Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Teoria sistémica e eleições norte-americanas

por Samuel de Paiva Pires, em 06.09.08

 

(Presidente Mediático by Nuno Castelo-Branco)

 

Para o que pretendo aqui ilustrar vamos apenas tomar como noções simples a existência de dois sistemas, o Europeu e o Norte-americano, ou eventualmente um só que engloba esses e outros sob o nome de Ocidente. A considerar-se um só sistema de nome Ocidente, significará que outros sistemas existem e em conjunto poderão ser considerados sub-sistemas de um sistema mais alargado. Para cada um destes sub-sistemas que admite um comportamento específico que os diferencia de outros, tudo o resto externo a si,  isto é, aos seus actores, estrutura, ambiente interno e relações intra-sistémicas que geram a dinâmica do sistema constitui-se como o ambiente externo. E o próprio ambiente externo poderá ser um sistema, como o tal sistema mais alargado que engloba todos os sistemas. A questão ambiental extra-sistémica é de extrema importância pois se o sistema recebe inputs e emite outputs ou feedbacks para dar resposta às problemáticas que lhe são colocadas significa que quando não consegue dar resposta a esses inputs a nível do ambiente intra-sistémico vai exportá-los para o ambiente externo.

 

Ora os portugueses e os europeus parecem mais preocupados com as eleições norte-americanas do que com os problemas que os seus sistemas enfrentam de forma mais premente, ainda que consideremos a inegável relação entre estes diversos sistemas. Desta forma coloco então a hipótese de que por não termos líderes à altura para lidar com as nossas problemáticas continuamos sempre à espera dos Estados Unidos, logo as eleições norte-americanas tomam o lugar de destaque nas nossas mentes pois esse sistema supostamente será capaz de dar resposta aos inputs a que nós próprios enquanto sistema não somos capazes de dar resposta.

 

Parece-me uma forma fácil de explicar o tão exacerbado interesse dos portugueses e europeus pelas eleições norte-americanas. É que para todos os efeitos, sendo realista, não me parece que a política externa norte-americana vá mudar muito e é isso que realmente nos interessa, não se Obama, Mccain, Biden ou Palin são mais conservadores ou liberais, mais ou menos religiosos, mais ou menos à esquerda ou à direita, mais ou menos pais extremosos ou mais ou menos isto ou aquilo mas sim em que é que a política externa norte-americana nos vai influenciar, e claro que aqui não me refiro a questões económicas (até porque supostamente são os mercados e a mão invisível é que tratam desse tipo de questões), e sim a questões estratégicas e geopolíticas que parecem ter desparecido dos manuais dos senhores que dirigem a Europa.

 

A considerar a quantidade de textos, posts e artigos sobre as eleições norte-americanas ninguém diria que se diz por aí que somos um país onde a Ciência Política e os politólogos não vingam. Parece-me é que se nos preocupássemos com as nossas questões internas com o mesmo afinco estaríamos bem melhor. De qualquer das formas é fácil entender este exacerbado interesse, não só pelo exportar das nossas problemáticas para os Estados Unidos resolverem mas também como forma de refúgio intelectual desta Europa onde o sentimento de tédio do fim da História parece mais próximo do que nunca, e deste Portugal cada vez mais enrededado nas teias da sua governamentalmente promovida mediocridade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:34


3 comentários

Sem imagem de perfil

De JMB a 06.09.2008 às 05:56

Pois é, por isso mesmo.
Um reparo, a atenção dispensada aos eeuu é lícita pela expectativa de liderança. Ou ... ?
Moi ... je m'en fiche ...
Sem imagem de perfil

De jmb a 06.09.2008 às 07:02

Samuel, eu sou, os meus avós (viveram em Paris) eram, o meu pai foi, somos coleccionadores de pintura. É curioso ter conhecido a obra do Nuno Castelo Branco por esta via.
Vou saber mais.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 06.09.2008 às 09:32

Samuel, já foste dar uma vista de olhos nos blogs da esquerda? No 5 dias? Os "caviaristas" andam histéricos com as presidenciais americanas. Que patetas, cai-lhes a máscara num instante. Entre uma ida à festa Avante e uma jantarada no Bica do sapato, esta esquerda vai até NY passear ou fazer compras. Bah!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas