Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Questões possivelmente estúpidas

por Nuno Castelo-Branco, em 25.11.08

 Durante o fim de semana, o pavio que faz directo contacto com o barrilinho de pólvora nesta autêntica Santa Bárbara* em que se transformou a "situação", começou a arder mais depressa, de forma supreendentemente mais célere do que se esperava ou seria desejável. Desta vez, um Conselheiro de Estado surgiu na televisão a dizer de sua justiça e ainda bem que assim foi. Desta forma, o comum dos mortais fica ciente de, em caso de necessidade, ter uma porta aberta na RTP, para fazer valer os seus pontos de vista junto da opinião pública. É a democracia.

 

Mas colocam-se duas questões, talvez uma pequena e desnecessária formalidade, que dá que pensar. Sendo os Conselheiros de Estado membros de um órgão vital  que tem acompanhado todos os regimes desde a Restauração da Independência em 1640, tal implica que  estes, deverão sempre estar acima de qualquer suspeita, principalmente quando o próprio bom nome e reputação do regime no seu todo, é colocado em causa. Nada disto parece impressionar de sobremaneira os alegados visados, mas não seria normal o recentemente entrevistado Dr. Loureiro ter tomado voluntariamente a iniciativa de solicitar ao Chefe do Estado a suspensão da sua participação naquele Conselho?

 

Não surgindo essa manifestação de desapego a um cargo que garante imunidades que entorpecem a investigação e criam um claro mal estar no país, talvez não fosse descabido quem, de direito, ousasse tomar a iniciativa de chamar a personalidade à razão. Assim, tendo sido o Dr. Loureiro convidado pelo Dr. Cavaco para ocupar aquele lugar de prestígio - que é também acessível aos partidos com representação parlamentar, o que torna a posição presidencial ainda mais esdrúxula -, não terá soado a badalada que marca a hora para sua excelência tomar a atitude de exonerar ou suspender a outra aparentemente não tão insigne excelência?

 

Compreendemos a necessidade do criterioso e competente labor de tantas dúzias de assessores presidenciais, pois os consecutivos titulares destes órgãos de soberania, não foram preparados para tal, desde o momento em que pela primeira vez viram a luz do Sol. Assim, muito deve ser relevado, desde as recorrentes gaffes que se tornaram imagem de marca, até aos clamorosos erros de cálculo, arrogância postiça e efémero mas custoso despesismo. O Dr. Cavaco cometeu ontem um tremendo erro político, pois jamais devia pronunciar-se relativamente a um problema ao qual decerto é alheio. Deu cavaco e não devia.

 

O que se torna inexplicável é não existir um único assessor que o tenha aconselhado em conformidade. É isto... a república portuguesa que custa mais de 17.000.000 anuais.

 

 

* Santa Bárbara: nome outrora dado ao paiol, nos bons tempos dos galeões.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:42







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas