Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Notícias de Lourenço Marques

por Nuno Castelo-Branco, em 31.03.09

 

 

Esta nossa política nacional é sempre servida com o efeito de duche escocês. Se os órgãos de comunicação empanturram a opinião pública com notícias de cariz genericamente escandaloso, o  ministério público, os bastonários das mais diversas ordens ou tagarelas procuradores que melhor fariam em permanecer calados, contradizem-se, causam a confusão, desmentem, confirmam ou mentem.  Dir-se-ia existir um secreto conluio para o lançamento do bambúrrio e caos que inibam a análise dos factos. Ainda os casos não subiram à barra dos tribunais e o almejado descrédito conseguiu-se no meio de grande barulheira, desacreditando todo o sistema. Fazem-nos invariavelmente recordar a história do mentiroso que pedia socorro sem razão haver para tal e que de tanto gritar, um dia viu-se em apuros sem que vivalma o acudisse. É esta a situação destes dias onde a indiferença conquistou o país. Dias de perigo iminente.

 

A política nacional é desinteressante e mesquinha, sem sequer merecer a chancela de corriqueira, coisa que confirmaria a normalidade dos organismos bem enraizados e que vivem da gestão corrente. Pelo contrário, vivemos segundo padrões estabelecidos por um nivelamento por baixo e tão chão, que  os telejornais se tornaram numa montra de  notícias de rodapé de folha informativa de âmbito aldeão. As evidentes mentiras assumidas diante de todos - que afinal são mesmo dez milhões de parvos - , o reescrever de factos antigos e bem conhecidos, o arrogante desperdício e exercício da inveja mais vergonhosa - leiam o post do Miguel -, a pobreza de espírito, o não saber dizer nem fazer, enfim, o Estado que temos, levam muitos portugueses a entreter-se com outras coisas.

 

Estive umas longas horas em agradável conversa com o João, um amigo de Moçambique e que lá voltou a residir. Questionei-o acerca de aspectos da cidade e embora conhecendo de antemão as respostas, não me canso de as ouvir repetidas, num exercício que talvez se aproxime daqueles que na primária éramos obrigados a praticar no quadro de ardósia, devido a  um qualquer castigo. É sempre um prazer confirmar coisas que não mudaram nem são de previsível alteração. De forma um tanto egoísta, com alguma satisfação reconheço que a escassez de meios financeiros de certos países, proporciona a involuntária e inconsciente - deles, os que lá ficaram - preservação de um passado do qual um dia fizemos parte. 

 

Falou-me demoradamente acerca da grande bairro da Polana, a zona onde sempre residimos em Lourenço Marques. A nossa casa, na antiga Avenida Princesa Patrícia 1208, lá está, tal e qual como nos anos sessenta. Pelo que me disse, miraculosamente intacta e bem conservada. Fiquei a pensar na gente que hoje habitará o local que ainda agora conseguiria percorrer de olhos vendados. Sei que periodicamente ainda repinta de verde o portão de entrada do jardim que mantém a plantação de orelhas de elefante e cactos, como no nosso tempo.  Nada mudou no pátio das traseiras onde desajeitadamente batíamos bolas contra uma alta parede, imitando os nossos pais no squash para adultos. Ainda lá está e espantosamente, há hoje quem continue a fazer exactamente o mesmo, sendo bem visíveis as marcas naquele muro já sem cor. É a única explicação que encontro para aquelas manchas, porque não é possível que ao fim de quase quatro décadas, ainda sejam o mudo testemunho de quem um dia deu alguma importância àquela alvenaria. O único aspecto descuidado é o quintal das traseiras, hoje transformado num pequeno baldio coberto com uma mata de altas ervas, sendo mesmo impossível a ele aceder pelo portão das traseiras. No entanto, os locatários salvam as aparências, cuidando do acesso principal, aquele que recebe as visitas. 

 

Os passeios continuam naquele resistente cimento riscado em quadrados perfeitamente simétricos que a Câmara Municipal de Lourenço Marques tão bem sabia manter. As acácias de flor vermelha naturalmente seguem o ciclo do atapetamento decorativo da rua e não será difícil imaginar os miúdos de hoje a brincar, tal como nós fizemos, com aquela espécie de catanas vegetais que destas árvores caiem e que alternam as funções de espadas ou instrumentos musicais, pois as sementes no interior chocalham à vontade ou talento rítmico dos habilidosos.

 

Há coisas que não mudam porque obedecem às leis da natureza ou aos sempre iguais caprichos do bicho homem. Surgem apenas outros rostos e diferentes nomes. Alguns que durante tanto tempo conhecemos e se familiarizaram, esfumaram-se involuntariamente, separados por uma história na qual não tiveram qualquer influência. Ficam as fotos e isso já é alguma coisa. Em certos momentos, são muito mais importantes que a crise dos nossos bolsos e da política deles

 

* Na foto: em primeiro plano, o Miguel. No segundo plano, eu, o João e a Tiki (a Angela estava para nascer). Afagando o grupo, o cozinheiro, protector e dedicado amigo Bernardo. O que lhe terá sucedido?

Acácia

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:36


5 comentários

Sem imagem de perfil

De LUIS BARATA a 01.04.2009 às 09:57

Alguns amigos que viveram e cresceram em Lourenço Marques, desde logo no elegante bairro de Summerchild, quando lá voltaram viram quem se tinha instalado nas suas antigas moradias: a nomenklatura, claro está.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 01.04.2009 às 12:17

Pois e pelo que me disseram, a zona da Sommerschield transformou-se numa sucursal da Artilharia Um e do Intendente. Estás a perceber, não é? A isto chama-se evolucionismo.
Sem imagem de perfil

De José Carlos a 02.04.2009 às 11:11

Já esteve em Moçambique depois de 1975? Por que é que não referencia a sua antiga casa no wikimapia.org?
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 02.04.2009 às 17:31

Nunca lá voltei. Primeiro a guerra e a miséria generalizada e hoje, a questão do dinheiro para férias. esta é a verdade. Quanto à wikimapia.org, nem sei do que se trata. Sou uma nulidade em informática/net, etc. Obrigado pelo interesse e pela sugestão. Tentarei investigar.
Sem imagem de perfil

De melhor detective privado a 29.11.2011 às 02:02

boa tarde + . foi muito belíssimo.. esta entrada foi engraçado. considere me guest regular a 100 do blogue. cmprmentos

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas