Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Com as Portas na cara!

por Nuno Castelo-Branco, em 26.05.09

 

 

O senhor doutor Miguel Portas decidiu-se por mais uma originalidade, no melhor populismo de que o seu partido faz gala. Desta vez propõe a maioridade eleitoral para os dezasseis anos, exactamente no país onde um aluno do liceu ainda mal consegue interpretar um texto, desconhece os rudimentos da História do seu país e encara as aulas como mero frete que serve de antecâmara ao fim de semana de borga. Uma campanha eleitoral é isto mesmo e a democracia é maravilhosa, pois permite que tudo seja dito, mesmo tratando-se de qualquer asneirola arrotada após o bebericar de uns copos no Bairro Alto. Ao que chegámos... e ainda falam eles de Le Pen!

 

* Nota: provavelmente o BE pretende desprestigiar o próprio sistema democrático-eleitoral. Aqui está uma boa forma de incentivar a abstenção, encorajando os fanáticos do costume.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:38


16 comentários

Sem imagem de perfil

De CMF a 26.05.2009 às 15:36

Mas faz todo o sentido! O BE só tem a ganhar com a "infantilização" do eleitorado. A maturidade e o voto no bloco de esquerda são dois eventos mutuamente exclusivos.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2009 às 16:08

Obrigado, CMF. Um dia destes ainda "o ponho" a escrever-me os posts. Quem me dera ter o seu poder de síntese. Queria dizer exactamente isso e não consegui. Obrigado :)
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 26.05.2009 às 20:03













Boa malha, CMF; o Nuno tem razão, e o pior é que essa infantilização está a espraiar-se de uma forma indecentemente irresponsável. Aqui em Braga é escandalosa a irresponsabilidade dos meninos e meninas.









Imagem de perfil

De António de Almeida a 26.05.2009 às 17:13

É das matérias onde não tenho opinião fechada, poderá merecer uma reflexão séria, o que implica para começo de debate, não apresentar este tipo de propostas em campanha eleitoral.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2009 às 17:17

Comecemos então por uma reflexão séria, António. Que tal uma profunda reforma no sistema de ensino, começando desde logo pela escola primária e matérias a leccionar na mesma?
Sem imagem de perfil

De Nuno Carvalho a 26.05.2009 às 17:24

Vindo do senhor Miguel Portas acho perfeitamente normal. Há que manter a melodia do discurso.
Sem imagem de perfil

De Joana a 26.05.2009 às 17:34

Pôr os miúdos a votar aos dezasseis para quê? Só se o voto passar a ser obrigatório, caso contrário a vitória da abstenção será retumbante! Ou alguém acredita que os adolescentes nem vão domir descansados na noite que antecede as eleições só para poderem deixar uma cruz num papel?

Ao invés de tontices como esta, deveriam era lutar pela implementação do voto electrónico. Sempre se livravam do abate uns bons pares de árvores.
Sem imagem de perfil

De mike a 26.05.2009 às 19:58

Vindo de quem vem, o meu queixo não cai, Nuno. Acho normalmente absurdo... ou absurdamente normal, já nem sei.
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 26.05.2009 às 21:46

Discordo de tão "nova" proposta.
Sem imagem de perfil

De O Corcunda a 26.05.2009 às 21:53

Diminui-se a idade eleitoral, mas pugna-se pela manutenção do limite etário da imputabilidade criminal...
Já agora aumenta-se a escolaridade para o 12º segundo ano. O que é que isto significa?
A total dependência do eleitor face a terceiros!
Onde antes o voto era dado aos livres (aqueles que tinham possibilidade de votar sem serem "propriedade" de terceiros), agora é dado aos que vivem à custa de terceiros, que não podem ganhar o próprio sustento em virtude da própria lei.
Ninguém vê a tendência de colocar o voto nas mãos dos mais dependentes do Estado? ~
Esta democracia está a seguir o caminho que deve...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2009 às 23:49

Como dizem os brasileiros, o Corcunda ..."falou e disse!"
Sem imagem de perfil

De joe o indio a 26.05.2009 às 23:40

uma pergunta: aos 16 já se vai preso?!?

Porque se são adultos para votar......

Não poderia concordar mais com os comentários, bem como com o post!
Imagem de perfil

De Silvia Vermelho a 26.05.2009 às 23:43

Se há uns anos já partilhei a opinião do Nuno e da generalidade d@s comentadoras/es, não é a minha opinião agora. Pois se é verdade que aos 16 anos uma pessoa pode trabalhar e pagar impostos - no taxation without representation - essa pessoa teria o direito a votar. E a abstenção não é um fenómeno exclusivo de um eleitorado jovem - espera-se o contrário - pois esta geração está a mobilizar-se bastante mais do que @s nascidos no final de 70s/início de 80s, como se viu, para o bem e para o mal, com o referendo de 2007 (espero que assim seja num futuro referendo regionalização).
Imagem de perfil

De João Pedro a 27.05.2009 às 02:45

Não sei que dizer...aos 16 eu ansiava por votar, e a verdade é que nunca me abstive depois disso. Além do mais, há para aí muito maior de idade com menos qualidade de percepção política do que alguns adolescentes de 16 ou 17 anos...ao mesmo tempo, a adolescência é por definição própria uma idade de imaturidade.
Mas acho Miguel Portas tenta dosear a demagogia bloquista, e o insuportável Louçã aparece menos. Em tempo de votos, sabem que o radicalismo verbal lhes pode saír caro.

Comentar post


Pág. 1/2







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas