Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As grã bestas que chegaram a grã cruzes.

por Nuno Castelo-Branco, em 05.03.09

 

Na imagem, o grupo de comandos portugueses de Marcelino da Mata

 

 A propósito do brutal assassinato de Nino Vieira, convém recordar alguns factos de um passado não muito distante e que para nossa vergonha - de todos os portugueses, sejam eles políticos, militares ou ou gente comum - oportunamente foram relegados para o conveniente tugúrio do esquecimento.

 

Após a independência da Guiné-Bissau (Setembro de 1974), o ajuste de contas do partido pró-soviético PAIGC, fez-se de forma célere e radical, seguindo fielmente a cartilha estalinista dos manuais  onde o terror se torna a arma ideal e total para a consolidação do poder. Desta forma, o regime do senhor Luís Cabral, é responsável pelo assassinato de um monstruoso número de antigos soldados africanos do exército português. Apenas culpados por terem envergado o uniforme da potência de que muitos consideravam ser a Guiné parte integrante, não tiveram o direito a qualquer tipo de julgamento, ou como seria ideal, de regressar aos seus afazeres da vida civil.  As circunstâncias em que ocorreu a matança tem contornos dantescos e bem típicos daquela zona do planeta, onde a vingança sobre elementos de outras etnias  ou tribos, é exercida com o recurso a qualquer forma de tortura prévia. Membros decepados em vida, chacina de famílias inteiras, imolação pelo fogo, eis alguns dos processos detectados neste escandaloso episódio com poucos paralelos na história das nossas forças armadas. Enterrados aos milhares em valas comuns, aqueles que conseguiram escapar a sucessivas levas da morte, foram marginalizados e excluídos da sociedade guineense, conseguindo uns poucos vir para Portugal. Curiosamente, os pressupostos igualitários que deram forma ao novo regime de Lisboa, não incluiu estes homens no quadro da cidadania, deixando-os na miséria e sem sequer reconhecer aqueles que pela sua bravura se distinguiram durante a guerra, recebendo por isso as mais altas condecorações de valor militar. Uma ignomínia tão aviltante, como o sonegar dos bilhetes de identidade portugueses a milhões de infelizes, sem sequer lhes ser dado o inalienável direito a opção. Evidentemente, eram negros e como tal, não contavam para as estatísticas, tornando-se até incómodos para uma situação política que antes do mais procurava afanosamente apagar cinco séculos de um passado para alguns inconveniente.

 

Hoje parece verificar-se a habitual catarse que geralmente ocorre após o desaparecimento de uma figura política incómoda. Se durante anos o nosso país dignamente protegeu a vida de Nino Vieira, hoje, após o assassinato levado a cabo por um grupo de magarefes armados, já podemos ler alguns artigos na prestimosa imprensa portuguesa, apodando o infeliz presidente de "ditador, bandido, corrupto, traficante", etc. É mais uma forma de purgar as responsabilidades, absolutamente semelhante e válida nos seus propósitos, tal como aquelas eternas teses da "melhor descolonização possível" que habitualmente os senadores da nação bolsam à hora dos noticiários ou das mesas redondas da corrente propaganda. Há sempre uma idiota de tacha arreganhada, olhos em alvo e microfone em riste, pronta a escutar embevecida, todo o tipo de banalidades, aldrabices e exercícios de onanismo "político". E torna-se ainda mais chocante esta arrogante canalhice, quando as ditas excelências tinham o perfeito conhecimento acerca do tipo de gente a quem entregavam o poder naquelas paragens. Consistiu num crime premeditado, assumido e ainda hoje orgulhosamente exibido como grande feito.

 

Nino Vieira teve o mérito de denunciar os massacres dos seus antigos e valorosos adversários no campo de batalha. Honra lhe seja feita. O que se torna incompreensível é este meio em que vegetamos, onde a captura de um quarteleiro sérvio ou croata, tem direito a parangonas nos jornais e a processos levantados pelo Supremo de Haia. Aqui em Portugal, convivemos diariamente com gente profundamente implicada neste tipo de crimes e que nem por isso deixa de ser convidada para eventos sociais, sejam eles de índole cultural ou política. Pior ainda, surgem periodicamente na própria televisão do Estado, comentando a actualidade política dos países que decisivamente ajudaram  a destruir e a transformar em antecâmaras do inferno. Estão bem e recomendam-se,  preciosamente protegidos por outros - civis e ex-militares portugueses - que orgulhosamente insistem no erro histórico e negam a responsabilidade da ascensão da chã malvadez à categoria de sistema de governo. 

 

No nosso país não há gente talhada à medida de um Baltazar Garzón. Temos, isso sim, uma assustadora  infinidade de páchiças  e mamparras  alçados ao nada invejável escalão de "luminosas inteligências" e autoridades da moral e da memória recente da nação. É a velha história das grã bestas que chegaram a grã-cruzes... Sabemos quem são. Coerentemente, até há quem continue a desenvolver negócios miliardários, pouco se importando agora com questões de neo-colonialismo ou escravatura infantil. Assim, tudo faz sentido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21


10 comentários

Sem imagem de perfil

De mike a 06.03.2009 às 00:26

Ah pois sabemos, Nuno. Bom post.
Imagem de perfil

De Nuno a 06.03.2009 às 03:32

Sei bem desses acontecimentos e concordo com o que escreveste. Após o 25 de Abril permitiram a entrada a tantos africanos negros, porque razão não foram incentivados (e apoiados) a partir para Portugal os soldados portugueses negros sujeitos a prováveis retaliações após a independència? Fica na consciência dos "herois de Abril" é mais uma das vergonhas ligadas à revolução. Os americanos no Vietnam transferiram dezenas de milhares de aldeões das comunidades localizadas nas montanhas (que os apoiaram) para os EUA, não pensando em custos ou problemas de adaptação. Fizeram o que era certo para os proteger e com isso ficaram com a honra menos manchada.
Sem imagem de perfil

De LUIS BARATA a 06.03.2009 às 09:58

Lembro-me bem das empresas de import-export de alguns dos militares de Abril...
Sem imagem de perfil

De Miguel Neto a 06.03.2009 às 10:46

Concordo em absoluto com o texto.

"Consistiu num crime premeditado, assumido e ainda hoje orgulhosamente exibido como grande feito".

Mas daqui a uns anos (50, 100 ?) a História irá encarragar-se de colocar os actos dessas, por enquanto, Exas. na perspectiva correcta e a partir desse dia e até ao fim dos tempos os seus nomes serão sinónimo de vergonha, cobardia, hipocrisia, ganância ... e eles bem que o merecem porque uns para isso "trabalharam" com devoção, outros por conforto deixaram-se ir na conversa e ainda outros porque se deixaram usar como marionetas.

O texto aborda também, de forma indirecta, outra hipocrisia que teima em persistir: o "Apharteid" institucionalizado, aceite como natural e desejável, verbalizado na expressão "A África é dos negros". Hoje, numa sociedade que se diz global, pluri-tudo-e-o-seu-inverso, cosmopolita, inclusiva e mais essas coisas todas politicamente correctas, que ficam sempre bem dizer-se à mesa do café, nos bancos da Assembleia da República ou na ONU (mas que pelos vistos são ditas com o mesmo suporte moral e intelectual com que se diz maravilhas do filme da moda), essa expressão devia provocar as mesmas reacções que provocam outras iguaizinhas nos seus princípios e nos seus efeitos e que são "A Europa é para os brancos" ou "A Ásia é para os amarelos".

Mas (espantosamente ... ou talvez não) quando essa expressão, "A África é dos negros", é pronunciada, toda a gente à volta parece assentir ligeiramente com a cabeça em aprovação, com olhares vagamente sonhadores e é aplaudida, entusiasticamente, no fim. Não espanta portanto que quando gente dessa fala em princípios e valores ninguém, no íntimo, os leva a sério. No fundo nem os próprios. São modelos e exemplos de vulgaridade, de banalidade, de superficialidade e de relatividade.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 06.03.2009 às 10:57

E continuo a acreditar que o futuro de Portugal está naquelas paragens. Noutros moldes, num contexto diferente. Há que insistir. Quanto aos negócios a que o Luís Barata chama a atenção, sabemos finalmente a quem aproveitou o crime.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 06.03.2009 às 15:01

Sempre tivemos uma relação hipócrita com o poder e com a nossa história. Fica sempre bem recordar estes episódios, por mais dolorosos que sejam.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 06.03.2009 às 17:33

Não foram apenas os soldados negros, ao que julgo saber (em 1974 tinha 9 anos) também os funcionários de repartições como os correios, ou empresas portuguesas, qualquer uma, foram tratados como lacaios do colonialismo, com o beneplácito dos Otelos e companheiros Vascos, que apenas respeitavam os antigos inimigos, desde que seguissem a cartilha marxista, porque alguns que tivessem lutado pela independência mas desejassem a democracia, seriam considerados traidores divisionistas ao serviço da burguesia imperialista. Portugal continua com má consciência, traímos quem nos serviu.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 06.03.2009 às 18:43

Ainda há poucas semanas li uma entrevista de D. Duarte em que dizia que Mário Soares lhe confessara ter ficado perplexo, quando durante a reunião de Lusaca, Otelo foi sentar-se como adversário de Portugal, ao lado da Frelimo. bizarro, no mínimo...
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 06.03.2009 às 18:26

Num País onde a Vergonha passou a usar de poucos pergaminhos, Nuno...
Sem imagem de perfil

De De Puta Madre a 08.03.2009 às 18:43

Há coisas que ficam mesmo do outro lado da Fronteira. Gracias pelo Tráfico de Informação, N.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas