócia independente? Jamás, never! Ponto final.

Será mais fácil a 1º ministro escocesa pescar um cardume de esturjões à linha no Loch Ness, do que ver Madrid aquiescer aos seus apetites políticos. Contente-se então com as ovas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:02

Brexit at Tiffany´s

por John Wolf, em 25.06.16

BREXIT.jpg

 

 

Vou juntar-me à claque de especialistas e vaticinadores que já sabem o que advirá do Brexit. De repente os britânicos não passam de reles procriadores, de brexistas que se colocam de joelhos quando se lhes convém, ou de senhores do civismo sobranceiro - os tais donos do império que civilizou o resto do mundo. Mas deixemo-nos dos castigos e das sevícias administrativas de Donald Tusk ou Jean Claude Juncker. De nada importa reescrever a história e distribuir culpas e desleixos. A coisa está feita, feia. E os britânicos sabem, melhor que tantos, o que hão-de fazer à sua vida. Por um lado reforçarão a sua tradição transatlântica, esteja quem estiver na Casa Branca, e por outro lado poderão reavivar a sua commonwealth, mas de acordo com uma visão pragmática e económica -  penso sem grande esforço em diversos acordos de "substituição": com os Estados Unidos (EUA) ou com a Austrália. O impacto económico de curto prazo até lhes pode ser favorável - uma libra fraquita ajuda as exportações. Contudo, a separação da União Europeia vai ser um processo mais moroso do que julgam em Bruxelas. Já tivemos um referendo na União Europeia que não deu em nada. Os gregos votaram contra as medidas adicionais de austeridade, mas isso não demoveu o governo helénico de aplicar as mesmas. Nessa mesma senda de regimes e excepções, seria possível invocar esse precedente de contradição eleitoral, mas Cameron, ao contrário de arrivistas como António Costa, não está está interessado no poder pelo poder. O magistério da tradição política britânica fala mais alto. Os súbditos de sua majestade disseram de sua justiça e esse património de vontade não pode ser desfalcado. Bem sabemos que Juncker quer dar uma lição a outros candidatos "exitistas" da União Europeia, aplicando um modelo disciplinar agudo ao Reino Unido, mas eu teria algum cuidado. Os movimentos "independentistas" são de diversa ordem e provêm de famílias políticas distintas por essa Europa fora. As extremas têm cada vez mais em comum no que diz respeito aos seus intentos de emancipação e os russos estão a extrair dividendos do grande conflito interno que cada vez mais parece ganhar forma naquilo que resta da União Europeia. Os EUA vão sair a ganhar. Não apenas com o reforço do dólar americano, mas por poderem encontrar um parceiro ideal na Europa não continental. Quanto a Marcelo e Costa, vão levar ainda mais marteladas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:54

Artigo 50º de um "pedaço de papel"

por Nuno Castelo-Branco, em 25.06.16

Stop_Bullying.jpg

 

 



Sucedem-se as mais desmioladas e histéricas reacções, nem sequer os autores e esperados vigilantes da segurança do Tratado de Lisboa consideram minimamente aquilo que assinaram, para eles um pedaço de papel sem qualquer valor. Isto sem sequer contarmos com mais um bullying desta vez direccionado à "peste grisalha" britânica que para azar da própria, teve o privilégio de assistir durante décadas à evolução daquilo que hoje é a U.E. Recordemos então o que por cá se disse quando um governo foi acusado de provocar um conflito inter-geracional. Quem mais berrou foi o sector que agora e de forma nada surpreendente se escama todo pela decisão manifestada por sectores que evidentemente há muito deveriam ter deixado de viver, o tal "lastro social". 

Por aquilo que o cada vez mais patético senhor Juncker vai zurrando, trata-se agora de obter a miserável vingançazinha e expulsar os britânicos no mais breve espaço de tempo possível. Ora, isso não está previsto naquilo que o artigo 50º do tratado de Lisboa expressamente declara, ou seja: 

1.
Todo Estado membro poderá decidir deixar a União de acordo com as suas leis.
2.
Um Estado membro que decida deixar a UE deverá notificar a organização da sua intenção. De acordo com o que foi definido pelo Conselho Europeu, a UE devera chegar a um acordo com esse Estado, preparando a sua saída e tendo em conta o futuro da relação entre a União e esse mesmo Estado. O acordo deverá ser negociado tendo em conta o artigo 218(3) do Tratado de Lisboa sobre o funcionamento da UE. Deverá ser concluído em nome da União pelo Conselho Europeu, por maioria qualificada, depois de obtida a autorização do Parlamento Europeu.
3.
O Tratado deixará de estar em vigor para o Estado em questão a partir da data acordada no acordo ou, caso não seja possível, dois anos depois da notificação referida no parágrafo dois, a não ser que o Conselho Europeu, depois de chegar a acordo com o Estado em causa, decida estender esse período.
4.
Relativamente ao disposto nos parágrafos segundo e terceiro, o membro do Conselho Europeu que representa o Estado que abandona a União não participará nas discussões do Conselho Europeu que lhe digam respeito. Deverá ser acordada uma maioria qualificada de acordo com o artigo 238(3)(b) do Tratado, sobre o funcionamento da UE.
5.
Todo Estado que tenha abandonado a UE e queira voltar à mesma, terá de se sujeitar ao processo disposto no artigo 49.

No mínimo e se o governo britânico assim o entender, o Politburo do Soviete Supremo terá de esperar mais dois anos e neste período muitos eventos poderão ou não ocorrer. Popularmente falando, aguentem-se. 

Definitivamente urge substituir rapidamente este esquentador irreversivelmente avariado e sem conserto. 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:06

Reacções ibéricas

por Nuno Castelo-Branco, em 24.06.16

saint-vincent-cape-05.jpg

 



Se excluirmos a sugestiva mensagem que as autoridades nacionais enviaram aos nossos concidadãos estabelecidos no Reino Unido e aqui postada pelo John, o que hoje se ouviu corresponde exactamente a um país que é aliado da Inglaterra desde o século XIV:

!. A reacção de Costa, logo, do governo: boa

2 A reacção de Passos Coelho, o chefe da oposição: boa

3. A reacção de Assunção Cristas: satisfatória

O resto não risca nem conta.

Passemos então a fronteira e atendamos apenas aos dois principais partidos que se têm revezado no exercício do poder a partir da Moncloa:

1. A reacção de Rajoy: boa

2. A reacção do antigo chefe do PSOE, ex-1º ministro - em Espanha designa-se Presidente do Conselho - que do poder saiu acumulando escândalos sobre escândalos:

- vergonhosa, péssima, radical e escumando ódio, dir-se-ia uma tirada que nem sequer o franquismo mais militante alguma vez terá ousado exprimir, apenas faltando a imediata reivindicação de Gibraltar. O apelo à mais descabelada revanche, a uma desforra que segundo o valetudinário político, não se compadece com "paninhos quentes". Em suma e sem tardança o saberemos, o que já se espera de toda a turbamulta de anafadíssimos  mangas de alpaca repimpados em Bruxelas. 

Bestial, este Felipe González. Perdoa-se-lhe, desde que se desculpe com a idade. 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:49

7268619_48gk4.jpeg

 

O Governo da República Portuguesa pede aos seus cidadãos para cometerem a traição da nacionalidade - "peçam dupla nacionalidade" é o mote do dia à luz do Brexit. Vergonhoso. Sem palavras para descrever a baixeza da recomendação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14

Keep calm

por Samuel de Paiva Pires, em 24.06.16

Estamos a viver um momento histórico, cujas consequências, na sua totalidade, são ainda desconhecidas. Só conseguiremos ter uma noção holística do impacto do Brexit daqui a uns anos, quando percebermos o que terá acontecido ao Reino Unido e à União Europeia. Pelo meio, convinha começar a pensar no que se poderá seguir, como se faz neste artigo do The Guardian, e tentar evitar a histeria e as alegadas análises de quem, na verdade, dá essencialmente voz aos seus vieses ideológicos e preferências pessoais. Neste momento, ainda é cedo para saber se o Reino Unido se desagregará – apesar de o governo escocês parecer querer realizar um novo referendo sobre a sua independência em relação ao Reino Unido –, se ocorrerá um efeito dominó na União Europeia com vários países a procurarem seguir o mesmo caminho do Reino Unido, ou se, pelo contrário, o Brexit poderá levar a um reforço do papel do Reino Unido no mundo e/ou a uma reforma das instituições europeias no sentido de as tornar mais democráticas e accountable perante os Estados Membros. Por ora, resta apenas apreciar, goste-se ou não do resultado, a forma como se vive e respeita o processo democrático no Reino Unido, e relembrar o célebre póster datado de 1939:

 

keep calm.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

A brave british new world

por John Wolf, em 24.06.16

eu-flag-cracked-and-fractured.jpeg

 

A saída do Reino Unido da União Europeia (UE) deve ser colocada na mesma régua de importância histórica da queda do Muro de Berlim, do 11 de Setembro ou do crash bolsista de 1987. O que está acontecer é avassalador. Manifesta-se nas dimensões política, financeira, económica e social da Europa, mas também nas realidades de outros países distantes ou próximos. Por mais que António Costa elenque um conjunto de generalidades sobre o grande desígnio europeu, a verdade é que Portugal sofrerá as consequências do resultado do referendo. A saber; os juros dos títulos de dívida de Portugal terão tendência a agravar-se de um modo expressivo - o Reino Unido deixará de ser contribuinte do pote da UE e, nessa medida, Portugal terá menos a receber e terá de pagar caro o seu financiamento. A valorização do euro face à libra é péssimo para as exportações nacionais, e o sector do turismo sentirá a menor presença de britânicos na época balnear que se inaugura. O processo de saída da UE será moroso e concordante com a cultura burocrática de Bruxelas. Ou seja, será lento e doloroso. O Bank of England acaba de anunciar que tudo fará para estancar a grande volatilidade que se faz sentir nos mercados. O governador Mark Carney informa que planeia injectar 250 mil milhões de libras esterlinas na mercado por forma a acalmar os ânimos, mas, Mário Centeno que vive noutro planeta, assegura que Portugal tem provisões suficientes para fazer face ao descalabro gerado pelo Brexit. Como podem ver, Portugal está entregue à caixa mágica destes lideres. Agarrem-se que isto não vai ser bonito. E faltam as eleições em Espanha. Mas não faz mal, a geringonça tem tudo controlado. Para estes irresponsáveis é: business as usual.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:14

Algumas advertências

por Nuno Castelo-Branco, em 24.06.16

map-uk-british-flag-2828630.jpg

 

 

Há uns anos, Miguel Castelo Branco, Samuel de Paiva Pires e eu próprio enviámos esta carta à Europa. Teve algumas repercussões e o deputado britânico Hannan divulgou-a da melhor maneira. 

Era previsível, incontornável, não valerá a pena recorrerem ao habitual bicho-papão muito válido em França e outros países do continente.

Não foi a minúscula "extrema-direita britânica" quem decidiu o exit. Foram sobretudo os súbditos de S.M. no seu todo  - especialmente muito deles provenientes do Labour - e deram a expectável resposta ao bullying que há meses lhes era vergonhosa, indecente e diariamente ministrado por todo o tipo de sujeitaços estranhos às ilhas britânicas. Foram pouco ou nada susceptíveis às grotescas e inusitadamente ameaçadoras reprimendas de Obama. Caçoaram dos estapafúrdios delírios de toda a miserável e grosseira cáfila de Bruxelas. Precisamente quem menos economicamente pode, sim, esses mesmos, os tais eu e tu, não esteve com contemplações para com as iracundas recomendações da banca, bolsas, corretoras e toda a restante panóplia à disposição de quem se julga dono de tudo e de todos. 

Como português e devido a múltiplas razões, entre estas um certo sentimento de solidão nacional, era favorável à permanência do Reino Unido na U.E. Ditava esta posição um certo egoísmo pontilhado de inconsciência das realidades que há muito remeteram os mais estritos princípios da velha Aliança para o baú das recordações. Utilizando uma expressão muito em voga, tentava-me o wishful thinking, vendo na grande ilha o travão protector perante Bruxelas, Paris, Berlim, Washington e todos os centros de poder demasiadamente obscuro que comandam este pequeno mundo. Várias vezes dei comigo a vociferar diante de um televisor que não sendo um ente vivo, tem a extraordinária capacidade de nos fazer entrar em casa todo o tipo de criaturas indesejáveis, desde os idiotas entusiasmados por qualquer marginal transferência de jogadores do ..."agora é que é!", até às mais supinas entidades que nos querem fazer acreditar que a verdade não é aquilo que o rei vai nu demonstra e não a realidade oposta, aquela nudez que os factos garantem até ao mais descarado distraído.


Este exit é lamentável e tão mais deplorável porque facilmente poderia ter sido evitado. Escusado será dizer que a Grã-Bretanha não deverá ser tratada como a Irlanda ou a Dinamarca - e a França de Sarkozy - que há uns tempos sofreram o que se sabe após a realização de referendoscujo resultado foi considerado "errado". 

Em termos nacionais, temos os nossos populistamente parvos de estimação em todo o espectro parlamentar - totalmente ignorantes da mais básica e elementar lição de História - e prevê-se desde já o agitar de todo o tipo de espantalhos a que nos habituaram - xenofobias, extremismos para todos os apetites, etc -, nisto fazendo o jogo dos agora ostensivamente mais prejudicados, ou seja:

- as bolsas que logo cairão, as multinacionais que como sempre ameaçarão com o abandono do país, a banca internacionalizada, as agências de rating que esfregarão as mãos de contente agiotismo, em suma, os inefáveis  mercados reagirão da pior forma. A Libra atingirá os níveis mais baixos de sempre, ou seja, as primeiras boas notícias para as exportações britânicas. Tudo isto é previsível e dará azo a todo o tipo de teorias da conspiração. Os primeiros tempos - prevejo ser apenas uma questão de dias ou semanas - serão de desvario e desgarradas de histeria colectiva. Histeria colectiva da ínfima e muito abastada minoria que comanda.

O que não pode nem deverá ser feito? 

1º. Investir-se em vinganças mesquinhas como a penalização dos britânicos que residem em qualquer um dos países que ainda se mantêm na União. Deverão manter intactos, absolutamente intactos os seus direitos gozados até esta madrugada e os residentes em Portugal - os que mais nos interessam - não poderão ser molestados com torpes retaliações que lhes cortem o acesso ao SNS e à livre circulação de pessoas e capitais, por exemplo. Portugal pode até invocar a tradicional Aliança para manobrar no sentido de uma inesperada decência e desde já se aconselha a imediata ida a Londres do ministro dos Negócios Estrangeiros, para tratar do que pode e deve ser feito pelos portugueses lá estabelecidos e pelos britânicos radicados em Portugal. É o melhor que as autoridades portuguesas poderão desde já fazer, servindo de exemplo a quem as queira seguir.  Não há qualquer necessidade de sugestões de mudança de nacionalidade ou outros artifícios que mais nada significam senão um gratuito expediente na senda do ..."serás o último da bicha!" alarvemente proferido pelo presidente americano. 

2º. Investir-se na destruição daquilo que o Reino Unido representa como realidade histórica, acicatando a secessão da Escócia e da Irlanda do Norte, onde por várias razões o remain venceu. Atentem num detalhe: suceda o que suceder, os espanhóis não estarão dispostos a permitir a permanência de qualquer parcela componente do R.U. na União Europeia. Jamais.

Pela primeira reacção de M. Schultz, nitidamente furioso e sugerindo um "divórcio o mais brevemente possível", prevê-se desde já o pior. A segunda declaração, mais fria, é sempre melhor do que uma imediata ora ditada pelos nervos. De cabeça quente, todos os componentes daquilo que designo de Soviete Supremo, rapidamente embarcarão no que deu razão ao resultado deste referendo que é em tudo muito diferente de outros como aquele realizado na Itália de 1946, ou noutros países submetidos à consulta acerca de Tratados europeus. Em suma, este tipo de actuação é para os britânicos um insulto totalmente ineficaz e como se verá, terão instrumentos para reagir. Não resultará em qualquer benefício, o arremesso de mais um boomerang.

3º. Investir-se na diabolização dos eleitores britânicos que apenas exerceram o seu direito à soberania que se sobrepõe claramente aos ditames de umas dúzias de milhar de incógnitos e bem instalados burocratas instalados nos escritórios e sucursais de negócios espalhadas em todas as 28 capitais da U.E.

Estas são as primeiras condições na fase de rescaldo e recomendam exactamente o oposto daquilo que se prevê como mais evidente salivar: a vingança.

A solução? Só pode ser uma, o rápido início de negociações que permitam limitar os estragos, levando o Reino que se pretende que continue Unido, à mesma situação da Noruega. 

Nem vislumbro sequer outra hipótese. 






Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:08

Morrer à espera do SNS

por John Wolf, em 23.06.16

distal-digital-amputation.jpg

 

Os socialistas, bloquistas e comunistas não pouparam o governo anterior, acusando o mesmo de estar a matar os portugueses. Mas a geringonça parece querer ir mais longe. Promete conceder uma morte lenta aos utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS). António Costa bem pode carregar em ombros o pai do SNS, mas será a própria ideologia de Estado-monopolista a arma escolhida para desferir o golpe misericordioso nos doentes de Portugal. Na mesma linha de pensamento tosco sobre a exclusividade da escola pública, deparamo-nos com uma situação mais dramática, um enredo de vida ou morte. Por alguma razão, ao longo das últimas décadas, o sector privado de saúde serviu para colmatar as lacunas e insuficiências do SNS. O que mudou do dia para a noite? De repente, a toque de caixa, o SNS vai ter capacidade para atender às imensas filas de espera de pacientes? Tudo isto soa a teimosia ideológica. Mas há semelhanças com o que se passa no sector do ensino - o professor de Faro colocado à última hora em Bragança (?). Assim sucederá como o doente oncológico de Cuba (Alentejo) que terá de fazer malas para ser operado nos Açores. Dizem eles, com os três dedos em cada mão, que o SNS tem capacidade para servir os utentes. Eu sei o que querem fazer. Querem amputar as despesas com saúde, mas dando a volta ao texto, para que pareça o elogio da causa pública, do interesse nacional. Treta. Um governo incapaz de gerar dinâmica na economia apenas pode fazer uma coisa - cortar a torto e a direito. Os senhores-funcionários-públicos-médicos-cirurgiões que se preparem. Vão ter sessões contínuas. Mas podem dormir nos corredores dos hospitais se encontrarem uma maca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:07

A Tua Culpa.

por Nuno Resende, em 21.06.16

Só para que fique registado na História das infâmias deste país: ontem começou a encher a nova albufeira do Tua. Para quem não sabe - e me parece seja a maioria dos portugueses - o Tua é um afluente do rio Douro, que nasce a norte deste na região de Trás-os-Montes. Nesta região vive-se em crise há muitos séculos, subsiste-se, sobrevive-se. É pois terra que se vende por pouco, sobretudo quando o comprador é bem falante e os tutores pouco escrupulosos.

Ontem, 20 de Junho de 2016, governando um arco de poder à Esquerda, entre partidos que se dizem pró-ecologistas como o PEV, o BE, ou PAN cometeu-se um dos maiores crimes ambientais e paisagísticos na História de Portugal. Não houve «acampadas», boicotes, nem manifestações na Avenida da Liberdade, em Lisboa, ou nos Aliados - apenas acções isoladas de «românticos» que, como eu, acham que um pedaço de terra vale mais do que watts rentáveis e aquecimento central.

Com o silêncio da Comunicação Social, o conluio de toda a política Portuguesa, e a inércia burguesa que caracteriza a sociedade actual deste país deixamos que mais uma empresa dispussesse da nossa terra, da nossa água e dos nossos recursos para ganhar dinheiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:20

O Brexit ganha o Euro 2016

por John Wolf, em 20.06.16

hqdefault.jpg

 

Não tenho os dotes culinários de Fernando Santos. Nem sei cozinhar resultados. Por isso não me aventuro na casa de "abostas" do vai ou fica. Refiro-me ao Brexit, naturalmente. Nos últimos meses temos sido contaminados com inquéritos e mais inquéritos de opinião, com o esgrimir de argumentos nacionalistas ou europeístas, com a exposição dos males e benefícios do rompimento britânico ou com revisitação da história europeia e as virtudes da paz Kantiana. Tudo isto, e muito mais, tem contribuído para o não esclarecimento da questão. E faz sentido que assim seja. A identidade da Europa é essa mesma. O continente sempre foi um palco de tensões, de dissidências e aparentes entendimentos. Ou seja, quer adoptemos uma visão Hobbesiana ou Hobsbawmiana, seremos invariavelmente servidos pelo magistério cultural que reforça uma certa visão determinista. Em última instância, não existe um evento singular capaz de descarrilar a "civilização" europeia da sua tendência para sobreviver à sua própria condição. E esse estado crónico extravasa os parâmetros construtivistas da Comunidade Europeia, dos Tratados Europeus e da União Europeia. Os britânicos, que sempre foram talentosos na defesa do seu interesse nacional, souberam alimentar a falange independentista promovida pelo Brexit. O elencar dos perigos resultantes da saída não são equiparáveis às contingências de uma permanência. Nem devem ser relacionados. A separação de correntes políticas e económicas, a permanência ou a saída, são no meu entender, uma falsa dicotomia. Os britânicos, ao longo das últimas décadas de pertença à União Europeia, demonstraram que é possível estar dentro sem efectivamente estar. E se nos servirmos da mesma bitola de posicionamento estratégico, serão igualmente hábeis a se imiscuirem na condução dos trabalhos da Comissão Europeia e outras instituições, estando fora da estrutura, a 20 milhas do continente europeu. Por outras palavras, a condição britânica é incontornável. Os britânicos não vão a parte alguma. O Brexit até pode vencer o Euro 2016.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:38

Canas vs ilhas

por John Wolf, em 19.06.16

 

CS-9 Altacor Cana.jpg

 

Gabriela Canavilhas tem razão. Não foram 20 mil no Parque dos Príncipes em Paris. Eram seguramente mais. Era mais público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40

O Islão e a homofobia

por Samuel de Paiva Pires, em 19.06.16

Parvez Sharma, Gay Muslim: Islam Is No Religion of Peace:

Calling Islam a religion of peace is dangerous and reductive. Like the other two monotheisms that precede it, it has blood on its hands. It’s time we Muslims start looking inward at our own communities so that the bloodshed can stop. I’m convinced that Mateen’s attitude is not fringe. It can be found everywhere from Mecca to my own mosque in New York City.

The vast canon of Islam that emerged after the Prophet Muhammad’s life has enough sanction for violence, if you know what you are looking for. And there is no lack of homophobic condemnation either. The Quran itself remains vague on the matter, lazily regurgitating the Old and New Testament’s story of the Nation of Lot. And for the majority of 1.6 billion Muslims, many of them plagued by poverty and illiteracy, the debates going on amongst the Western Muslim pundits, will make no sense. What they listen to is Khutba (Friday sermon) after Khutba that talks about homosexuality as a sin amongst other matters of religious import.

Yes, most Muslims are muddling through life, putting food on their families’ tables just like everyone else. There are countless sectarian divisions within the vast faith. But if even a fraction of a percentage of this population believes gays should be put to death, we have a problem that cannot be dismissed so easily.

 

Alberto Gonçalves, Os islamófilos:

As acusações de "islamofobia" são a tentativa de simular escândalo face aos triviais, e compreensíveis, receios do cidadão comum: lá por conter umas dúzias (ou uns milhões, não importa) de extremistas, o islão - homessa - é essencialmente moderado. Por mim, tenderia a crer piamente no islão moderado se este entregasse com regularidade os seus radicais filhos à polícia ou, na falta de esquadra próxima, os pendurasse no alto de um poste. A quantidade de desculpas prontas ou pesares tardios com que trata psicopatas faz-me duvidar ligeiramente do empenho do islão moderado em justificar a designação. É claro que muitos muçulmanos não sonham com a explosão de transeuntes. Porém, já que se pretende banir ou castigar opiniões, seria interessante questioná-los sobre o respeito que dedicam às mulheres, a certos grupos étnicos, a determinadas religiões e, se não for maçada, aos homossexuais. Aliás, eles respondem ainda que ninguém lhes pergunte. Os "activistas" é que fingem não ouvir.

 

Andrew C. Mccarthy, Killing Homosexuals Is Not ISIS Law, It Is Muslim Law:

The inspiration for Muslims to brutalize and mass murder gay people does not come from ISIS. It is deeply rooted in Islamic law, affirmed by many of Islam's most renowned scholars. This is why, wherever sharia is the law, homosexuals are persecuted and killed.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:18

25.05-CGD.jpeg

 

O título deste post deveria ser: "E não há nada que Vitor Constâncio possa fazer". E porque não há-de ser esse o título? É esse o cabeçalho. Sim, senhor. Acabo de concordar que será esse o lead do artigo. Está decidido. Quem julga que é António Costa? Acho muito bem que a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) avançem com uma auditoria à Caixa Geral de Depósitos. Se eu emprestasse dinheiro a alguém também gostaria de saber com quem conto. Se tem a casa em ordem. Se é bêbedo. Se é esbanjador. Se vai ao casino jogar às máquinas. Se anda fugido ao fisco. Pois. De nada serve ter um socialista como número 2 do BCE. Por mais voltas que o Partido Socialista, o Partido Comunista Português ou o Bloco de Esquerda dêem, a condição de banco público não serve de nada. Bem pelo contrário. Um banco público é quase sempre um monstro que pertence a todos e não pertence a ninguém. Deixa-se perder na bruma da irresponsabilidade e da entidade abstracta que o Estado é especialmente talentoso em promover, defender. E não há nada que Vitor Constâncio possa fazer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:53

Pág. 1/2







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds