Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O lançamento do "Aqui d'El Rei" (Fnac, 13-4-2009)

por Nuno Castelo-Branco, em 14.04.09

 

Como anteriormente informámos, o lançamento do livro efectuou-se diante de uma sala cheia e atenta às palavras dos autores da obra. Num período de preocupante crise em todos os sectores da vida nacional, a própria questão da mudança de regime é hoje um tema recorrente e considerado de normal discussão. A todos é perceptível o intricado sistema de rede das relações comprometedoras e profundamente interdependentes entre os diversos órgãos de soberania, volatilizando a formal existência da separação de poderes. Desta forma, o princípio basilar em que se ergue o ordenamento constitucional que tipifica o regime, encontra-se subvertido pela prática do jogo de influências e partilha dos sempre cobiçados lugares no aparelho de um Estado que no caso português, jamais deixou de ser a força preponderante no todo social.

 

A irónica sugestão do Duque de Bragança, corresponde a um estado generalizado de estupefacção pelo inegável desperdício de recursos que se evidencia quotidianamente. O sistema aprendeu a viver do imediatismo, da obra de fachada sem miolo ou pior ainda, do ficcionar de realidades que provisoriamente escondidas, agravarão inelutavelmente a situação portuguesa a breve prazo. Um orçamento de Estado impossível de decifrar pelo comum dos cidadãos e onde certas dotações se encontram camufladas pela conveniência do evitar da revolta e alarme público, são alguns dos exemplos de um percurso cujo final pode ser adiado, mas não evitado. O olhar para o futuro próximo, implica a análise aturada da situação destes dias de cinzas e de amargura pelo tempo perdido. As questões candentes - mesmo aquelas que artificialmente vão sendo lançadas para a discussão pública - devem encontrar uma resposta que indique a alternativa de ruptura que poucos têm a coragem de assumir.

 

O Duque de Bragança tem decerto a sua opinião pessoal acerca de múltiplos temas que a todos interessam, mas sublinhemos a sua constante vontade de prosseguir o caminho ditado pela prudência, pelos aspectos muito díspares que conformam a sociedade e pela natural evolução das mentes, usos e costumes, procurando exprimir aquilo que a generalidade dos portugueses sente ser a verdade necessária e exequível. Desta forma, recomendamos a leitura da última entrevista dada ao semanário O Diabo e constante no blog Família Real Portuguesa em http://realfamiliaportuguesa.blogspot.com/2008/06/dom-duarte-seria-um-bom-rei-uma_9438.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:34


6 comentários

Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 14.04.2009 às 21:20

"um período de preocupante crise em todos os sectores da vida nacional, a própria questão da mudança de regime é hoje um tema recorrente e considerado de normal discussão."

Nem mais.
Eu pessoalmente vejo pouca saídas para o actual regime.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 14.04.2009 às 21:45

Depois de saber que entre os amigo do Rei de Espanha consta o Dias Loureiro, perdi parte das minhas ilusões...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 14.04.2009 às 23:04

Manuel, se o seu melhor amigo der em assassino, o manuel não tem culpa alguma, não é? E essa de ser "grande amigo" do João Carlos, não quer dizer coisa alguma. Pode até ter falado com o rei centenas de vezes sem que seja "amigo"!
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 14.04.2009 às 23:22

Perdoe-me, era Manuel que queria escrever e não manuel. Por vezes a pressa prega-.nos umas partidas.
Imagem de perfil

De manuel gouveia a 14.04.2009 às 23:41

Substitua-se amigo por assíduo...
Sem imagem de perfil

De Ana Campos a 15.04.2009 às 15:25

Nuno,

Tive pena de não ter conseguido ir.
Já sei que foi um sucesso.

Beijos

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas