Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Save The Children - Não se deixem enganar

por Felipe de Araujo Ribeiro, em 06.03.14

Este vídeo divulgado pela Save The Children irá tornar-se viral dentro de 3… 2… 1…

 


Mas antes que o comecem a partilhar, poderão estar interessados em saber que:
- Uma das principais preocupações desta ONG é o planeamento familiar e o controlo populacional.
- Actua em parceria com instituições como a Planned Parenthood para a promoção do aborto em todo o mundo.
- …e com as grandes farmacêuticas, nomeadamente a GlaxoSmithKline, um dos grandes grupos que está obcecado com a propagação de programas de vacinas altamente suspeitos.
- Abundam as controvérsias à volta da Save The Children (como se pode verificar através de uma simples pesquisa online), e estas incluem salários milionários para os seus dirigentes, activismo político ilegal, silenciamento das vozes discordantes, manipulação de estudos científicos e da opinião pública através da divulgação de vídeos emotivos e propagandísticos, et caetera
- Qualquer semelhança com a campanha KONY2012 não é mera coincidência.

Dentro de 3… 2… 1…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:29


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.03.2014 às 19:51

Totalmente d'acordo com tudo quanto escreveu. E muito mais haveria para dizer sobre os indigentes em comandita com organizações mundiais, particularmente as multi-nacionais do sector e os grandes laboratórios farmacêuticos, que andam a envenenar lentamente a humanidade - a vacinação obrigatória e compulsiva, assassina e impune, às crianças de todos os países do mundo em conivência com os médicos-pediatras, com algumas honrosíssimas excepções, é presentemente o maior crime contra a humanidade - sem que haja um movimento global que lhes trave os ímpetos malditos. Há alguns movimentos patrióticos isolados e grupos de homens corajosos que o tentam fazer, tanto na Europa como nos Estados Unidos, mas sem resultado prático dada a sua pequena dimensão e ademais enfrentando bloqueios de toda a ordem, consequentemente de uma impotência total perante a força bruta dos poucos mas poderosos assassinos que compõem o núcleo duro que puxa todos os cordelinhos da política mundial, com prioridade absoluta (neste particular desavergonhadamente afirmado pelos próprios) na redução para metade da população mundial. E nisto estamos.
Imagem de perfil

De cristof a 06.03.2014 às 21:37

como voluntario menciono que uma das preocupações de quem gosta de apoiar e doar primeiro é ter a certeza que a dádiva vaimesmopara quem precisa e não para salarios de "voluntarios" ou chinezisses de gente que tem um calendario próprio (politico ou de prestigio pessoal). A gestão da ajuda tem que ser rigorosa (no Haiti quando chegaram as tropas andaram dias a salvara os imbecis voluntarios que desembarcaram aos milhares cheios ideais idiotas). No tsunami ONGs gastavam 600 mil dolares para mandar medicos para um país que tem medicos a mais e que pediram apenas medicamentos ou dinheiro para os comprar. Enquanto os cidadãos se recusarem a informar-se para alem da lagrima de telenovela,vamoscontinuar a ver a ajuda dada pelos paise mais ricos volatra aindamais depressa para Londres ou EUA atraves dos salarios dos "voluntarios" das dezenas de ONG muito "profissionais" e globais. O Google é um bom meios de tomar conhecimento, basta querer pesquisar e ver as sedes e os historiais dos dirigentes 
Imagem de perfil

De Felipe de Araujo Ribeiro a 07.03.2014 às 06:27

Subscrevo os dois comentários. A rede é verdadeiramente global e tentacular. Tenho vasta documentação que demonstra todas estas ligações, e é tudo público e acessível através de pesquisas na internet. Está tudo ligado, e basta unir os pontos para começar a ter-se uma ideia da dimensão global que assume esta agenda. A rede a que a Save The Children está ligada inclui a ONU e as suas várias agências, a PMNCH, a GSK e outras grandes farmacêuticas; os objectivos foram reforçados através do Millennium Development Goals, a Paris Declaration, a Accra Agenda for Action, o Monterrey Consensus; os programas foram postos em prática através de uma série de iniciativas, entre as quais a IHP+, a Harmonization for Health in Africa, a P4H, a lista é interminável. Quanto ao voluntariado fora da Igreja, ele é na essência, com algumas excepções, um bando de idiotas úteis que se justificam uns aos outros e que serve pouco mais do que os seus próprios interesses. É uma indústria bilionária de garante de emprego para centenas de milhares de inúteis que, de forma consciente ou inconsciente, servem os propósitos dos grupos de que falamos. As ONG, a ONU e suas agências, as agências da União Europeia, é tudo a mesma bosta, é tudo a mesma podridão.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas