Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Um presidente em apuros

 

 

Mau tempo sobre a América

 

Tradições peculiares

 

Um presidente inesquecível

  

Agora que a nova administração de Americana entrou em funções pode-se já ver as grandes mudanças na politica externa americana.

Existe uma clara inversão de atitudes que tem por fim colmatar os erros do anterior presidente Bush. Os E.U.A. estavam a trilhar um caminho extremamente perigoso que poderia dar origem a uma guerra regional de grandes proporções no Médio Oriente.

A invasão do Iraque e o afrontamento directo da Rússia de Putin foram erros importantes de Bush que estão na origem dos problemas actuais mais imediatos da política externa norte americana.

A dissolução da U.R.S.S foi aproveitada nos últimos 19 anos pelo E.U.A. para tentar quebrar a hegemonia Russa sobre os povos seus vizinhos. Apoio político-económico directo, a integração em alianças militares (N.A.T.O) ou económicas (C.E.E.), a instalação de bases militares ou de misseis foram algumas das medidas mais conhecidas do grande público. Resumindo, trata-se da aplicação da antiga máxima do dividir para reinar que foi responsável pelo fim dos impérios europeus e que pretende enfraquecer a própria Comunidade Económica Europeia. Tal pode provavelmente observar-se no apoio americano declarado à entrada da Turquia.

O governo do Sr.Putin alicerçado nos rendimentos do petróleo tem mantido um processo de renovação das forças armadas e esmagou os desafios Tchecheno e Georgiano de forma a consolidar o seu prestigio e defender os seus interesses económicos. A nível externo contra-atacou os americanos no seu velho “calcanhar de Aquiles”, o Médio Oriente. Novas oportunidades surgiram com a decisão do presidente Bush após o ataque terrorista às torres gémeas de invadir não só o Afeganistão de onde tinha partido o ataque, como o Iraque de Sadam Husseim baseado num conjunto de premissas falsas. Curiosamente, no caso do Iraque invadiu um Estado Soberano sem nenhuma outra razão prática a não ser as injustiças praticadas a nível interno pelo seu regime. Criou-se portanto mais um precedente que justifica a ingerência militar de uma ou mais potencias estrangeiras na politica interna de países independentes.

Os E.U.A. pretendiam apoiados nos Xiitas controlar o país e os seus recursos petrolíferos. Os interesses estratégicos americanos desde o fim da segunda guerra mundial tem passado geralmente por tentar controlar países produtores de matérias primas chave como o petróleo. Actualmente Angola (a título de exemplo) abastece em mais de 20% o gigantesco mercado interno dos E.U.A.

No entanto de uma forma inacreditável (falta-lhes um novo Kissinger) a administração Bush não teve em conta uma poderosa potência regional com mais de 2600 anos de antiguidade, refiro-me ao Irão. O Iraque tem estado sempre sob domínio ou influência Persa. Rapidamente após a vitória militar americana, os iranianos começaram a infiltrar agentes no Iraque para o destabilizar e a apoiar uma importante facção política Xiita. Portanto os americanos começaram a ser fortemente atacados simultaneamente pelos Sunitas apoiados pela Al qaeda e pelos Xiitas apoiados no Irão. Actualmente a situação interna no Iraque está um pouco mais sobre controle porque muitos lideres tribais Sunitas foram comprados e dessa forma reduzida a base de apoio dos terroristas estrangeiros. O grande problema é que o projecto político de um novo grande Irão que com forte apoio Russo e algum Chinês começou a desenvolver a bomba atómica. Portanto existe a hipótese muito possível do dito Irão conseguir destabilizar o Iraque e expulsar do poder a facção Xiita afecta aos E.U.A. Um super Irão controlando a parte Sul do Iraque rica em petróleo e colocando sob sua “protecção” o norte Sunita seria uma catástrofe para os americanos, pondo mesmo em questão a viabilidade do Estado de Israel. Neste imbróglio temos de ter em conta a Síria aliada de Teerão e os grupos terroristas do Líbano e da Palestina. Neste momento os Estados Unidos como potência mundial em retrocesso relativo já não tem capacidade para sozinha enfrentar uma grande guerra regional contra um inimigo islâmico poderoso apoiado militarmente pela Rússia.

Socorrendo-me de um livro que estou a reler na versão original em inglês (a tradução em português brasileiro deixava a desejar), “O choque das Civilizações” do Samuel P. Huntington que recomendo vivamente, os Estados Unidos na primeira invasão do Iraque em 1991, posicionaram no golfo Pérsico 75% dos seus aviões tácticos activos, 42% dos seus carros blindados, 46% dos seus porta-aviões, 37% do pessoal do exército e 46% dos seus fuzileiros. Dificilmente agora os EUA terão força para conduzir praticamente sozinhos grandes intervenções militares contra potências regionais importantes.

 

 

Neste contexto a administração Obama vem fazer a única coisa que lhe resta, atingir um entendimento com a Rússia e abandonar o projecto de dominar politicamente e militarizar os países limítrofes da Rússia. Paralelamente encetar negociações diplomáticas directas com Teerão visando encontrar um entendimento em relação ao Iraque. Simultaneamente vem à Europa reafirmar o papel de liderança americano do “bloco Ocidental”. No futuro os EUA cada vez precisam mais do apoio Europeu para fazer valer os interesses que querem fazer crer serem de todos. No que se refere ao Afeganistão é um conflito em que a solução exclusivamente militar é claramente inviável. Faz lembrar um pouco a nossa guerra colonial em África salvaguardando as proporções. A FRELIMO em Moçambique era um movimento terrorista maioritariamente apoiado na etnia Maconde que tinha dois terços da sua população na Tanzânia que era um país independente que os apoiava. Portanto qualquer vitória militar passaria obrigatoriamente pela invasão desse país, o que era impensável. Voltando ao caso do Afeganistão os americanos teriam de invadir o Paquistão de forma a submeter as áreas tribais de onde partem os ataques através da fronteira e como isso é impossível, resta aos americanos tentar negociar com fanáticos religiosos.

Em termos gerais agora no que concerne à Ásia, no futuro o que se verá cada vez mais será os americanos apoiarem a índia para contrabalançar o crescente poder da China. Neste momento estas duas potências emergentes já travam um conflito surdo pelo controle do Oceano Índico que é a porta de acesso para o Médio Oriente, África Oriental, Europa e costa Ocidental da América (através do Suez). A China aliada ao Paquistão, iniciou a construção de uma rede de importantes bases navais na costas do Índico e pretende “cercar” a Índia através de uma rede de alianças militares regionais. Isto significa que a política americana é e será sempre no futuro, a de jogar um papel decisivo na nova correlação de forças resultante da emergência destas novas potências de forma a impedir que alguma atinja a supremacia mundial. Será uma cópia à escala global da política inglesa para a Europa continental desde o reinado de Luís XIV, dividir para reinar e manter as correlações de forças para que não se criem novas hegemonia políticas desfavoráveis aos interesses americanos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27


2 comentários

Imagem de perfil

De L M D a 11.04.2009 às 16:53

Ainda não percebi quais os motivos que levaram a anterior administração americana a cometer tantos e tão graves erros, também não faço ideia de como a actual administração os vai resolver.
cpmts
Imagem de perfil

De Nuno a 12.04.2009 às 14:10

O grande problema da anterior administração foi estar demasiado ligada aos interesses daquilo que se convencionou chamar de complexo militar-indústrial e às grandes companhias petrolíferas americanas. No fundo isso liga-se a uma das grandes limitações estruturais do "chamado" sistema político democrata e que é o facto de que geralmente os objectivos de longo prazo são sacrificados em favor das "oportunidades" imediatas. A administração Bush teve após o ataque do 11 de Setembro uma maior latitude de opções no âmbito da sua política anti terrorista. Portanto juntou no mesmo "saco" coisas completamente diferentes, refiro-me ao Afeganistão e ao Iraque. O ataque ao primeiro era inevitável enquanto o segundo foi oportunismo cego pelas vantagens a curto prazo. Os EUA tem estado sempre desde 1973 sobre a ameaça de estrangulamento económico devido aos preços do petróleo e a potenciais embargos no abastecimento. Uma coisa é certa o oportunismo da reacção americana vai sempre levantar algumas duvidas acerca do papel da CIA nos ataques de 11 de Setembro.
Resumindo, as necessidades de justificar um grande aumento de despesas do Estado com as forças armadas e o interesse em controlar os recursos petrolíferos do Iraque e da Líbia (esta sob a ameaça de ser invadida devido ao apoio que deu a grupos terroristas cedeu às exigências americanas que agora controlam também os seus recursos) explicam grande parte da política externa do presidente Bush .

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas