Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lêndeas ou o novel Marquês da Bacalhoa republicano

por Nuno Castelo-Branco, em 13.01.09

 

 

Após a forçada implantação da república em 1910, um triunfante Teófilo Braga dizia ao Lêndea (António de Albuquerque), que ..." a sua obra, o Marquês da Bacalhoa, foi fundamental para a instauração da república em Portugal"...  Num dos seus habituais momentos de sandice, o coriféu do novo regime reconhecia a difamação, a mentira e o recurso a todo o tipo de insultos e baixezas, como uma arma legítima que ao destruir reputações, abalou instituições e abriu todo um futuro de praxis política. Este "Marquês da Bacalhoa", limitou-se a passar à prelo, um já longo historial de boatos, insinuações e calúnias que os responsáveis do p.r.p. fizeram circular pelo país, manchando a honra de políticos e da dinastia e que assim conseguiram minar a resistência do próprio regime e da legalidade. O despudor canalha extravazou largamente as páginas dos opúsculos, pasquins e  volantes da propaganda dissolvente, entrando impunemente e de rompante no Parlamento, pelas ruidosas e provocadoras e vulgares tiradas de Afonso Costa ou de António José de Almeida. Nada os detinha, nem mesmo o mais elementar sentido da decência, tudo servindo para o culminar da sua ambição: a conquista violenta do poder, tendo-o obtido através do crime, da coacção moral e da bomba.


Embora as trágicas consequências daquele turbulento período da vida nacional se vão esfumando na memória, vivemos outros tempos, onde existem mais apertados processos de controle daquilo que podemos dizer ou escrever. Há muito desapareceram os lápis azuis da censura, pois o próprio articulado constitucional reservado aos Direitos e Garantias é por si suficiente recurso preventivo de abusos. Um simples processo por difamação, é susceptível de conduzir à ruína dos culposos, à perda do emprego ou ao completo descrédito social. Para se afirmar categoricamente qualquer acusação dirigida a outrem, torna-se necessária a respectiva comprovação documental - ou testemunhal - de factos alegadamente ocorridos. 


Entre nós, alguém que por qualquer razão sobressaia entre o comum dos mortais, encontra-se inevitavelmente exposto à ira dos anónimos, mesmo que por detrás desta discreta e conveniente suposição, se encontrem nomes bem sonantes que de forma invariável, correspondem a uma parte interessada na matéria a dissecar. Pode assim um boato ser cerzido por um marido traído, um político rival, um maníaco efabulador, ou tão só um invejoso, subespécie que curiosamente medra prodigiosamente na nossa gente.


A decadência do regime em que vivemos torna-se patente, desde os simples e quotidianos noticiários com os habituais casos de "compadrio", incompetência ou desleixo, até às irritantes guerrilhas inter-institucionais que vão esvaziando as ruas outrora animadas de militantes partidários ou desta ou daquela personalidade política. É o descrédito que prenuncia a inevitabilidade de novas regras, novos rostos.


Uma pesquisa atempada aos blogues que se reconhecem como monárquicos, oferece-nos uma grata perspectiva dessa decência que noutros sectores vai  minguando assustadoramente. Os virulentos ataques à miragem republicana de hoje, jamais são acompanhados por insinuações torpes, boatos infundados ou pela maledicência corrosiva, respeitando-se no essencial, os limites que o simples bom senso aconselha. No entanto, tal não parece acontecer do outro lado da barricada, onde as campanhas destruidoras de reputações vão subindo de tom, a tudo se recorrendo para a humilhação do adversário escolhido.  Impiedosos julgamentos de carácter, elaboradas construções de secretos conluios e de intimidades de contornos turvos, andam a par de historietas mirambolantes que nos remetem para a simples superstição medieval e que têm servido qualquer negra língua geração após geração. A opinião pública deleita-se com imaginativas conspirações, segredadas à meia-noite junto a uma tumba, com juras de morte e espantar de espíritos malignos. Em regra, algumas das histórias contadas já pertenceram noutros tempos, a outras identidades. O espantoso de tudo isto, reside na proficuidade imaginativa e no cego ataque sem outro fim, senão o de arrasar uma criatura que é para alguns antipática: fisicamente, partidariamente, ou apenas, o corriqueiro e irracional ódio de estimação que tão bem conhecemos.


Neste caso que aqui focamos, os monárquicos até hoje não cairam nesta mortal armadilha, cujo alçapão engole não só o alvo a abater, como também e de forma inevitável, o suposto denunciante  e a causa que diz defender.


Este post apenas serve de comentário a um outro que hoje surgiu no 5 Dias, em que um exaustivo arrazoado de velhas acusações surge finalmente à luz do dia, denunciando formal e inequivocamente um dos homens fundadores do regime. Afirmações como esta, por exemplo,

..."A lucidez que lhe permitiu receber do Estado, ao longo dos últimos anos, donativos e subsídios superiores a um milhão de contos"..., devem

ser acompanhadas por irrefutável prova documental, pois de outra forma voltam a ser o esteio primordial para uma terrível situação anteriormente vivida pelos portugueses. Não pode o acusador beneficiar de total imunidade legal, após a compilação de uma tão extensa lista de supostas actividades que remetem directamente o acusado, para o simples foro criminal. Não está em causa qualquer tipo de fidelidade, simpatia ou antipatia pessoal ou partidária, mas sim uma genérica e tacitamente aceite norma de conduta pessoal que garante a vigência da Lei, a tranquilidade pública e o simples direito ao bom nome e à reserva da esfera pessoal de cada um. O contrário torna-se simplesmente, em vergonha colectiva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:23


2 comentários

Sem imagem de perfil

De João Pedro a 13.01.2009 às 11:47

Prova maior dessas incrível difamação e mentira que era esse "livro": antónio da Albuquerque, antes de morrer, em sofrimento, pediu um padre para se confessar e mandou pedir perdão à Rainha Dona Amélia por todo o mal que lhe tinha causado.
R.I.P.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 14.01.2009 às 00:35

Que os monárquicos nunca caiam nesse desporto nacional da inveja e maledicência...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas