Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O que Medina Carreira

por Cristina Ribeiro, em 10.03.09

disse ontem a Mário Crespo, foi o dar voz a uma enorme maioria " silenciosa" - que fala mas não é ouvida - ; dizer alto e bom som que Portugal está nu. Para dizer-se isso, a uma plateia tão vasta, sem quaisquer panos quentes, infelizmente só quem não tem nada a perder, mandando às malvas o medinho, que vai consumindo o país, sentindo-se, por isso, livre para dizer as verdades que nós, os sem voz, vamos clamando sem que ninguém nos ligue peva.

 

 

 Adenda: sobre isto ler o que escreve Ricardo Arroja, no Portugal Contemporâneo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:13


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Diogo a 10.03.2009 às 12:45

Esse senhor é dos poucos que vai dizendo o que pensa sem medo de perder o tacho. Valha-nos alguém. E a Cristina também :)
Sem imagem de perfil

De Sandra a 10.03.2009 às 13:45

Tenho 29 anos, e com muita vontade de mudar. Ou muda Portugal como país ou eu mudo de País.
Sinto uma enorme revolta desta palhaçada de país que vive o dia a dia a discutir coisas inúteis. Gostei ontem de ouvir Medida Carreira. Mas chega de dizer coisas, basta! Eu quero é agir e ver alguém agir. Há muito tempo que aguardo um segundo 25 de Abril, ou como queiram chamar, mas não é com cravos. Desafio assim o Medina Carreira, em quem tenho esperança, que ajude estes incompetentes e salve este País a tempo.
Eu ficaria muito grata. E conte comigo para trabalhar. Sandra
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 10.03.2009 às 14:00

Bem pode perder o seu tempo com desafios... O homem jamais apontou um caminho de saída para "isto"... Ele, o Barreto e o Pulido Valente, são as "três graças" que muito dizem mas nada têm a propor.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 10.03.2009 às 14:14

Nuno, o ele " pôr a boca no trombone ", já abona a seu favor; terá passado o tempo- a cronologia manda-dele, mas se servir para despertar consciências...
Sem imagem de perfil

De Pedro Ruas a 03.05.2009 às 10:31

Olá, estou a gostar de vos ler e gostaria de vos deixar uma pergunta. Em primeiro lugar, chamo-me Pedro Ruas, sou piloto de aviões, vivo na montanha por trás do guincho, tenho zero créditos ao banco e estou a pensar sair do país. Paradoxal, n é? Por concordar a 100 por cento c o dr Medina Carreira, pergunto-vos: E
voçês, o que estão dispostos a fazer, além de só escrever e falar? Gostaria muito de ouvir propostas de acção.
Sem imagem de perfil

De Rui Costa a 10.03.2009 às 14:59

De acordo. O Medina de facto põe como ninguém o dedo na ferida, mas no que toca a propor saídas... Como aliás toda a classe politica que, sendo formada com nota máxima na disciplina "Critica Destrutiva Rudimentar", nem a exame de "Critica Construtiva Avançada" apareceu.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 10.03.2009 às 15:12

Mas, Rui, se o facto dessa ferida por ele exposta nos trouxer médicos competentes- tem de os haver-...
Pode ser que as suas palavras acordem os competentes honestos.
Sem imagem de perfil

De Rui Costa a 10.03.2009 às 15:35

Sim, concordo, é de louvar essa coragem! O que me parece é que de críticos já nós estamos repletos, políticos no sentido puro da palavra é que temos falta.

Já dizia o Henry Ford: "Não encontre defeitos, encontre soluções. Qualquer um sabe queixar-se."

Mas claro, homens com a coragem do Medina são essenciais! Mas nós já estamos para além do ponto em que isso bastaria.

Não basta procurar defeitos nos políticos , na classe empresarial. A sociedade portuguesa em geral, das classes mais altas às classes mais baixas, precisa de uma reestruturação profunda.

Enquanto cidadão, o português precisa de rever muitos dos seus princípios , das suas atitudes, do seu sentido de estado, de comunidade, de união de um povo em torno do bem estar comum.

Se o mal vem de cima para baixo ou de baixo para cima, parece-me uma discussão praticamente inútil Mas que urge mudar é demasiado obvio para se poder discutir.
Imagem de perfil

De António de Almeida a 10.03.2009 às 14:25

Medina Carreira traça um diagnóstico real do país, mas o país não o quer ouvir, muito menos a classe política. Alguém será capaz de me explicar como podem ter existido, até agora, 244 substituições de deputados, num universo de 230? Bem afirma Medina Carreira, o voto é uma inutilidade. Alguém está efectivamente interessado em alterar o status quo, aproximando eleitos e eleitores? Qual quê, mais carneirada a obedecer ao partido, isto não é um sistema político, é uma palhaçada.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 10.03.2009 às 14:48

Infelizmente essa voz continua a votar no centrão . Ou anda desorientada ou não se escuta a si própria!
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 10.03.2009 às 15:32

Eu tenho a esperança que se cure!
Sem imagem de perfil

De mike a 10.03.2009 às 21:21

Este post, Cristina, e tiro-lhe o chapéu, trouxe-me à memória uma frase célebre de Martin Luther King que dizia mais ou menos "o que me preocupa não é a voz dos poderosos e sim o silêncio dos oprimidos".
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 10.03.2009 às 21:53

Simpatia, Mike :)
Um " silêncio " que se está a tornar ensurdecedor, porque se vai avolumando a voz do descontentamento- só precisamos de alguém capaz e com coragem para fazer frente a este Mostrengo...
Sem imagem de perfil

De André Ferreira a 10.03.2009 às 21:45

Sempre gostei do Medina Carreira. Pena que um dos maiores fiscalistas portugueses seja tão pouco ouvido...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas