Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





4 comentários

Imagem de perfil

De António de Almeida a 02.05.2009 às 13:39

Por acaso sou dos que pensam que os regimes poderiam ser plebiscitados, mesmo que o resultado não seja do nosso agrado. Desconhecia o caso italiano, julgo que se fossem realizados referendos na Europa, dificilmente alguma monarquia passaria a República, eventualmente a Espanhola, Belga ou Holandesa, a minha intuição tem a ver com as questões linguísticas e disputas regionais, mas algumas repúblicas fariam certamente percurso inverso...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 02.05.2009 às 14:08

António, "eles" deixaram de fazer referendos nas monarquias europeias, porque a taxa de popularidade das Coroas encontra-se sempre acima dos 85%. Até na Austrália foram esmagados, mas parece querem voltar à carga. Seria interessante saber qual o resultado deste tipo de consulta popular em países como a Sérvia, Bulgária e Roménia, por exemplo. Em Portugal, o prp dos 7%, prometeu um plebiscito que jamais realizou e lembro-lhe que quando da espectacular derrota republicana nos Prós e Contras, o sr. Carlos Reis eliminou qualquer hipótese de uma consulta em Portugal. Esse tipo de "NÃO!" conduz a soluções drásticas. Cá ficamos à espera.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 02.05.2009 às 14:09

Dizia, ..."querer voltar à carga"
Sem imagem de perfil

De João Amorim a 03.05.2009 às 09:46

Tudo se passa no "interior" dos indivíduos. Para aqueles que não conseguem perceber o alcance ético da Monarquia a violência prevalece sobre a razão. É como se dentro das cabeças algo soasse: Se eu não sou rei então ninguém pode ser. No fundo a República satisfaz bem os que se revêem num "papel" ao qual se acham hipoteticamente candidatos mesmo que nunca dêem um passo na vida para presidir ao quer que seja.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas