Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Samuel, conhecendo eu mais ou menos

por Cristina Ribeiro, em 25.02.09

a realidade que se vive em Braga, não me custa  mesmo nada acreditar no comandante da PSP. Era um rastilho certo para zaragata. Lembre-se que a mentalidade é muito fechada, e não importava aos pais se era ou não uma obra de arte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:25


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Morgado a 25.02.2009 às 01:17

Aqui há quem se benza antes de receber um panfleto dos Médicos Pela Escolha, mas nem tanto... Não estou a ver zaragatas por causa de uma vagina exposta. Aliás, o pénis do arcebispo João Peculiar continua murcho no largo de São Paulo e não houve atavismo que conseguisse remove-lo...
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 25.02.2009 às 01:32

Ai eu vejo, Pedro: muita gente das aldeias em redor que aproveitaram a ponte e o bom tempo. e foram passear com os filhos ;não escamoteemos o facto de não precisarem de muito para acenderem uma briga.
Vivo numa aldeia dessas...
Sem imagem de perfil

De Pedro Morgado a 25.02.2009 às 01:42

Eu não consigo ver esta medida como defesa da ordem pública... Aliás, isto cheira a desculpa de quem errou e tarda admitir o erro.

O povo é de brandos costumes, embora haja muito quem o queira incen(sar)diar :D
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 25.02.2009 às 01:47

De brandes costumes, Pedro? Lá na terra vai um grande reboliço, com ameaças à integridade física, por uma questão de divisão d'águas de regadio
Sem imagem de perfil

De PF a 25.02.2009 às 05:39

Cristina

Eu optaria por não avaliar o povo de Braga. Não sabemos o que aconteceu.
Quanto ao resto o que podemos fazer é questionar por que carga de água iria a polícia inventar desacatos para apreender um livro de antanho por ter uma vagina em grande plano? Porque não havemos de dar o benefício da dúvida a quem estava a trabalhar in loco e conhece a comunidade? Se a polícia local não está mandatada para o acto censório de apreensão de livros, é mais do que evidente que o acto em si é, e assim foi, transitório com o objectivo de em determinado momento evitar desacatos. Se é apenas com base no "parece-me que" e no "não me fio em..." que alguns espíritos se desinquietam, não sei porque não viram o seu arado libertador para outras bandas...
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 25.02.2009 às 20:29

Só falei nesse ponto, Pedro, para salientar as tais " especificidades ": quem vive em Lisboa verá logo o sucedido como censura pura e simples, quando pode não ter sido, porque, convenhamos, há diferenças nas mentalidades de um urbano informado e um rural que vive na ignorância do que se passa à sua volta- não estou, claro, a falar dos habitantes da cidade, como um todo.
Sem imagem de perfil

De Joana a 25.02.2009 às 11:47

Quanto mais censuram, mais alarido criam à volta de situações que, de secundárias, passam a protagonistas. Se a apreensão dos livros não se tivesse verificado, as imagens teriam passado despercebidas às criancinhas; assim puderam vê-las em grande plano nos telejornais! Enfim, é o chamado sair o tiro pela culatra!

Nem quero imaginar quando começarem as aulas de educação sexual nas escolas... Será mais um motivo para os pais se deslocarem aos estabelecimentos de ensino para espancar os professores?
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 25.02.2009 às 20:35

Pois aí é que bate o ponto, Joana: não sei até que ponto foi censura, ou reacção a queixas de quem se sentiu incomodado- uma questão de mentalidade...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 26.02.2009 às 01:55

Cristina até posso entender até certo ponto a acção, mas o que me preocupa é o precedente perigoso! Beijinho
Sem imagem de perfil

De john a 26.02.2009 às 16:49

O que acho absolutamente extraordinário no caso - que, de resto, deixei de seguir durante os últimos dias devido ao "feriado mental" em que entrei - é ver todo o país a discutir uma obra de arte quando o mais certo é 90% das pessoas que disso fala não conhecer a peça em questão (antes da polémica, entenda-se).

E não quero com isto dizer que há algum mal em não conhecer a dita passarinha. Eu, por exemplo, não conhecia, e nem por isso me sinto ignorante.

Mas o caso é todo ele cómico. Olhe, faz-me lembrar aquela funcionária do museu que varreu o monte de cacos que supostamente seria uma "instalação", por pensar que era lixo :)

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas