Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Primeira intervenção no Estado Sentido

por João de Brecht, em 25.11.08

 

 

 

    Minto se disser que não sinto um peso enorme nos ombros, é uma grande honra para mim poder fazer parte desta família que é o Estado Sentido.
    Agradeço desde já ao Samuel pela introdução, amizade e voto de confiança que tem tido para comigo, não só em relação ao convite para o blogue mas também em todas as situações desde que cheguei a Lisboa. À Cristina e ao Nuno um grande obrigado pela hospitalidade e simpatia que demonstraram, espero poder ser uma mais-valia aqui.


 


Siga com o primeiro post;

 

 

    No dia 13 de Setembro deste ano de 2008, sentei-me nas escadas frias (sim, são frias o ano todo) do Santuário de Fátima, apesar de não ser religioso, sempre gostei de me sentar ali a ver os transeuntes de olhares secos como quem procura refúgio. Apesar de parecer um cenário deprimente, acaba por ser uma boa fonte de inspiração para um poeta (sim, não são só os médicos, advogados e cangalheiros que se safam à conta do mal dos outros).
Peguei no meu caderno negro e escrevi um poema, curiosamente chamado Sentido (sem estado como é obvio). Soava assim:

 

Encosta-te bem na cadeira,
Não pares de ler
Aconteça o que acontecer.
Estala os dedos das mãos se isso te alivia o stress,
Não precisas de encolher a barriga.
Não tenhas complexos de mim,
Somos amigos, certo?
Ainda bem.
(Descansa um pouco os olhos)
Volta a olhar,
Volta a ler.
Não deixes que nada te perturbe agora
Deixa-me ser o senhor da tua atenção uns minutos
Sei que não gostas de ler poemas tão pouco ritmados
Mas isso resolve-se
Agonia rima com folia
Avareza com beleza
Gostaste?
Ainda bem.
Tenho um segredo para te contar…
Prometes que não dizes a ninguém?
Estou a confiar em ti, posso?
Ainda bem.
(inspira e expira duas vezes)


Descobri o sentido da vida.
Queres que te conte?
É muito complicado contar-te isto,
Porque não sei se quero partilhar
Algo de tão importante.
Mas como somos amigos…
Junta aqui para te dizer ao ouvido,
Junta-te rápido!
Obrigado.
O sentido da vida é o que não é…
(Como assim?)
Descobri o que era o sentido da vida quando consegui não pensar na vida
Quando finalmente me abstraí do que é andar no mundo.
O sentido da vida é o orgasmo mental.
Queres que te ensine?

Abstrai-te do corpo,
Sente-te em plena nudez,
Esquece tudo o que é material;
Volta à origem,
Ao contacto com a infinita natureza
Que vez todos os dias
E que todos os dias ignoras…
Pensa em quem amas,
Mas sem te esforçares.
O que vez?
Branco, negro, azul?

Um dia perguntei a alguém o cheiro dos sonhos.
A resposta foi que cheiravam a rosas,
Durante um tempo pensei que ela estava certa,
Só depois descobri que os sonhos
Têm o cheiro que lhes queremos dar.
O sentido da vida é o sonho
O sentido da vida é o que não é.
Chega-te de novo para a cadeira.
Olha à tua volta!
Vê o mundo que perdeste enquanto lias.
Sorri, chora, faz o que quiseres.
Desde que sonhes…

 

       Bem Haja
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:55


8 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 25.11.2008 às 02:05

Brecht, tal como dizes no teu poema, também sou um pouco seco para estas coisas das rimas e acabo por ouvir poesia, na música cantada (desculpa-me a heresia). Contudo, ao chegar ao fim deste teu poema, surgiu-me de imediato uma imagem de Magritte e aquela outra do festim de Heliogábalo, do L. Alma-Tadema. Será parvoíce minha? Talvez, mas é decerto defeito de profissão.


Parece-me que o Samuka fez uma boa escolha e ainda bem que aceitaste, pois eu e o Sam só falamos de política e se não fosse a Cris, enfim..., percebes. Bem-vindo, uma vez mais.
Imagem de perfil

De João de Brecht a 25.11.2008 às 02:11

Também sou um assíduo nas conversas de política com o Samuel, mas como estive a noite toda à volta de um artigo para o Pacta (Jornal do Núcleo de Estudantes de Relações Internacionais do ISCSP), apetecia-me tudo menos fazer um post com conteúdo político.

Obrigado pelo comentário
Um abraço Nuno

P.S.: A única heresia é a auto-censura! É a falar que nos entendemos!
Sem imagem de perfil

De Once a 25.11.2008 às 11:15

"Pensa em quem amas,
Mas sem te esforçares.
O que vez?
Branco, negro, azul?"

:) .. Parabéns.
Imagem de perfil

De Paulo Soska Oliveira a 25.11.2008 às 13:45

Se bem vindo :)

Cumprimentos desde uma (já) gelada Varsóvia :)
Sem imagem de perfil

De João de Brecht a 25.11.2008 às 17:38

Obrigado Paulo :)
Imagem de perfil

De João de Brecht a 25.11.2008 às 17:39

Obrigado Paulo :)
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 25.11.2008 às 23:58

Bem vindo a este Estado, Sentido por todos nós.
E parabéns pela entrada triunfal.
Imagem de perfil

De João de Brecht a 26.11.2008 às 23:39

Mais que lisonjeado pelo comentário.
Um beijo ;)

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas