Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Especialmente a pensar na viragem à direita em toda a Europa, demonstrativa de que o discurso do regresso da esquerda acabou por ser contraproducente, relembro o famoso concerto de Natal em que Leonard Bernstein conduziu músicos de diversas orquestras, poucas semanas após a queda do Muro de Berlim. Da 9.ª Sinfonia de Beethoven é extraída a Ode ou Hino à Alegria, em inglês "Ode to Freedom", especialmente significativa se  considerarmos que os povos europeus continuam a ter o mercado como o melhor instrumento de garantia da sua liberdade, por oposição ao tão propalado regresso a Marx. É que afinal o povo não é assim tão estúpido e o neoliberalismo não é esse papão de que todos falam e ninguém sabe o que é. Porque como diria Fernando Pessoa "a ânsia de liberdade é comum ao homem superior e ao mendigo que não quer trabalhar. Assim, as instituições liberais tanto podem significar a expressão da liberdade, como a expressão da incúria e do desleixo", aproveitemos a liberdade que a Europa nos permite para nos regozijarmos com o Hino Europeu e nos inspirarmos para continuar a construção desta:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:16


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Aaoiue a 09.06.2009 às 06:22

Recientemente he sabido que cada vez que se reproduce el Himno de la alegría o de Europa, los herederos de Von Karajan cobran derechos, eso es porque lo que suena es una adaptación del verdadero himno que compuso Beethoven. Desde que lo sé para mí el himno de la alegría es una verdadera pena.
Saludos
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 09.06.2009 às 18:05

Desconhecia tal facto que a confirmar-se é mesmo um pouco infeliz...

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas