Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um conselho ao 1º ministro: pulso forte e já!

por Nuno Castelo-Branco, em 17.12.08

 

Os aforradores do Banco Privado Português (BPP) que investiram em depósitos a prazo receiam ter sido burlados. Ontem, após a reunião com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Associação de Defesa dos Clientes do BPP comparou os investimentos do banco que era liderado por João Rendeiro ao esquema piramidal usado nos casos Dona Branca e Madoff. 

 

Os criadores de factos que preenchem a hora dos telejornais, entusiasmaram o areópago beneditino, com a ameaça do ministro Teixeira dos Santos em retirar o aval do Estado aos bancos. Consta que estas seríssimas e benfazejas entidades, têm sido bastante avaras e exigentes nos empréstimos a conceder a empresas em dificuldades de tesouraria. Esquecendo-se bem depressa do ruinoso papel que lhes coube na actual crise, vêm agora, recuperada a arrogância de  há bem pouco tempo, fechar os cordões à bolsa que nem sequer lhes pertence, pois na verdade, aquele manancial de dinheiro sai directamente dos bolsos dos cidadãos e dos cofres das empresas, via impostos directos e indirectos. O desplante não tem fim e até um responsável do BES veio à televisão e com ar de ameaça, foi dizendo que a posição do ministro não passa de um bluff! Mais, afirmou peremptoriamente que "não vê qualquer hipótese de o governo retirar a ajuda prestada à banca". Ipsis verbis.

 

Pois senhor conta-notas do BES, há quem não esteja pelos ajustes e imagine até uma forma bastante sucinta de aparar certas escapadas das habituais aves de arribação: aplique-se coercivamente a obrigatoriedade do controle de todas as actividades dos bancos que receberam dinheiros públicos, através de comissões de fiscalização in situ, ou em caso extremo, passemos à expropriação. O contribuinte agradece e não se perde coisa alguma. Mais, os principais accionistas de uma certa entidade bancária de milionários, deveriam, em caso de ajuda do Estado - já consumada -, ser obrigados a deixar património como caução de futuro ressarcimento do auxílio: num certo caso, a SIC  ou a Impresa serviam muito bem.

 

Quanto ao governo, as medidas de apoio às empresas são sempre positivas, mas seriam mais efectivas e rápidas, se o próprio executivo, através do ministério da tutela, criasse uma secretaria para proceder directamente a essas ajudas. Os bancos não merecem receber um único cêntimo de juros desse dinheiro que não lhes pertence, nem muito menos, beneficiar das habituais habilidades contratuais, destinadas a engordar o pecúlio nos balanços de contas anuais. 

 

Neste assunto, o governo muito tem a ganhar se possuir uma característica bastante apreciada pelos eleitores: pulso forte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:11


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida Pereira a 18.12.2008 às 17:49

... se concordássemos absoluta e enjoativamente em tudo, também não teria piada, não é?...
Ai...

Nuno, a banca não pode distribuir capital sem garantias. Lembremo-nos que se trata do dinheiro que nós lá colocamos para guardar e "fazer render".
Com seriedade.
A banca é mais do que uma ou outra instituição com métodos, práticas e efeitos questionáveis.
As coisas não são preto ou branco - há (alguém já usou esta expressão) uma infinita paleta de cores...
"A banca" são uma data de bancos.
E há uns e outros.

eu tinha de vir aqui..., e V.Exa. sabia...
;)
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 18.12.2008 às 22:07

Mas o dinheiro NÃO é deles, Maggie...
Sem imagem de perfil

De Margarida Pereira a 18.12.2008 às 23:35

Exactamente.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas