Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Arrastões e arrastadeiras de Ahmadinedjad

por Nuno Castelo-Branco, em 13.07.08

 

 

O programa do Eixo do Mal de ontem, consistiu numa já costumeira catilinária das sumidades de serviço, mosqueteando a torto e a direito, no mais corriqueiro "parece bem do politicamente correcto" nacional. Nada de novo. Passando sobre todas as minudências tratadas por suas excelências, apenas um assunto mereceria uma reflexão, mas a falta de credibilidade de quem o trouxe à lide, dispensa considerações de maior. 

 

O senhor Daniel Oliveira do Arrastão do B.E., lá atirou a rede para pescar a tainha habitual que é condimento indispensável para todo e qualquer autopromovido cozinhado intelectual do burgo. O trapinho vermelho ao pescoço, numa tardia reminiscência do pioneirismo dos heróicos Trotski e Estaline, sempre vai servindo como biombo de disfarce para o mais descarado programa anti-semita. De facto, o senhor Oliveira lá empurrou a arrastadeira pró-iraniana, manifestando estupor pela preocupação mundial, nascida do anúncio da posse de um pequeno míssil, por parte do modelar e democrático regime de Teerão. O argumento arrasta-se há décadas: se Israel alegadamente possui mísseis capazes de atingir o Irão, porque razão não será legítimo conceder aos senhores aiatolás a reciprocidade, isto é, a obtenção de armas capazes de atingir Israel ? Não contente com a alforreca arrotada, o senhor  do Arrastão ainda teve o desplante de sublinhar que este armamento iraniano até é uma boa notícia, porque evita tentações agressivas por parte dos costumeiros intervencionistas, os EUA e Israel, claro está.

 

Não vale a pena forçarmos o timoneiro a pescar noutras águas. Esgotado o banco de pesca do Pacto germano-soviético, decerto passou a atirar a linha ao arenque do Mar  de Barents. Acabada abruptamente a possibilidade da faina naquele sector do planeta, os armadores da pesca furtiva lá vão conduzindo embarcações e tripulações para águas mais auspiciosas, lá para a zona do golfo pérsico. A esperança é a última a morrer. A estupidez também. Infelizmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:13







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas