Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lições da História

por Samuel de Paiva Pires, em 16.09.08

Em que época do século XX é que os estados recorreram na generalidade a sistemas de economia planificada (não dirigida e centralizada como o monopólio do estado sobre essa - caso da URSS)? E em reacção a quê? Pois.

 

Vamos aguardar para ver é os impactos daquilo a que estamos a assistir em termos políticos, se é para "fecharmos" como dizia ontem um académico de que não me recordo do nome, no programa da RTP1 "Pensar o país", (e espero sinceramente que não, especialmente pelo que isso poderá significar em termos políticos internos) ou se é para uma solução menos radical que passe, tal como referi aqui, por uma maior intervenção dos estados e/ou entidades supraestatais na economia (veja-se as nacionalizações nos EUA), que continuará, como não pode deixar de ser, uma economia de mercado.

 

De qualquer das formas estou muito longe de perceber seja o que for de economia, e como não gosto de ser alarmista e a este respeito até sou bastante optimista, muito provavelmente haverá uma solução de médio prazo para o que estamos a assistir, como é apenas natural num sistema capitalista que se regenera através das falências. Descansem camaradas comunistas e afins que ainda não chegou o fim do capitalismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:43


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Alfredo a 17.09.2008 às 13:13

Não se trata muito de perceber ou não de economia, mas sim dos fluxos do mercado e o seu funcionamento.
Em termos daquilo que é o meu pensamento, sobre como deveria ser o funcionamento do mercado temos o seguinte.
As economias ocidentais, que apostaram no puro mercado liberal auto-regulador, esqueceram-se que a constante busca de lucro por parte das empresas, não tem muito em conta a manutênção ou não de postos de trabalho no futuro, bem como da actividade da empresa. Não havendo dinheiro para os consumidores-empregados, não há dinheiro para comprar e7ou pagar os produtos. As empresas esquecem-se muitos desta questão. E o no mercado livre acontece muito a premissa do homem-lobo-do-homem, onde todos se tornam enimigos de todos. E o mercado torna-se selvagem, ao ponto de ter problemas em suster-se. É isto que acontece neste momento um pouco por todas as economias ocidentais. No caso dos mercados financeiros também se deve, quer se queira quer não, à antiga confiança cega na moeda ficticia - ora os cidadãos hoje em dia gostam mais do que aquilo que possuem sobrendividando-se, quer a si, quer às instituições financeiras a longo prazo, o que gera uma espiral de falências, começando pelo consumidor e acabando logicamente nas empresas. É isto que acontece na Europa e Estados Unidos.
A contrapor temos a China, que percebeu que o melhor capitalismo é aquele que se alias ao comunismo e vice-versa. E assim temos aquilo a que eu chamo capitalismo centralizado, onde o mercado é livre dentro daquilo que o Estado considera normal e não passível de risco. Ora isto implica quer uma protecção dos consumidores, quer uma protecção das empresas ou dos investidores. E lá isto só se faz com uma intervenção estatal com força suficiente para dizer ao mercado por onde deve ir, se quiser sobreviver. E isto é dificil quando muitas empresas controlam os Estados.
As empresas devem ser separadas dos Estados, contudo este último deve ter uma palavra a dizer na gestão dos assuntos financeiros e económicos, se mais tarde não quiser ter convulsões sociais.
Mas mais que estas palavras, o que é necessário é repensar o funcionamento livre do mercado, pois como já se viu, liberdade a mais, gera demasiada insegurança.
Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De Pi-Erre a 17.09.2008 às 15:26

Como funciona a economia neo-liberal:
Uma vez, num lugarejo, apareceu um homem anunciando aos aldeões que compraria macacos por €10 cada. Os aldeões, sabendo que havia muitos macacos na região, foram à floresta e iniciaram a caça aos macacos.
O homem comprou centenas de macacos a €10 e então os aldeões diminuíram o seu esforço de caça.
Aí, o homem anunciou que pagaria €20 por cada macaco e os aldeões renovaram os seus esforços e foram novamente à caça. Logo os macacos foram escasseando cada vez mais e os aldeões foram desistindo da busca. A oferta aumentou para €25 e a quantidade de macacos ficou tão pequena que já não havia mais interesse na caça. O homem então anunciou que agora compraria cada macaco por €50! Entretanto, como iria à cidade, deixaria o seu assistente cuidando da compra dos macacos.
Na ausência do homem, o assistente disse aos aldeões:
- Olhem todos estes macacos na jaula que o homem comprou. Eu posso vender-vos por €35 e, quando o homem voltar da cidade, vocês podem vender-lhe por €50 cada.
Os aldeões, muito espertos..., pegaram nas suas economias e compraram todos os macacos do assistente.
Nunca mais viram nem o homem nem o seu assistente, somente macacos por todos os lados.
E viva o liberalismo!...

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 17.09.2008 às 15:35

eheheheheheeh, Pi-Erre, essa é boa e bastante verdadeira. Quanto ao aquilo que o Alfredo diz, pode muito bem ser verdade, mas acrescentaria também OUTROS exemplos mais recuados no tempo, lá para os idos anos 30. Estão todos interessados) :) ?
Sem imagem de perfil

De Alfredo a 18.09.2008 às 10:28

Antes de mais peço desculpa pelos erros do comentário anterior, mas escrevi à pressa, mas nem isso se torna desculpa pois como português tenho que dominar a linguagem na sua plenitude.
Em relação ao exemplo dos macacos é hilariante mas bastante elucidativo, da constante necessidade de lucro sem pensar num longo prazo.
Nuno conta aí então as histórias antigas ;)
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 18.09.2008 às 16:47

Alfredo, essas histórias são bem conhecidas e remetem-nos directamente para os modelos económicos praticados em Roma e em Berlim. Com tudo o que isso implica.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas