Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O regresso dos partidos de quadros?

por Nuno Castelo-Branco, em 11.09.08

 O inelutável processo de esvaziamento dos partidos a que temos assistido, parece apontar para uma nova forma de democracia representativa. Garantindo a democracia formal e todos os direitos constitucionais a ela inerentes, o sistema foi cedendo o caminho  a um novo mundo que deixou há décadas de ser bipolar. Os partidos não conseguiram  conceber modelos alternativos ao hegemónico neo-liberalismo que de Los Angeles a Moscovo e até Pequim, esfacelou dogmas ideológicos, derrubou alianças militares e tornou o negócio, como o exclusivo centro do debate na sociedade.

 

O efeito da mudança torna-se notório em Portugal, quando os dois principais partidos da rotação em nada se distinguem na sua praxis e nos projectos de gestão corrente do Estado. Assim, parece que evoluiremos para um sistema onde as eleições beneficiarão aquele que estiver em melhores condições tácticas e isto significa antes do mais, a possibilidade de influenciar através da paternal mão do aparelho do Estado e consequentemente, o decisivo peso junto das empresas que no nosso país, históricamente sempre muito dependeram dos serviços públicos. Entramos de forma assumida, num círculo vicioso de comprometimentos que garantem o status quo. Para o sector empresarial privado, a titularidade do poder político já não é um problema que se coloca, pois a existência de apenas um modelo possível de gestão - por que é disso mesmo que se trata -, atenua as velhas querelas entre "direita e esquerda", cada vez mais submissas a conjuntos normativos globais, inteiramente gizados extra-fronteiras.

 

O eleitorado compreende instintivamente os novos tempos e desinteressa-se da vida interna dos partidos que outrora eram olhados com apaixonada devoção. O outrora visível e centralizado poder político que parecia conformar todos os aspectos da sociedade, está hoje mais pulverizado e deloca-se lentamente das agremiações partidárias, para uma multiplicidade de agentes que vão influenciando através dos novos meios de comunicação postos à disposição de todos pela tecnologia. O próprio sistema económico global trouxe novas preocupações de satisfação do consumo - a grande obsessão do século - e a dívida surge desta forma, como a intransponível barreira, mitigando até ao nível da ninharia, o conflito ideológico que enlanguesceu por aparentemente já não ter razão de existir. Nesta realidade à qual não nos podemos subtrair, concluiremos que a possível modificação da representatividade parlamentar da qual saem os governos, será num futuro pouco distante, ditada apenas por meros factores acessórios, como a eficácia do marketing, o fulanismo de uma liderança, ou o simples cansaço do eleitor que por vezes deseja promover uma cara nova. Não será anacrónico colocar a hipótese de a futura realidade política e social, levar á própria reformulação do conceito de representatividade democrática, pois tendo-se alargado a participação através da informação, a democracia parece ter extravasado os até agora normais limites partidários  parlamentares. E aqui apresenta-se-nos  mais uma dificuldade difícil de ultrapassar, pois a percepção que hoje temos dos partidos do poder, consiste na certeza do progressivo estiolar da dinâmica de outrora, transformando-se aqueles em clubes de correligionários de banquetes, cerimónias e sobretudo, de lugares rendosos. De facto, a demonstrada mobilidade de titulares de órgãos de soberania em direcção aos conselhos de administração das grandes empresas, parece comprovar essa mútua dependência que conformou o sistema. Vivemos já o alvorecer de uma nova ordem.

Será o regresso dos velhos partidos de quadros de há cem anos? Se assim for, é a vingança da História.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas