Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Já alguém reparou que enquanto decorre o conflito no Caúcaso, região de acrescida importância energética pelas reservas, explorações e pipelines que integra, o preço do petróleo desceu? Ontem chegou mesmo aos 111 dólares. Alguém quer tentar explicar esta tendência contrária ao que seria de esperar por exemplo à luz do que aconteceu por altura das intervenções no Afeganistão e Iraque?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37


5 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 13.08.2008 às 23:21

Pois, boa pergunta, nem tinha ainda visto bem a "coisa"!
Sem imagem de perfil

De esferovite a 13.08.2008 às 23:38

Se calhar na Geórgia os famosos pipelines transportam gás natural e não petróleo. Se calhar este "piqueno" conflito ainda não ganhou dimensão suficiente para que os investidores se amedrontem a sério. Se calhar, nesta época do ano, andam todos mais sonolentos e os investidores não repararam na guerra, até porque há um velho ditado "bolseiro" que diz que não se deve investir em grande no Verão...

Ou então, "corrigiu-se" hoje a tendência decrescente do petróleo.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 14.08.2008 às 01:23

Olhe que não, quanto ao famoso pipeline Baku-Tbilisi-Ceyhan pode ver por exemplo na wikipedia (http://en.wikipedia.org/wiki/Baku-Tbilisi-Ceyhan_pipeline).

De resto pois, são várias hipóteses, mas parece que anda tudo adormecido (analistas, comentadores, opinion-makers) e ninguém agora se preocupa com isso...mas se aumentasse claro que veríamos por aí muita gente indignada...
Sem imagem de perfil

De esferovite a 14.08.2008 às 17:57

Tem razão no oleoduto: erro meu.

Quanto à descida dos preços do petróleo, talvez seja útil ver esta notícia de hoje (http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS&id=327818).

E para além de todas as razões apontadas, estamos em Agosto, está um calor moderado, faz sol e é pouca a vontade para o pessoal se chatear seja com o que for, mesmo que para seu proveito.
Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 14.08.2008 às 22:12

1. Os especuladores já se cansaram de investir, e agora querem fazer dinheiro. E aparentemente estão a fazer menos do que planeavam, a avaliar pela queda do preço em muito pouco tempo, depois de andar a subir +- 15-20 USD por semestre.

2. A situação financeira dos EUA é má e os americanos não estão a fazer férias (e a consumir gasolina) como dantes. No Verão, esse acréscimo de consumo aumentava sempre o preço. Este ano, dá-se a situação inversa.

3. Também se está a dar uma reacção do mercado: diminuição do preço e começou-se mesmo a fugir do petróleo enquanto fonte de energia. Nos EUA já se venderam 1,5 milhões de Toyota Prius, e os automóveis "compactos" de formato japonês e europeu estão a ter cada vez mais procura devido ao seu baixo consumo. Aliás, na publicidade dos construtores americanos o argumento das 'Miles Per Gallon' é dos principais (basta ver nos sites da GM, Ford e Chrylser).

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas