Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O palmarés das 3 cavilosas: a falsa república social.

por Nuno Castelo-Branco, em 19.01.09

 Os rostos das crianças e das mulheres são adjectivados de magros, pálidos e macilentos, além de sujos e «ranhosos», no caso das crianças. Outros epítetos usados para os menores vadios eram; «chagados», «mazelentos», «maltrapilhos e descalços», consideravam-nos, aínda, «farrapos humanos», que nada tinham de alma, só instintos «...de pequenas feras», «bárbaros», «aves de rapina» (1922-O Século 15/5/1922)]

Os homens apresentavam-se com grandes barbas, mal cuidadas, sujas e reflectindo o desmazelo próprio de quem tem outras preocupações prioritarias.
No vestuário — que muitas vezes não passava de um monte de andrajos — destacam-se algumas peças susceptíveis de distinguir os dois sexos: o gibão, ou o velho capote militar que alguns homens envergavam, e 
o xaile de tons escuros com que se cobrem as mulheres, servindo por vezes também de cobertor aos filhos que se aninhavam junto às mães para se protegerem dos rigores do clima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:53


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida Pereira a 20.01.2009 às 09:50

You're beautiful...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 20.01.2009 às 10:45

Before... now I'm ugly :)
Sem imagem de perfil

De Margarida Pereira a 21.01.2009 às 09:35

Nuno..., a beleza plástica é importante (como não?), mas o essencial (sem piada) é efectivamente o espírito; o 'interior'.
A luz que se emana transcende tudo.
Quando esta verdade por entendida pelas pessoas (entendida 'mesmo') talvez haja esperança.
Beijo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.01.2009 às 17:17

Esta cambada ainda manda. Devia ser reformda já.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas