Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Canalhices euro-americanas

por Nuno Castelo-Branco, em 05.12.08

Um diplomata estrangeiro deu-me a prova dessa revindicta. Ao aproximar-me dele, como sempre com o maior dos sorrisos, recusou-se apertar-me a mão dizendo "dont shake hands with a monarchist". Fiquei banzado mas fiz-lhe a vontade: nunca mais me verá à frente, tremendo orgulhoso que sou. Acresce que nada lhe devo e se alguém deve algo a alguém pedir-lhe-ia os livros que lhe fui emprestando ao longo dos tempos e que nunca teve a elementar educação de devolver à proveniência.

 

Nasci numa colónia e embora tenha vindo para Portugal Continental muito novo, sempre tive a plena consciência do pendor europeu para em tudo  e sobre todos ter uma lição a dar. Aos nativos africanos, a alvorada propiciada por um deus verdadeiro e as delícias do roçar do pano das calças, substituindo a nefanda tanga. Aos chineses, o necessário corte da trança ancestral, a europeização dos Chang Li que passam a ostentar o formidável Alfred  Hubert Li-Chang, convencendo-o simultaneamente a desfazer-se de lacas e charões, para usufruir plenamente do lixo Ikea e adjacentes. Enfim, é um tique que nos ficou de quinhentos anos de domínio pela graciosa mercê de colubrinas, cartas de corsário, razias "por bem", prazeirosos ópios e e assimilação do conceito de alargado concubinato em tempo de comissão. 

 

Este texto do Miguel, é elucidativo e sei perfeitamente a quem ele se refere, na pessoa da tal muito pouca diplomática figura. Embora não conheça o degustador de croquetes, a criatura faz decerto parte daquele exclusivo círculo de parasitas que de comenda ao peito e chauffeur na rua, gozam as delícias de uma embaixada num país solarengo, rico em gastronomias e outros fartos prazeres mundanos. Um sonho, apimentado por beldades ao alcance do lançar da rede do dinheiro fácil. E tanto mais estranha se torna a situação, quando sabemos que uma regra elementar da diplomacia internacional, consiste em manter os estritos preceitos da cortesia e boa educação que o supracitado indivíduo - de que país será? - não conhece. E mais ainda, referindo a "monarchist condition", balela vomitada num súbito ataque de aguda grosseria, pois se há coisas com que os tailandeses não transigem, é a falta de respeito para com a instituição real. Se o diplomata é de tal categoria, imagina-se então o calibre de quem o terá nomeado para esse cargo...

 

Os acontecimentos tailandeses denotam a persistente tentativa ocidental de tudo pretender formatar à medida dos interesses daquilo a que em Lourenço Marques designávamos de "cães grandes", ou seja, os que querem, mandam e podem, sem que para isso, haja uma razão que minimamente roce a racionalidade explicativa do privilégio.  A chamada União Europeia, mostrengo sem qualquer interesse que apele ao idealismo dos seus fundadores do pós-guerra, é o exemplo perfeito. Estrutura prepotente, absurda na sua sanha  de conquista de um sonhado lebensraum - que perdeu nas antigas colónias -, estabelece limites, calibra consciências e imita exactamente os chineses de outrora, que ao enfaixar os pés das garotinhas, satisfaziam um muito discutível  conceito estético, sem que o sofrimento alheio lhes causasse a mínima perturbação. Eles o querem e assim terá de ser, para poderem continuar a repartir lugares cativos, altissonantes nomes de departamentos vazios de conteúdo ou acção e o benefício da impunidade que o tem que ser  obriga.

 

Mesmo na "Europa" - já agora um termo-conceito  que detesto visceralmente, pois português sou e português morrerei - , a pesporrência dos ditadores  mangas-de-alpaca que pontificam em Bruxelas e na germânica Estrasburgo, impõe ciclicamente a conveniente repetição de referendos intramuros e a Dinamarca já foi vítima desse tipo de chantagem de contornos tão mais escabrosos, porque se baseia sempre na ameaça da rendição forçada pela fome e prometida pobreza dos visados. Segui-se-á brevemente a verde e brava Irlanda. Para as sanguessugas que hoje nos surgem tão claramente nos irisdiscentes ecrãs televisivos dos noticiários das oito da noite, os desejos do clã devem ser lei geral para os comuns mortais, habilmente disfarçados aqueles, com generosas tiradas  acerca dos "caminhos do progresso", das "igualdades de direitos", ou a risível pseudo-cidadania que lhes convém. Após uma farta almoçarada debitada nas despesas de representação do organismo ou empresa que mensalmente lhes recheia os bolsos, lá discutirão entre um on the rocks e uma falhada tacada de golfe, os vai-vém dos activos e passivos on-line dos subprime e dos shares, o melhor local onde guardar os virtuais números propiciados por uma golpada além mar, ou a mais refinada branca à venda pelo fornecedor do costume que por acaso, até é colega no desporto de eleição. E chega esta gente à chefia de Estados!

 

Nós, os brancos*, parece termos um código genético particular, que num dado momento no tempo, despoleta um rol de cataclismos que como numa erupção vulcânica, incendeia, destrói e cobre de magma, comunidades outrora pacatas, felizes dos seus usos, costumes e tradições. A nossa brutal indiferença europeia a um bom dia, a um sorriso à entrada de uma loja, ao desaparecido acto de cortesia de deixar alguém passar, arrasa a reputação dos antigos conquistadores de liberdades e de mundos, amesquinhando-nos à condição de directos descendentes dos homens das cavernas que ainda há pouco ocupavam esta minguada península da Ásia, que a vaidade dos seus habitantes atreve a chamar "continente".

 

Liquidámos os índios na América do Norte e na sua congénere do Sul, reduzimos aquela gente à condição de ilotas que assistem sem esperança, a uma sucessão de regimes onde pontificam idiotas, criminosos de delito comum, coristas alçadas à condição de santas e vigaristas de toda a ordem e feitios. Na Ásia, quisemos "democratizar" a Índia, mantendo-lhe o sistema de castas - honra seja feita à excepção lusa nos territórios que administrou -, sugando-lhe a outrora pujante força pré-industrial que nos inundou de luxos durante séculos, ao mesmo tempo  que desenhávamos as fronteiras conflituosas que hoje ameaçam o mundo com a tragédia nuclear. Na Indochina, a estúpida e republicana França dos Iluminados, liquefez o ancestral substrato em que harmoniosamente assentavam as populações que desgraçadamente caíram sob o domínio da força das suas canhoneiras e o resultado oferecido pelo Vietname, pelo Laos ou Camboja, são afinal, o completo desmentido de uma certa ideia das luzes que afinal jamais existiu. Por onde passaram, deixaram a fome, a guerra e uma devastação jamais vista nas suas milenares sociedades e História. Na China, foi o que sabemos: durante mais de um século tudo tentámos para liquidar um império ancestral, inventando lendas e estorietas de cordel e afinal, acabámos por conseguir condescender com um regime espúrio de doutrina alemã que chacinou mais de um cento de milhões e que hoje qual vaga de tsunami, ameaça arrasar-nos com uma inundação de produtos industriais que enviam os europeus e americanos para o desemprego maciço. Para não mencionar detalhadamente os crimes que os portadores do "facho da cultura ocidental" cometeram durante a investida aos monumentais centros históricos chineses, esmagando porcelanas, reduzindo a pó preciosidades de jade, queimando ancestrais edifícios de rendilhada teca e profanando o trono imperial com o sujo traseiro do parisiense diplomata de serviço.

 

Porque ameaçava a nossa periclitante e já ultrapassada supremacia, fizemos cair o Xá. Encolhemos os ombros perante o massacre inútil de milhões de japoneses em 1945. A propósito do Iraque, houve quem batesse as palmas em louvor do massacre do adolescente Faiçal II, substituído por uma progressista cáfila de bandidos a soldo dos armeiros de Moscovo, Paris, Washington e Londres. Na China, fechámos os olhos à mortífera aplicação da assassina ideologia europeia que engendrou o maoísmo. E podíamos continuar noite adentro, indefinidamente, tal é  a lista de imundícies a apontar.

 

Agora, parece ser a vez da Tailândia, o único país da região que jamais foi colónia europeia. Um país onde os brancos foram populares e tratados como iguais, sem os constrangimentos impostos pelos complexos de inferioridade herdados da colonização.  Os brancos querem impor ao povo, as mesmas cinzentas, feias e desprezíveis criaturas que na sua versão ocidental, vemos todos os dias desfilar em páginas e páginas de roubos, escândalos, manipulações e vigarices de toda a ordem. O senhor Thaksin tem os seus irmãos de sangue em Paris, Washington, Londres, Madrid e até nesta Lisboa em que vivemos. Como eles, controla bancos, televisões e "centros de aplicações financeiras", nome etéreo para antros de falcatruas. Liquida inimigos, tem as mãos medonhamente sujas. É farinha do mesmo saco, ou vinho da mesma pipa.

 

Ah, como às vezes compreendo a revolta dos boxers!

 

 

 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

*E no entanto, não tenho qualquer problema em ser branco.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:20


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Hugo a 05.12.2008 às 09:43

Uma tristeza como os ocidentais tentam dar lições a um povo tão encantador como o tailandês
Sem imagem de perfil

De António Bastos a 05.12.2008 às 11:17

Gostei muito deste post. A frase final subscrevo-a na integra.
Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 05.12.2008 às 23:01

Esse estilo de mácriação é típico dos ingleses e dos franceses. Uma vez que não suporta monárquicos, esse diplomata é muito provavelmente francês.

Excelente texto.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 05.12.2008 às 23:55

Bom, amigo João, soube há horas que o dito cuja representa um país onde se dança e canta o tango. Incrríveeeeeeeeeeeeeeeeeeel....
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 05.12.2008 às 23:12

Belo texto, Nuno, a completar o do seu irmão.
Gente com fósforo, vocês... :-)
Sem imagem de perfil

De JMB a 05.12.2008 às 23:21

Clap! Clap! Clap! (de pé).
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 05.12.2008 às 23:40

Quem nos dera que fosse antes ao contrário, que nós brancos ocidentais aprendêssemos com o exemplo da Tailândia...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas