Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O que se seguirá?

por Nuno Castelo-Branco, em 23.11.08

 

Já suspeitávamos da amplitude, ainda que escondida de forma habilidosa, do gravíssimo problema de credibilidade em que o sistema  mergulhou há apenas algumas semanas. A História portuguesa tem  passado por períodos conturbados que viram ruir reputações e regimes, abrindo novos caminhos e formas de organização política, social e económica.

 

Em 1925, um escândalo de cariz financeiro - uma burla de proporções inéditas - que envolveu gente conhecida, responsáveis do regime de então e o Banco de Portugal, destruiu a pouca respeitabilidade que o regime da I república ainda beneficiava junto da já magra  falange de apoiantes, concentrados na sua maioria, na capital do país.  

 

Estávamos em 1925 e a imprensa servia de veículo de informação para os privilegiados alfabetizados. A rádio dava os seus primeiros passos e a televisão era um mero campo especulativo da ficção científica.  Sem o recurso da informática e da informação ao minuto proporcionada pela tecnologia dos nossos dias, as notícias do Caso Alves dos Reis envolveram uma muito desacreditada classe política que tanto prometera e que conseguira apenas, pouco pão, muito sangue, opressão e um caudal de lágrimas. Portugal estava farto e ansiava por uma verdadeira regeneração que encaminhasse o país para aquele destino que uma história velha de tantos séculos, parecia garantir:  o daquela grandeza que já fora nossa e que inexplicavelmente perdêramos nas vicissitudes decorrentes dos nossos erros, incúrias e sobretudo, falta de vontade.  O escândalo do Banco Lisboa e Metrópole acabou com as ilusões propaladas pelas "rajadas de luz da gloriosa manhã do 5 de Outubro" e apenas um ano decorrido, o regime desaparecia ignominiosamente, sem o mínimo simulacro de defesa por parte daqueles que outrora loucamente o haviam patrocinado. Foi a fuga, uma cobarde debandada jamais vista e o alijamento de responsabilidades tornadas insuportáveis por quem tudo teve nas mãos para o férreo exercício de um poder honesto, progressivo e patriótico. A I república morreu e deixou apenas algumas saudades entre um reduzido número daqueles que dela fartamente tinham beneficiado. A queda da Demagogia foi acompanhada por um sonoro suspiro de alívio de um Portugal maior, que naquele tempo ainda se encontrava presente em três continentes e oceanos. 

 

Hoje estamos no alvorecer de um outro sistema. As implicações da actual crise que esconde trabalhosamente um escândalo financeiro de proporções abissais, parece ir dia a dia, avolumando-se, colhendo a talhe de foice nomes sonantes,  temerosas reputações, tudo enodoando com a vergonha da directa ou disfarçada cumplicidade. O BPN passou a ser um assunto que interessa aos contribuintes e o povo descobre ou imagina conluios, troca freneticamente mensagens telefónicas e na internet, e, pasme-se, delicia-se com a evidente permissividade e sistema de vasos comunicantes que atinge toda a superestrutura do Poder. Ninguém escapa à suspeita e mesmo aqueles sobre os quais ainda não foram apontados os dedos acusadores da opinião pública - sempre ávida de sangue -, são exautorados por aquilo que em Portugal se chama compadrio. Hoje iniciou-se o clássico processo da emissão do comunicado público que normalmente será seguido por muitos outros nos próximos tempos. Até onde irá a realidade da suposição? Quantos culpados pagarão pelos seus crimes e quantos serão aqueles que escaparão airosamente? Pior que tudo, quantos inocentes serão também esmagados pela pesada roda dentada da fúria, que tudo esmaga e trucida, preferindo liquidar a eito, sem olhar à necessidade da calma ponderação de uma Justiça mais que nunca necessária? Até onde chegaremos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:26


4 comentários

Imagem de perfil

De António de Almeida a 24.11.2008 às 18:11

A fraude de Alves dos Reis não foi em Angola? Sei que foi um grande escândalo à época, e pouco mais, desconhecia tivesse apanhado também a classe política da metrópole, excepção ao BdP .
Sem imagem de perfil

De João de Brecht a 24.11.2008 às 19:20

Apesar de ter mantido actividades ilicitas durante a sua estada em Angola, o auge das burlas de Alves dos Reis teve como auge a falsificação das notas de 500 escudos (Banco de Portugal).
No inicio do séc.XX (quando este viveu), grande parte da gestão económica colonial era feita na metrópole, sendo a "aristocracia" e a burguesia portuguesas grande parte dos detentores e investidores das empresas e todo o tipo de negócios no território colonial português. Apesar de ser um mercado diferente, qualquer disturbio financeiro (como é o caso da falsificação de moeda e títulos) afectaria certamente o país colonizador, seus governantes e "investidores".

Bem Haja.
Sem imagem de perfil

De João de Brecht a 24.11.2008 às 21:03

Pequena correcção: quando escrevi no ultimo comentário, "(...)o auge das burlas de Alves dos Reis teve como auge a falsificação(...)", queria ter dito que as burlas de Alves dos Reis tiveram como auge a falsificação.

Acontece :)
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 25.11.2008 às 00:41

Isso mesmo e pelo que temos visto, as moscas mudam, mas ... é a mesma. Com uma agravante: agora não existem colónias para tapar buracos e ou muito me engano, toda esta cornucópia de "ajudas" aos bancos, beneficiará primeiramente quem prevaricou em grande. E o contribuinte anónimo lá vai colocar o seu óbulo para os "novos pobrezinhos". Irra, que é demais!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas