Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O farrismo dos "opinion-makers"

por Nuno Castelo-Branco, em 22.08.08

 

Os habituais fazedores daquilo a que abusivamente se chama opinião pública, desesperam no final de um verão que como é regra, tem sido parco em notícias capazes  de atrair um mínimo de atenção. De facto, não existe em Portugal, uma opinião pública tal como a conhecemos em alguns grandes centros urbanos na Europa ou nos Estados Unidos. No nosso país, essa opinativa actividade, é reservada a uma dúzia de participantes no jogo político que aparentemente criticam. Os habituais amigos, filhos, primos ou amantes de "personalidades de relevo", entram-nos em casa todos os dias, perturbam-nos a digestão e obrigam os telespectadores à maçada muito pequeno burguesa do zapping, na esperança de uma fuga às pequenas misérias que pelo passe prestidigitador desses opinion makers - é assim que se reconhecem e se comunicam, sempre em inglês -, sobem às alturas e transcendências dos outstanding events ou breaking news.

 

Para existir uma verdadeira opinião pública, essa massa anónima que teoricamente nomeia ou despromove políticas ou personalidades, um país terá infalivelmente que contar com sectores consistentemente organizados e participativos nas mais ínfimas formas de manifestação de interesse pelo destino comum. A isto normalmente se chama "espírito cívico" e na Inglaterra, por exemplo, proliferam sociedades já centenárias, onde os seus sócios se dedicam à preservação  de testemunhos de um passado aparentemente desinteressante  e por vezes excêntrico - a sociedade dos arqueiros, dos lanceiros ou dos amigos dos torneios -, mas que para uma comunidade, reafirma pela sua simples existência, uma constante naquele sentimento de pertença a uma terra, a um povo, enfim , à identidade que lhes é por qualquer forasteiro reconhecida. Desta forma, se em Lisboa entrarmos numa casa de revistas e jornais, podemos contar com um grande número de publicações especializadas em temas por vezes estranhos ou anacrónicos, onde após milhares de páginas publicadas durante dois séculos, ainda são publicados textos relativos a Waterloo, ou às características náuticas deste ou daquele vaso de guerra da Marinha Real do século XVII. Há quem se interesse, investigue e publique, sabendo da existência de um público ansioso por saber mais, em cimentar certezas e talvez, ávido em cultivar um certo fetichismo por símbolos de um passado que lhe dá razão de ser. É esta gente que lê, que se interessa e segue atentamente os debates sob os mais diversos temas nas tv's nacionais e estrangeiras, que constitui verdadeiramente a chamada opinião pública. Entende os discursos, possui referências capazes de situar o colóquio ou tema deste,  no espaço e tempo histórico e forma assim, um núcleo decerto restrito mas influente, de verdadeiros cidadãos aos quais os agentes políticos terão forçosamente de dar a devida importância. 

 

Em Portugal, não existe esse tipo de opinião pública e é supérfluo explicarmos a causa dessa grande lacuna num sistema - ou melhor, forma de governo - que se reclama da democracia. Existe sim, uma opinião que, sendo restrita a um círculo indecentemente íntimo dos donos da situação, não pode ser considerada pública, pois reserva-se a uma casta de duvidosa pré-selecção em conformidade com as regras acima descritas e que condiciona a informação que interessa. Os debates televisivos alongam-se infinitamente em discussões absolutamente irrelevantes e a aproximação da abertura das taças e campeonatos da "Liga" são um bom exemplo, ou recorrendo ao hipocondrismo latente na sociedade, debatem-se consecutivamente, centos de cancros e tumores, fungos e bactérias. Os horários nobres são desta forma monopolizados por todo o tipo de lixo susceptível de consumo, seja aquele protagonizado por um Dono da Bola, um intriguista dos mentideros das alfurjas da partidocracia tentacular, ou pior ainda, por novelas ou séries sem qualquer interesse e perfeitamente virtuais no que respeita à realidade portuguesa.  A esmagadora maioria dos sujeitos passivos -  os espectadores -"não quer saber" e pior, manifesta orgulhosa fanfarronice nesse desinteresse. A política, o ambiente, os problemas locais, a História, isso, ..."é para eles, os malandros que se governam à nossa conta"...É esta, a grande opinião pública que temos.

 

A verdadeira opinião local, é diariamente engendrada pelos fazedores de casos e açuladores daquilo que é mais rapidamente assimilável por massas embrutecidas ao longo de muitas décadas. Uma notícia vem quase sempre acompanhada pela censura velada ..."à arrogância, afastamento e desinteresse pela festa popular"... e desta forma, o putativo candidato a governante, terá para essa gente, que se sujeitar ao íntimo contacto e à perda do seu precioso tempo e de energia, com o eleitor incapaz de qualquer discernimento, ou, ainda  pior, de decidir conscientemente acerca de qualquer aspecto minimamente relevante da sociedade. Para os opinion makers domésticos, o bom político interessado, é aquele que se sujeita ao regabofe circense, ao permanente escrutínio da sempre presente inveja e do despeito deste ou daquele grupo de melindrados, estranhos ao círculo próximo da vítima a abater. Deve mercadejar em feiras, calcorrear lotas até à síncope libertadora, em nome da condescendência perante o zero absoluto. Quantos de nós não conserva a memória das patéticas cenas protagonizadas por ex-chefes do Estado, que cedendo ao populachismo fácil, envenenaram o relacionamento das gentes com as forças da autoridade, desrespeitaram o próprio Estado que dizem encarnar e deram deplorável sinal de fraqueza e rendição diante do voraz apetite de umas quantas objectivas fotográficas? 

 

Manuela Ferreira Leite vê chegada a sua hora amarga  e a decisiva prova de fogo, estando à mercê de uma coligação de vontades - jornais, tv, blogosfera, opositores do PPD - que antes de tudo, pretende contestar uma liderança já crismada não se descortina o porquê, de "frágil e inconsistente". Tudo isto se deve ao seu silêncio relativo a este ou aquele extraordinário evento lúdico promovido pelos meias-brancas do Partido, ou pelo menosprezo de um qualquer episódio menos feliz protagonizado pelo seu opositor governamental. A presidente não vai à feira, não frequenta bailaricos de arromba, não come fressura, nem emborca carrascão acompanhado de morcelas e sandecas de torresmo. Não está para isso e nem foi ao longo de mais de meio século, habituada à frequência desse tipo de tugúrios. É uma senhora, espécie em vias de extinção. Faz bem, ao contrário daquilo que lemos e ouvimos nos noticiários. Nesse aspecto muito particular da vida pública, creio que bem vão Sócrates e Ferreira Leite, quando se escusam a "dar confiança" a quem não interessa, não vale, nem pode. Nada de confusões.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:05


3 comentários

Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 22.08.2008 às 18:19

Caro Nuno,

Cuidado com o anti-clímax. Olhe que pode ser muito doloroso.

Se não sofresse as consequências, eu acharia muita piada à política portuguesa. Vamos ver quanto mais tempo demorará a "volta de aquecimento" de Manuela Ferreira Leite. Quanto mais tempo é que ela não-isto e não-aquilo, supostamente preparando-se para uma corrida onde supostamente estará em pole-position. É bom que quando arrancar, depois de tanto tempo de espera e de tanta espectativa criada, ela seja um autêntico Schumacher. Mas prevejo que não. Nem sombra de borracha deixada no alcatrão. Esta senhora é o maior flop dos muitos flopes que o PSD já teve. Esperem para ver. Eu já comprei as pipocas.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 23.08.2008 às 00:56

João, fez-me rir. Parece que a minha mensagem pode ser confundida como qualquer comprometimento (que presunção a minha) com o PPD. Nada disso. Apenas julgo perfeitamente dispensável viver a agenda mediática que, como sabe, é "abaixo de cão", como se diz. Nesse aspecto, tanto ela, como o 1º ministro fazem bem em não oferecerem demasiadamente o flanco. Santana e Menezes, veja bem no que deram, para não falar de Guterres.
Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 25.08.2008 às 18:59

Eu compreendo, mas a minha dúvida é por quanto mais tempo é que MNF se irá manter fora da agenda política, por muito bera que seja. Nas últimas semanas têm sido publicadas estatísticas económicas muito negativas (31% de aumento de déficit comercial; isto é uma loucura), temos uma onda de criminalidade como nunca se viu e MFL continua ausente. Nem mesmo a ameaça de Alberto João Jardim de formar um novo partido que esvazie o próprio PSD parece motivar esta senhora a ter uma reacção.

Uma coisa é Sócrates estar silencioso; tem boas razões para o fazer porque está mediaticamente falido, sem ter mais por onde tentar desmentir o óbvio, e por isso esquiva-se a tristes figuras. Outra é a posição de MFL, como chefe do maior partido da oposição, que mais do que nunca devia aproveitar o momento. Será táctica política ou pura e simples inabilidade para a função?

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas