Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

 

Soprando vigorosamente as refundidas trombetas de Jericó, o festivaleiro mas  pequeno mundo das esquerdas - a antiga do lumpen e a moderna da contestação iconoclasta - previam desde logo a queda da muralha protectora do "sistema capitalista". A reunião do G-20 significaria esse mesmo estertor de um modelo "ultrapassado de exploração e desigualdade", abrindo-se novas vias a um novo ensaio do socialismo real, dito científico.

 

A esquerda antiga, a dos órfãos das democracias populares vassalas do poder dos blindados da desaparecida URSS, sonha o impossível. Decorridas quase duas décadas desde o desabar do sistema soviético, as condições políticas, sociais e económicas de todos os antigos componentes do Pacto de Varsóvia e do Comecon, estilhaçaram o artificial e gigantesco modelo semi-autárcico que tinha levado o bloco leste à súbita síncope antecipadora da implosão de 1989-91. Os anos 60 e e 70 deram ao mundo uma amostra da transformação do sol soviético numa gigante vermelha que passou à generalizada ofensiva expansionista na Ásia, África e América  central, fazendo crer na iminente vitória que lhe fora negada durante as primeiras décadas da guerra fria. A fuga em frente do chamado complexo militar-industrial, cavou a sepultura de uma URSS incapaz de competir com o Ocidente onde as crises, por mais difíceis e de problemática resolução que fossem, encontravam na dinâmica interna das democracias, as soluções que estabilizaram e consolidaram os regimes europeus do período pós-1945.  O consumo e a prosperidade - por vezes relativa - que o acompanha, acabaram por se impor como meta a atingir por aqueles que para lá da Cortina de Ferro viviam numa penúria apenas mitigada pela satisfação das necessidades mais básicas. A expansão e o grande alcance dos meios de comunicação social abateram fronteiras, dando a conhecer a todos a possibilidade de uma vida autónoma dos ditames ou caprichos de um Estado dominado por uma escassa minoria de privilegiados de reminiscência medieval. 

 

Considerando o hemisfério norte, os persistentes resquícios do outrora poderoso movimento comunista internacional, não interiorizaram essa evolução que não se cingiu apenas ao acesso a novos bens de produção capitalista. As populações outrora confinadas ao "espaço socialista", viajaram, descobriram um mundo que apenas imaginavam sob o prisma da censura do Partido e dos organismos que o serviam como organizadores da sociedade. A possibilidade de aceder aos bens de consumo torna-se assim inseparável do próprio conceito de democracia e neste aspecto, existe hoje  uma maioria que pode adquirir produtos apenas sonhados por aqueles que uma geração antes escutavam em segredo as emissões radiofónicas ocidentais ou aproveitavam as feiras e certames culturais do "inimigo", para conhecer algo do seu estilo de vida.  Assim sendo, não se tornará absurdo vaticinar o total fracasso daqueles que vêem no Estado o futuro patrão único da economia  e consequentemente instaurando um figurino também único de formatação ideológica e pretensamente representativa. O fatal engano de não querer ver essa imensa massa de novos pequenos proprietários hoje capazes de decidir uma simples transacção imobiliária, o discutível investimento num veículo ou a planificação de férias num solarengo local do além-mar, impossibilita uma realista avaliação das reais possibilidades da conquista do poder através das sobejamente conhecidas "contradições" do sistema em esperada falência. A verdade é que as gentes estão hoje habituadas a discutir, ler, escrever ou  criar aquilo que lhes parece ser algo de positivo que enalteça o próprio ego e em reflexo, preencha os desejos de experimentação dos outros. Os povos desabituaram-se da constante presença policial, repressão e inculpação sem formal acusação,  despotismo do capricho e à padronização pelo nível mais ínfimo que apenas garantia a subsistência. As sociedades tornaram-se mais exigentes e logo mais democráticas e sofisticadas, tendo hoje ao seu dispor uma jamais cogitada capacidade de comunicação e de acesso à informação quase imediata. O poder central torna-se mais difuso, embora a concentração de dados proporcionada pela informatização do aparelho administrativo, pareça indicar precisamente o contrário. No entanto, a dispersão dos quereres   numa miríade de opiniões que não têm necessariamente de se conformar num espaço bandeira ou clube ideológico, impede ou pelo menos tolhe irreparavelmente, o caminho aos aspirantes da ditadura.

 

O capitalismo ocidental, velho de milénios, jamais deixou de o ser, desde a época das trirremes gregas carregadas de cerâmica e potes de azeite, até às naus portuguesas da primeira globalização de quinhentos. Adaptou-se e evoluiu em célere acompanhamento da conquista do mundo por uma Europa activa, forte  na certeza de cada um dos históricos Estados que a compunham e que lenta mas irreversivelmente, permeabilizaram culturas e sociedades antigas, banalizaram lendários impérios celestes e fizeram espalhar as ideologias fundidas no cadinho das várias escolas filosóficas do Velho Continente. Há cem anos, era uma Europa industrial quem inundava de produtos os mercados ultramarinos, invertendo o processo de fornecimento de bens que se afirmara há séculos. Com as máquinas e químicos chegaram os livros, as inovações técnicas da informação, o cinema, uma certa forma de liderar a sociedade e até a moda. Na verdade, de forma mais ou menos matizada, o planeta Terra é um mundo que se rege normalmente pelos princípios gizados e visivelmente impostos por esse já não tão desconhecido ou estranho Ocidente.

 

Bem ao contrário daquilo que a outra esquerda -, a dita moderna, ao estilo populista de Noam Chomsky e parte envergonhadamente integrante do liberalismo capitalista ocidental - quer fazer crer, o capitalismo é isso mesmo: o poder de adaptação.  Se alguns aspectos resultantes da propensão para a ganância - inata urbi et orbi ao homem - conduziram a uma situação de emergência que impõe a regulação do sistema através daquele refinado organismo tacitamente aceite pela esmagadora maioria e que se chama Estado, o capitalismo que garante o progresso pela informação, a inovação pelo estímulo da recompensa social e a tranquilidade da esfera pessoal de cada um, decerto continuará. Pode até dizer-se que provavelmente surgirá depurado daquelas particularidades nefastas que tendiam para o seu descrédito, ou sejam, a especulação sem atender à especificidade de uma dada realidade sócio-económica, a economia virtual dos jogos especulativos, a opacidade do jogo bancário e financeiro, a desorganização da justiça no trabalho ou o lucro como único e derradeiro fim.  Estamos num período em que a política deve impor-se, em detrimento do mundo dos negócios. As pessoas habituaram-se à liberdade, seja ela a de circulação, pensamento, expressão ou de afirmação identitária. É decerto previsível a conformação desse "Ocidente", às realidades muito plurais em cada canto do planeta, numa lógica adaptação e respeito pelas diversas Histórias que são tão válidas e respeitadas numa França, Alemanha, Portugal ou Inglaterra, como no Japão, Tailândia, Egipto ou China.

 

Os próximos anos prenunciam-se difíceis para os sonhadores de modelos políticos que emulam as prestidigitações de outros tempos e desaparecidas realidades. Como se alguém quisesse hoje viver nas aldeias do príncipe Potemkin e muito pior ainda, nos conglomerados betonados de um Nicolae Ceausescu!  A verdade é que esse mundo morreu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:12


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Humberto Nuno de Oliveira a 03.04.2009 às 16:53

Caro Nuno, constou-me agora que serás candidato pelo MMS às Europeias. Tenho pena, pela qualidade do candidato, de não ir votar em ti.
Um abraço
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 03.04.2009 às 17:02

EU?! Candidato? Desde quando, Humberto? Onde é que viste isso? Apenas fiz uma reportagem e nada mais!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas