Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O pular da cerca

por Nuno Castelo-Branco, em 05.04.09

 

 Entusiasmados pela perspectiva de uma reedição webizada da Cabana do Pai Tomás, um certo sector que até à eleição de Obama consistiu no mais irredutível bunker de resistência à influência americana no mundo, viu na eleição do senador a possibilidade da realização do mais encarecido e permanente sonho, velho de quase um século. Não conseguindo compreender o que é a dinâmica de uma campanha eleitoral nos Estados Unidos, consideraram sempre como válidas, as vagas propostas e categóricas afirmações de retirada yankee dos pontos mais belicosos existentes no planeta, com a secreta esperança de um volatilizar da presença militar na Europa, finalmente abandonada ao seu próprio destino.

 

Os derrotados da Guerra Fria interiorizaram há décadas a impossibilidade de destruição do sistema demo-liberal europeu, enquanto a Aliança Atlântica servisse como capa protectora às emanações radioactivas provenientes do concentracionário sistema existente para lá da Cortina de Ferro. Os desastres no Médio Oriente e a necessidade do candidato democrata em proceder a uma campanha de clara demarcação retórica com a política prosseguida pela administração Bush, criaram o tal efeito de fogo de Santelmo que iludiu aqueles que hipnotizados pela própria propaganda, não conseguem compreender o que de facto atribui a um dado Estado num certo momento histórico, a dimensão de império hegemónico. 

 

Decorridos apenas dois meses desde a tomada de posse de Obama, chegou o tempo das primeiras grandes desilusões. O anunciado reforço do contingente no Afeganistão, a firmeza manifestada diante do regime de Pyong-Yang, o estabelecimento de uma perfeita linha de demarcação entre a NATO e Moscovo, confirmam aquilo que já outrora afirmáramos. As administrações partidárias podem normalmente mudar nos EUA, tal como acontece em qualquer outra democracia europeia. O que permanece imutável, é a imensa rede de interesses estratégicos que conformam o império, nas suas vertentes política, económica, militar e até cultural.

 

Conhecedores daquilo que significou a ocupação militar soviética  durante mais de quatro décadas (1944/45-1991), os países do leste europeu procuram tal como a Europa ocidental vencida e destroçada pela II Guerra Mundial, a protecção da única potência que lhes pode garantir a segurança. A América do Norte, com os seus recursos financeiros, interesses geoestratégicos particulares e uma imensa capacidade industrial, encontra-se na situação de exclusivo privilégio de beneficiar da lealdade dos antigos membros componentes do extinto Pacto de Varsóvia. A manifestação checa à visita do presidente americano, traz-nos à memória o famoso discurso de JFK na Berlim divida, que serviu sobretudo para manifestar a certeza da permanência do dispositivo que desembarcando na Normandia em 6 de Junho de 1944, mitigou os apetites finlandizadores de uma então agressiva e expansionista União Soviética.

 

Quem sonhava com a inclusão de polacos, checos, eslovacos, romenos, húngaros, búlgaros e bálticos dentro da estrita e teórica esfera de influência militar de secundárias potências bélicas como a Alemanha e a França - numa óptica de final consagração do continentalismo -, deve ter hoje despertado de uma forma jamais imaginada: os antigos mastins de Brezhnev pularam a cerca, não para o redil franco-alemão da planície renana, mas voando sobre o Atlântico, directamente para o pátio do Pentágono. 

 

Uma boa notícia para Portugal e para o Reino Unido.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:16


6 comentários

Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 05.04.2009 às 20:59

A herança de Bush é demasiado pesada para Obama.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 05.04.2009 às 21:20

... e a que FDR deixou à Europa, essa então, foi pesadíssima. Berlim, Conisberga, Breslau, Praga, Budapeste. Bucareste, Sofia, belgrado, Tirana, etc, nas mãos dos soviéticos. Bem pior!
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 05.04.2009 às 21:21

Está bem.
Não se pode é considerar Bush um santo só por que tem gente pior que ele.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 05.04.2009 às 22:06

Far-me-á sempre confusão o "hype" massivo que de tempos a tempos contagia milhões de pessoas. Esperemos que o realismo continue a predominar quanto ao que realmente conta...
Sem imagem de perfil

De JMB a 06.04.2009 às 06:57

Muito bom. Excelente.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 08.04.2009 às 02:00

Quem é que está expectante sobre o futuro do sistema demo-liberal europeu, os seus detratores ou os seus defensores?

Quando há 25 anos se dizia aos comunistas que tudo aquilo estava a ruir, eles juravam a pés juntos que não. Os demo-liberais de hoje repetem o mesmo o mesmo disparate.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas