Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tendo em consideração que não é pensada a médio e longo prazo, pode-se arriscar dizer que não existe verdadeiramente política externa portuguesa.

 

Goste-se ou não, a última vez que foi pensada como uma política externa foi durante o regime do Estado Novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09


4 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 28.11.2008 às 19:26

E por causa de quê?
Vejamos: o Portugal saído do golpe de 1926, estava numa situação desastrosa e a ameaça - de novo - da partilha das colónias, era ainda bastante possível de se concretizar, num cenário internacional em que os totalitarismos levantavam a cabeça e procediam às reivindicações territoriais e económicas que conhecemos.
Durante a II GM, a posição portuguesa era difícil e só a política que conscientemente foi seguida, possibilitou a não invasão pelos alemães, ou mais tarde, pelos americanos. No pós-guerra, com os chamados "ventos da história", os Nehrus, Sukarnos e Nassers, urgia proceder cautelosamente e o ingresso na NATO foi importante. Durante a Guerra de África, tivemos os nossos "aliados EUA" contra nós e a política externa nacional via-se encurralada na ONU e na própria aliança em que participávamos. Existiu um vestígio de política externa durante este regime: o caso de Timor assim obrigou. Agora, é o show-off das missões de paz para promoção não sei bem do quê ou de quem. Concordo com uma certa intervenção, mas desde que isso corresponda aos nossos interesses.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.11.2008 às 20:23

É o tal termo-nos tornado reféns da UE, que contribui também para que a nossa política externa seja em larga extensão meramente reactiva.
Sem imagem de perfil

De João Mattos e Silva a 28.11.2008 às 20:37

Integrando Portugal a UE - e do meu ponto de vista, bem - temos uma política externa de curto e longo prazo que se coaduna com os interesses dessa mesma UE que são, em muitos aspectos os nossos, embora com espaços de afirmação nacional, como é o caso das relações com os países de expressão portuguesa, com a China e com a Índia, por exemplo, tendo em vista preservar em Macau ou em Goa, a herança cultural portuguesa. É, obviamente, diferente da anterior ao 25 de Abril de 1974, quando Portugal estava "orgulhosamente só", quixotescamente lutando contra o mundo. O resultado foi o que se viu, sem honra nem glória.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.11.2008 às 21:18

Longo prazo caro João? Não há uma definição de interesse nacional e de objectivos a alcançar com a política externa e como costuma dizer o Professor Adriano Moreira, corremos o risco de nos tornarmos um estado exíguo. Quanto à política externa do Estado Novo há que dividi-la em pelo menos 2 períodos, pré e pós II Guerra Mundial. E no 1.º foi de uma mestria estratégica inigualável.. No 2.º sim, concordo, foi o tal resistir aos "ventos da história" que nos prejudicou, mas ainda assim, o interesse nacional e os objectivos estavam definidos, quer se goste ou não, bem ou mal, existia uma política externa. Actualmente, não existe, na acepção clássica de política externa.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas