Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os 92 anos da avó Irlanda

por Nuno Castelo-Branco, em 15.09.08

 

Quando nasceu, Portugal sofria as tropelias dos bandos de Costas e de  Bernardinos, iniciando o desastroso caminho das trincheiras da derrota militar na I Guerra Mundial. Foi contemporânea do final do reinado de Nicolau II e dos kaisers da Alemanha e da Áustria. Quando nasceu, o planeta Terra era ocupado por impérios com nomes tão exóticos e historicamente pesados como Áustria-Hungria, Império Otomano, Abissínia, Pérsia, ou Raj britânico. Viu surgir Lenine e não se apercebeu da sua morte. Comentou receosa, a ascensão de Estaline e de Hitler e testemunhou a ignominiosa queda de um e a misteriosa morte do outro. Na segurança relativa de uma África distante e talhada para ser um novo Brasil, viveu inteiramente a sua juventude de mulher extraordinariamente bela, elegante e prendada nos aborrecidos afazeres domésticos. Quando nasci, tinha apenas 43 anos e foi uma segunda mãe. 

Veio para Portugal Continental em 1976, deixando enterrados em Moçambique os seus avós, o pai e tios. Consigo trouxe as cinzas do marido. São os despojos de uma vida, conservados à mesa de cabeceira. Não é muito, mas para esta avó, é o que mais lhe importou salvar.

 

O cinquentenário do casamento dos meus pais (15-9-1958), sem dúvida merecerá uma "reportagem fotográfica" especial, tendo apenas que esperar pelo conserto do scanner, avariado num imprevisto momento de mau humor. Coisas que acontecem...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26


3 comentários

Sem imagem de perfil

De De Puta Madre a 15.09.2008 às 18:18

Já agora um apontamento sobre o 15/09/1944 ..., como diz a Lei Espanhola, o meu progenitor B tb inaugurou o planeta nesse dia.
Sem imagem de perfil

De mike a 15.09.2008 às 23:28

E seria com uma vénia que beijaria a mão da avó Irlanda. Os meus parabéns aos seus pais pelo cinquentenário que hoje se comemora.
Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 16.09.2008 às 19:52

Muitos Parabéns!

E porque não um livro de memórias escrito pelo neto? Fica a sugestão.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas