Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Its the end of the world as we know it...

por Samuel de Paiva Pires, em 07.10.08

 

Aviso à navegação: não percebo nada de economia. Tudo o que eu escrever a seguir estará provavelmente errado ou terá pelo menos algumas incoerências ou incorrecções.

 

Feliz ou infelizmente nasci nesse país que está à beira da falência. Não os EUA, mas sim a Islândia. Regressámos a Portugal definitivamente quando eu tinha cerca de 9 ou 10 meses, portanto em finais de 1987. (Nota de tentativa humorística: é uma pena porque com o meu ar tipicamente português e mediterrânico seria um exótico e bem sucedido junto das beldades islandesas...).

 

Tudo o que sei sobre esse país sei-o pelos meus pais e pelos e-mails trocados com o meu padrinho islandês. Daí o meu choque quando me apercebo que o país está na bancarrota. É simplesmente um dos países mais ricos e desenvolvidos do mundo, o 1.º em termos de Índice de Desenvolvimento Humano. Ninguém diria há uns anos que isto seria possível. 

 

Um pouco mais abaixo no globo, o Reino Unido começa também a nacionalizar bancos, seguindo a tendência da Bélgica e Holanda. A União Europeia, mais uma vez, não tem uma voz única e a reunião do G-4 apenas veio trazer mais insegurança aos mercados. O PM assegura que os depósitos dos portugueses estão garantidos, mas vamos aguardar para ver o que vai acontecer.

 

Pelo meio disto tudo surgem mil e uma explicações, cada qual com as suas virtudes, para explicar o que se passa. Apesar de, tal como referi, não perceber nada de economia, vou aqui tentar recorrer aos meus parcos conhecimentos de leigo para tentar perceber o que se está a passar e o que poderemos esperar para o futuro.

 

Isto começa então com a chamada crise do subprime nos Estados Unidos. Os bancos emprestaram dinheiro a milhões de clientes considerados de alto risco, que a dada altura começam a ter dificuldade em pagar os créditos para aquisição de casa própria. Esta crise foi-se arrastando ao longo do último ano até que se começou a reflectir determinantemente nos mercados financeiros, levando às acentuadas quebras em bolsa e falências de bancos, com as consequentes nacionalizações como forma de evitar a bancarrota, assegurando portanto as poupanças dos clientes (que felizmente não entraram em histeria colectiva como em 29/30 ao tentar levantar o seu dinheiro).

 

Teoricamente a coisa acabaria aqui, o capitalismo não morreu e os Estados voltarão a ter maior influência no campo económico, por oposição a uma diminuição da influência da chamada mão invisível.

 

Mas ninguém sabe muito bem qual a profundidade da crise nos EUA. Imaginemos portanto um cenário de colapso, com milhões de despejados e desempregados nos EUA. Nessa altura a Europa estará também numa espiral descendente, com o BCE a aumentar as taxas de juro  (como aconteceu na Islândia), com efeitos em termos da economia real a atingirem desesperadamente os cidadãos, nomeadamente através da incapacidade para pagar os créditos. Sem esquecer que os Bancos Centrais e os Estados também não têm capacidade para continuar indefinidamente a injectar dinheiro nos mercados para assegurar a liquidez. Este será provavelmente o cenário mais terrífico que poderemos enfrentar, o que naturalmente espero não aconteça.

 

Mas continuando, por alguma razão fez-se crer em muita gente que todos deveriam adquirir casa própria, o que levou construtores civis e bancos a esfregar as mãos de contentamento durante grande parte das últimas décadas, enquanto o deslumbramento na mente dos próprios indivíduos leva(va) ao seu próprio "enforcamento" às mãos de uma qualquer entidade financeira. Eu tenho uma "teoria" que carece de fundamentação que é a de que o arrendamento será um mercado muito mais sustentável e proveitoso. Porque as pessoas não se "enforcarão" durante 20, 30 ou 40 anos, porque têm muito mais flexibilidade para mudar de casa em qualquer circunstância (mudança de emprego, desemprego, saída do país) e, principalmente, porque em vez de pagarem ao banco, que por sua vez paga à banca na qual se endividou, o dinheiro mantém-se entre os consumidores, ou seja, com efeitos mais práticos a nível do desenvolvimento da economia real. Mas como eu não percebo nada de economia, isto até pode estar errado.

 

O que interessa de facto é ilustrar que a ganância e ambição materialista dos ocidentais é a causa da própria decadência, porque o mercado e a "mão invisível" endeusada por muitos não são garantia de uma noção muito simples cujo contrário está na origem desta crise: a sustentabilidade. Não é sustentável que um sistema financeiro e económico se financie quase de forma infinita e virtual em hipotéticos créditos e "bolhas", endividando-se as instituições entre si como forma de dar resposta aos ímpetos consumistas e desregrados dos consumidores, enquanto o crescimento económico não atinge vertical e horizontalmente a sociedade como forma de garantir um desenvolvimento sustentável que diminua a hipótese de colapso do sistema.

 

Uns milhões ficam muito contentes por terem casa própria embora essa só seja sua quando já estão com os pés para a cova, e uns poucos enriquecem desmesuradamente, como aconteceu por exemplo no caso da Lehman Brothers em que o seu administrador recebeu 350 milhões de dólares em salários nos últimos 7 anos, e com o banco já na falência prestou-se a actos de gestão irresponsáveis. Tal como costumo dizer, os gestores não são perfeitos, mesmo que o mercado e a mão invisível o sejam. Não sou capaz de acreditar numa qualquer entidade transcendente que regule os mercados, quando os seres humanos que de facto os regulam não são perfeitos, isto é, nem sempre efectuam as melhores decisões, aliás, para assistirmos ao que estamos a assistir é porque muitas decisões foram desastradas.

 

Parece-me ridícula esta crença em que os inputs no mercado resultam em outputs ou feedbacks necessariamente positivos, sem tentar perceber o que acontece pelo meio, como se a black box servisse para satisfazer intelectualmente os académicos e demais, que nem sequer tentam perceber o que se passa pois a crença na mão invisível inculcou-lhes um preconceito que os leva a a uma aguda preguiça intelectual. 

 

Sendo agora um pouco menos pessimista, e na linha mais ultra-neo-liberal, acho que estamos por outro lado a assistir a uma gigantesca reestruturação do sistema financeiro e económico internacional. Provavelmente esta poderá ser a última grande crise a que se assistirá nas próximas décadas. O problema é mesmo o inferno em que viveremos enquanto não for superada. Indo de encontro à teoria d'O Mundo Pós-Americano de Fareed Zakaria, que logo no primeiro capítulo demonstra o crescimento e desenvolvimento do resto do mundo (América Latina, África, Ásia) da forma mais capitalista possível (portanto o capitalismo não morreu, o que estará provavelmente à beira da estocada final é a desregulação e a mão invisível), parece-me que assistiremos ao declinío da influência dos EUA no mundo, teremos verdadeiramente um sistema multi-polar, onde o risco de colapso financeiro estará muito mais difundido do que actualmente, pois a importância de Wall Street será dispersa por todas os outros grandes centros financeiros e, em última instância, ocorrerá, tal como escrevi há dias, uma reajustamento da hierarquia das potências e uma transformação, falta saber até que ponto, do próprio sistema internacional em todas as suas vertentes.

 

É portanto o fim do mundo como o conhecemos, vamos ver é se será um admirável mundo novo o que nos espera.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:33


13 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 08.10.2008 às 00:36

Obrigado pela mãozinha Sam, assim nada terei para escrever hoje. Limito-me a assinar por baixo.
Many thanks...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 08.10.2008 às 01:25

Bom assim deixas-me envergonhado!
Sem imagem de perfil

De De Puta Madre a 08.10.2008 às 01:01

"Eu tenho uma "teoria" que carece de fundamentação que é a de que o arrendamento será um mercado muito mais sustentável e proveitoso. Porque as pessoas não se "enforcarão" durante 20, 30 ou 40 anos, porque têm muito mais flexibilidade para mudar de casa em qualquer circunstância (mudança de emprego, desemprego, saída do país) e, principalmente, porque em vez de pagarem ao banco, que por sua vez paga à banca na qual se endividou, o dinheiro mantém-se entre os consumidores, ou seja, com efeitos mais práticos a nível do desenvolvimento da economia real. "
Pois. E quem está disposto a alugar casas?? Y a que preço??
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 08.10.2008 às 01:29

Isso levanta duas questões DPM. A primeira, a pequenez mental dos ocidentais que se agarram desenfreadamente ao consumismo materialista (fazia falta um pouco mais de ética budista...), por isso "enforcam-se". A segunda, de facto o mercado de arrendamento em Portugal anda pelas ruas da amargura, precisamente porque ao longo das últimas décadas a maioria endividou-se para adquirir casa, deixando pouco espaço ao mercado de arrendamento, e quem sofre com isso são por exemplo os estudantes e trabalhadores deslocalizados que têm que pagar elevados preços, até porque a oferta é diminuta, logo o preço é elevado. Mas isso, tal como referi, é culpa exclusivamente "nossa".
Sem imagem de perfil

De De Puta Madre a 08.10.2008 às 01:43

Vender sonhos sempre foi um bom negócio. Vender a ideia de "Ser Rico" foi o melhor engodo. As pessoas foram criadas a ouvir histórias da "varinha de condão", cresceram e não reparam que era essa a história que lhes estavam a contar.
Tudo isto ajudado pelo facto ( tal como David Hume já o dizia) todos fogem do Pobre. O Pobre quis fugir de si y ficou ainda mais igual ao que sempre foi ... Agora, começa a ser a hora de despir o fato que lhe emprestaram, y que ele egocêntrico julgou sempre seu.
Ainda não começaram a acenar com o espectro da carência de géneros alimentícios, mas lá chegaremos. Aí! Será a derrocada. Vamos ver até onde, quem manda nisto aguenta a corda.
Vale.

PS.: As pessoas não tinham alternativa a não serem o de se transformarem em Proprietárias. Essa foi mais uma engenhoca do sistema.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 08.10.2008 às 08:34

DPM... proprietários, como? Andam décadas para pagar um buraco que vale apenas uma fracção daquilo que pagaram. Quando finalmente julgam que são proprietários de um emaranhado de infiltrações, azulejos fora de moda, parquet substituído por flutuante a alumínios anodizados, os felizardos morrem: o Estado deixa de pagar a reforma e ainda por cima ataca logo a herança "valiosa" que caberia aos descendentes ou herdeiros legítimos. Mas que grande e vigariciosa ilusão!
Sem imagem de perfil

De De Puta Madre a 08.10.2008 às 14:35

Pois. Nuno. Era Ironia. O engodo é a ideia de proprietários. Y todos bem sabemos que feitas as contas, não deixavam alternativa: ou se entrava no jogo do proprietário; ou à mercê de um senhorio ( com rendas impraticáveis, p. ex. em Lx).
Sem imagem de perfil

De Hugo a 08.10.2008 às 03:54

Um país que produz génios como os Sigur Ros nunca deveria cair na bancarrota
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 10.10.2008 às 19:55

Não conheço, mas vou fazer por ficar a conhecer brevemente caro Hugo!
Sem imagem de perfil

De LUIS BARATA a 08.10.2008 às 09:42

Para mim esta derrocada da Islândia foi uma surpresa. Nunca pensei ver os islandeses irem de mão estendida até Moscovo.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 10.10.2008 às 19:50

Imagine o meu "choque" caro Luís, tendo crescido sempre a ouvir maravilhas desse país que deixavam antever um certo arrependimento dos meus pais em não ter regressado...
Sem imagem de perfil

De CMF a 10.10.2008 às 10:10

Não sabia que tinha nascido na Islândia!! Visitei a ilha há dois anos, e percebi que a sua economia, proteccionista, está muito dependente das pescas e das exportações. Será um bom contra-exemplo para quem defende o regresso em força do proteccionismo?
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 10.10.2008 às 19:52

Pois caro Carlos, são proteccionistas mas ao mesmo tempo dependentes de imensos parceiros comerciais, ainda para mais tendo a economia fortemente baseada nas pescas. Parece-me que o regresso em força do proteccionismo não é viável, espero mesmo que não enveredemos por aí pois a História já nos deu exemplos de sobra dos efeitos nocivos de tal.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas