Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os comunistas convertem-se à Monarquia... absoluta!

por Nuno Castelo-Branco, em 16.01.09

 

 Como se tivéssemos uma transmissão de pensamento, o Miguel decidiu hoje fazer um post acerca da já indicada sucessão do Querido Líder Kim jong Il. De facto, o filho e sucessor do Grande Líder Kim il Sung, nomeou o seu rebento mais novo, como herdeiro do cadeirão presidencial norte-coreano. Este regime, além de expert nos arranjos florais (a invenção da rosa baptizada de Kimilsunia pertence-lhe), fotomontagens e paradas, é célebre pela contrafacção, especialmente no sector ideológico e filosófico. Assim, a Ideia Guia da Nação, é um ersatz bastante falcatruado do compêndio marxista - a Ideia Zuche - apresentada como luminosa originalidade saída do fervilhante cérebro do já convenientemente mumificado Kim-avô.  E a máquina de propaganda não se fica por aqui, pois colocou os seus escribas à procura,  bem longe, de exemplos edificantes que industriosamente amalgamados na contraditória dialéctica da luta de classes, passasse a apresentar o fenómeno milagreiro, como um indesmentível aspecto racional do materialismo. Já podemos esfregar as mãos de contentamento, pois o gabinete de informação de Pyong-Iang decerto nos facultará outra fábula acerca do auspicioso nascimento do putativo Chefe. É que ainda há umas décadas, publicava uns livrinhos para distribuir no Ocidente e nos quais se relatava a chegada a este mundo do menino Kim-jong, o ainda hoje presidente.

 

Segundo rezava a lenda, numa fria noite de inverno e em plena ocupação japonesa, nascia num estábulo de uma pequena granja de camponeses pobres, um lindo e rechonchudo bebé. Era o filho do Grande Condutor das massas Camponesas e Operárias da Coreia! Obedecendo á indicação de uma estrela providencial, soldados, camponeses, estudantes, intelectuais, artesãos e muitos, muitos resistentes patriotas, partiram de todos os pontos do país (e os malvados japoneses não davam pela coisa, claro...), em direcção a um remoto lugar onde acontecera a maravilha.  Ao aproximarem-se do local, desabrochavam mil flores (a 16 de Fevereiro, quando o frio é glacial e a neve atinge metros de altura?!), os pássaros cantavam (com a voz rouca de tosse, presume-se) e os corações exultavam de orgulho nacional e feroz determinação em vencer o opressor da pátria. Ecoavam hinos pelos campos e montanhas, os analfabetos escreviam poemas redentores e o Grande Líder Kim il Sung, para todos tinha uma palavra de incentivo à luta e apelava ao abnegado amor pela pátria e pelo proletariado.

 

Era este, grosso modo, o texto distribuído, certamente destinado para o consumo interno de uma população para quem o advento do cristianismo é simplesmente ignorado.

 

Podemos agora e legitimamente imaginar, o que a propaganda inventará acerca do advento do Kim III. Terá chegado preso ao bico de uma raríssima cegonha de plumagem vermelha? Ou será um super-proletário que na Terra caiu após celeste fecundação in absentia, fruto de mais uma proeza de Kim jong Il e de uma camponesa do planeta Kimlson-Internationaliae V?

 

 Esta dinastia Kim, apenas confirma aquilo que se tem passado em todos os regimes "republicanos de autoridade", abrangendo estes a Cuba dos Castro, a Roménia ceausesquiana, o par Tito-Jovanka, os Kaddafy, o pai e filho Duvalier e seus  correspondentes congoleses Kabbila, Lukashenko e o filho pré-púbere e já designado, a mortífera cleptocracia Hussein protagonizada por Saddam, Uday e Kusay, o pai e filho Assad da Síria, etc.

 

Não há dúvida alguma de que os monárquicos portugueses estão a ser integralmente ultrapassados pela direita. Não tardará muito, até chegarmos ao dia em que o PCP e o burguês BE se convertam à ideia do realismo mais exacerbado. Ficamos felizes pela opção, mas temos de discordar veementemente com o modelo a adoptar, porque os comunistas são os derradeiros defensores da implantação de uma monarquia absoluta. Esta sim, de contornos divinos e totalitários, capaz de remeter Nabucodonosor para a categoria de "perigoso desviacionista pequeno-burguês".

 

Na foto, Lukashenko I com o futuro e já designado marechal Lukashenko II

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida Pereira a 17.01.2009 às 03:59

Para quando, o livro?
Às vezes imprimo, para ler com outra 'qualidade' e atenção.
Um livro seria ouro sobre azul...
(lindo)
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 17.01.2009 às 13:26

Bolas, Maggie, um livro? Eu?! Não tenho esse tipo de devaneios, nem me chamo Rebbello Pynto, etc...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas