Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Em política o que parece é"

por Samuel de Paiva Pires, em 29.08.08

Aprova-se uma lei que acaba com a prisão preventiva e incentiva ao aumento da criminalidade, com a ajuda mais ou menos aparente ou latente da comunicação social faz-se crer os cidadãos num panorama de insegurança generalizado, utilizando o mote do sentimento de insegurança aprova-se a criação de um cargo que centraliza e governamentaliza a investigação e o combate ao crime e logo de seguida volta-se a implementar a aplicação da medida de prisão preventiva. Daqui a uma ou duas semanas a comunicação social já não dará tanto destaque ao sentimento de insegurança. Daqui a um mês já pouco ou nada se falará sobre isso. Efectivamente, como diria Salazar, "em política, o que parece é".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04


9 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 29.08.2008 às 18:22

Samuel, terás de concordar que a prisão preventiva, tal como aqui se usa, é um abuso inacreditável no que respeita ao desprezo pelo tempo em que as pessoas se encontram detidas sem acusação formal. Pode ser usada contra todos!
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 29.08.2008 às 18:29

Claro que sim, eu concordo perfeitamente Nuno, mas passou-se do 8 para o 80, de um extremo para outro (sem contar que o proprio sistema de justiça é a causa dos abusos a que assiste quanto à aplicação da prisão preventiva a que depois só se dá seguimento em tribunal muitos meses mais tarde), e assistimos ao que temos assistido neste Verão. E o que importa é que me parece que isto foi tudo muito bem orquestrado para levar à criação do tal cargo de secretário geral da segurança interna sem que ninguém faça muitas ondas. Daí que, "em política o que parece é".
Imagem de perfil

De António de Almeida a 30.08.2008 às 17:39

-O problema começa na desorganização de todo o sistema judicial, mapa judiciário incluído , em que todas as autarquias querem um Tribunal no quintal lá de casa. Continua pela lentidão do sistema, é inacreditável o tempo que vai entre uma acusação e uma sentença. Agrava-se por um Código Penal excessivamente brando. Mas atenção, as reformas do ano transacto visaram apenas objectivos económicos.
Sem imagem de perfil

De carlosbarbosaoli a 29.08.2008 às 18:34

À falta de fogos na florestas, a comunicação social ateou o fogo da "onda de assaltos". Os criminosos agradecem, porque consideram o destaque um estímulo. Aposto que alguns desses pilha galinhas ( é disso qu na maioria dos assaltos se trata) gravam todos os noticiários e fazem recortes de imprensa.
Perante o panorama qu faz o PSD? Pede a demissão do ministro. Este Centrão é arrepiante!
Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 29.08.2008 às 19:33

À falta de fogos? Mas não têm faltado fogos, o que não são é mostrados na TV. O incêndio no passado Sábado em Belas foi o maior na região de Lisboa em 10 anos. Viu imagens dele nas televisões?

«Aposto que alguns desses pilha galinhas ( é disso qu na maioria dos assaltos se trata) gravam todos os noticiários e fazem recortes de imprensa.»

Todos os partidos fazem isso, constituindo uma base de dados. Por isso é que nos debates parlamentares se vão buscar declarações antigas e incómodas.

Quando era ministro do Ambiente, Sócrates tinha 8 assessores. Quatro deles tinham como únicas funções reportarem notícias relativas ao ministério que saíssem nas três televisões e na rádio.

Foi substituído por Isatino De Morais, que por sua vez tinha quatro secretárias pessoais: três lindas de morrer e uma escrava.
Imagem de perfil

De victorangelo a 29.08.2008 às 23:01

As estatísticas mostram que o crime violento, de que tanto se fala, é de facto uma realidade e não apenas uma questão de comunicação social. Aliás, creio poder dizer-se que o debate público, a atenção dada pelos media ao problema têm contribuído para que um pouco mais de iniciativa se tenha manifestado nos últimos dias. O que há a lamentar, no entanto, é a ausência de coordenação e de comunicação política efectiva sobre a matéria. Há muitos actores mas não se vê o encenador. A cacofonia, só por acaso, dará luz a uma melodia com algum jeito.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 29.08.2008 às 23:17

"O que há a lamentar, no entanto, é a ausência de coordenação e de comunicação política efectiva sobre a matéria. Há muitos actores mas não se vê o encenador." - touché caro Victor, concordo plenamente. E faz-me lembrar o que um professor meu ensina nas suas aulas, quem é que quer que eu acredite nisto, porquê e para quê?

Quanto à onda de criminalidade, não foi minha intenção afirmar que não existe ou que é apenas uma invenção da comunicação social, mas que os media muito têm contribuído para o sentimento de insegurança da população pela exposição exacerbada e mediatização, não me parece que hajam dúvidas, retirando muitas das vezes espaço de manobra às autoridades (já de si pouco organizadas ou coordenadas), e neste caso criando o sentimento necessário para a criação do tal cargo centralizador, contra o qual a esmagadora maioria dos portugueses não se manifesta, até porque como povo parece que gostamos mais da segurança do que da liberdade, sacrificando a segunda em nome da primeira. Falta saber até onde estamos dispostos a sacrificar a nossa liberdade em nome de um alegado sentimento de segurança. Porque claro que o crime violento é cada vez mais frequente, agora os sentimentos de segurança ou insegurança, esses dependem do agenda setting e dos tais diversos actores e encenadores.
Imagem de perfil

De victorangelo a 30.08.2008 às 20:34

Caro Samuel, li com atenção a sua resposta e penso que levanta um ou dois problemas fundamentais: liberdade versus segurança, bem como a questão de quem define a agenda pública. Ambos merecem que se lhes dedique alguma atenção. Vamos a ver se o fazemos no futuro. Saudações. VA

PS: Viu o que escrevi no meu blogue sobre estas matérias? victorangelo.blogs.sapo.pt
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 30.08.2008 às 21:32

Caro Victor, com toda a certeza, são temas que merecem ser tratados,! Vi e acrescentei o link na coluna ali do lado, é um prazer tê-lo como leitor do Estado Sentido e do que li no seu blog parece-me ser bastante "refrescante" no panorama da blogosfera nacional.

Quanto à questão ainda da segurança, devo dizer que a sua análise quanto ao Governo estar a transformar-se numa administração paralisada pelo medo de cometer erros e perder apoios merece também ser aprofundada, tem muito que se lhe diga!

Cumprimentos,
Samuel

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas