Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Liberalismo: uma concepção

por Manuel Pinto de Rezende, em 19.06.09

Há já algum tempo que se tem implementado no meio intelectual e político do país uma necessidade de redefinição dos partidos políticos e da sua ideologia. Tenho lido com especial atenção as crónicas do Professor Rosas, no jornal i, sobre a necessidade de a Direita reocupar o seu espaço conservador e abandonar o neo-liberalismo.

Não deixa de me ocorrer que um professor de Teoria Política possa ter teorias sobre política ideologicamente marcadas. O mesmo movimento definidor, desta vez vindo da Direita, também não me parece inocentemente feito. Há como que a construção de uma realidade sintética, desfasada da realidade política do país, a vontade de construir a oposição política que se queria. Em alguns escritos recentes, desenvolvi a teoria de que o CDS nunca será um partido conservador como o UK Conservative Party. Talvez porque o conservadorismo católico nunca conseguirá atingir os níveis de pluralismo que o conservadorismo protestante, ou simplesmente porque o conservadorismo anglo-saxónico é adepto de uma perspectiva pró – mercado e a faceta democrata – cristã do CDS, de influência alemã e estatizante, ainda esteja muito vincada no partido, a verdade é que mais depressa caminha o PS para o modelo de Terceira Via do Labour Party de Blair, apesar das várias resistências do velho socialismo do partido.

Assim, a má definição dos partidos e movimentos políticos portugueses deve-se, a meu ver, ao facto de procurarem justificar a sua agenda política (sempre a curto prazo) apropriando-se de uma doutrina, e depois usar os seus “cientistas” políticos para definir a doutrina seguida pelos outros.

No sentido contrário a esta tendência está o livro de Carlos Leone – “O Socialismo Nunca Existiu?” – que é um ensaio sobre a história das raízes do socialismo magnificamente bem conseguido. A pergunta que fica é a seguinte: Haverá um modelo a estudar e a seguir para expor o Liberalismo?

O Liberalismo é uma doutrina imanentista. A exaltação do princípio da liberdade transforma-o como opositor natural das teorias transcendentes do socialismo materialista e do sentido ultramontano de Estado da extrema-direita. Isto porque não versa nunca, nas suas várias obras e interpretações, sobre uma doutrina política per se. Groce define o Liberalismo como “concepção total do mundo e da realidade”, e centra-se na ideia de, através dos seus princípios – base, e “mercê da diversidade e da oposição das forças espirituais, aumentar e nobilitar continuamente a vida e lhe conferir o seu único e total significado”.

O Liberalismo, de tão denso, tão indefinido, tão promíscuo, chega a admitir a possibilidade de se negar a si próprio e Justificar as doutrinas que procuram o seu fim e aniquilação. De facto, o princípio da Liberdade, não raras vezes, degenera em situações de reacção contra essa mesma liberdade.

O Liberalismo aceita estes incidentes da vida da Sociedade. Ditaduras, Socialismo, Colectivização, na perspectiva de Groce, são caminhos para a Liberdade necessários, justificáveis pela mesma vontade de livre – arbítrio que o Liberalismo protege.

É claro que a doutrina Liberal de Groce é criticada por ser demasiado estática, por se limitar a ver ocorrer os acontecimentos do mundo, à espera de uma revolução Liberal que ocorra por uma qualquer boa – aventurança da dialéctica hegeliana. E que, ainda assim reinstalada na sociedade, aceite os perigos que outrora destruíram a Ordem Liberal.

Será isto uma definição de liberalismo prestável? É uma perspectiva filosófica, que é saudável de adoptar quando se estuda o Liberalismo. No entanto, não é a única.

Os Liberais não têm o Livro Único, o Livro Azul do Liberalismo. Nunca poderão ter. Haverá Liberalismo Político, Económico, haverá estudos sociológicos adeptos da visão liberal, haverá História que demonstre os benefícios da sociedade aberta e da economia de mercado, mas nunca o liberalismo será um modelo definido. Nunca se poderá dividi-lo, como Cardia dividiu o socialismo em socialismo de colectivização e de distribuição.

 

 

 

 

O Modelo Liberal, em cada Estado ou comunidade em que se aplique, terá sempre profundas raízes filosóficas que, ocasionalmente, anularão os seus efeitos ou a sua vontade. Porque a Ordem Liberal não tem vontade.

 

 

 

Não haverá um Liberalismo Português como houve o modelo do Socialismo Chileno de Allende, ou o Socialismo Cubano de Fidel. Todas estas soluções colectivistas partilham um background ideológico tão semelhante que só a ligeira diferença de métodos e resultados as diferencia. O Liberalismo preconizado em Portugal, ultimamente, tem vindo a clamar por uma alternativa liberal – conservadora, que preencha o fantasma ideológico do PSD. Nada impede que, no futuro, apareça em Portugal uma alternativa liberal – progressista (como parece ser o caso do Movimento Liberal – Social).

 

Hayek e Friedman discordam várias vezes. Herculano escarnece da suposta Ordem Liberal da sociedade à sua volta, mas, mantendo-se o único liberal e democrata português cuja ideologia está sedimentada filosoficamente, é também um defensor dos valores tradicionais e cristãos, que combateu duramente no seu passado.

Ayn Rand não tem na base da sua filosofia o mesmo egoísmo de Adam Smith. Thomas Paine não se sabe bem o que é, mas ele tem-se em conta de liberal. E se calhar, é porque o é.

 

 

 

 

Quando se perceber que é a realidade social que define, na sua quase totalidade, o modelo de Liberalismo a seguir, e não um grupo específico, haverá uma noção a seguir do Liberalismo por estas bandas. Entretanto, ficará o aviso de que essa noção, com o tempo, ficará desactualizada, tal como todas as noções que, dependentes da evolução da sociedade, se fiam demasiado na passividade dos tempos.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:02


3 comentários

Sem imagem de perfil

De O Corcunda a 19.06.2009 às 01:56

Para além dos erros evidentes, e do desconhecimento das raízes do conservadorismo britânico, esta é uma bonita legitimação do Socialismo.
Se a história nos conduzir a um ponto em que o Liberalismo é igual ao Socialismo (hoje mesmo ambos se fundem na social-democracia e demais lixo), devemos abraçá-lo em nome da inexistência de essência e da imposição da realidade social...
Os paradoxos do hegelianismo são tão facilmente desmontáveis.

E se o Catolicismo se mete no caminho do pluralismo? Lixo com ele... Ainda dizem que não há soluções fáceis para os problemas mais profundos da Humanidade!
Imagem de perfil

De Manuel Pinto de Rezende a 19.06.2009 às 10:59

Corcunda,

não estão aqui expostas afirmações suficientemente importantes para sequer haver erros históricos. não se aprofundou o tema, simplesmente.

quanto à sua posição com a filosofia hegeliana, concordo plenamente. eu só assumo como opinião pessoal o que escrevi sobre o CDS. de resto, é uma perspectiva filosófica de Groce, que não é totalitária, mas é parcialmente aceitável. depurados alguns problemas da tese original.

de facto, o modelo de Groce legitima o Socialismo.
Sem imagem de perfil

De PF a 19.06.2009 às 12:41

Devido à ambiguidade por outro lado diversidade de conceitos que o termo Liberalismo implica, e sendo possível a adopção de um em detrimento de outros - por exemplo um indivíduo ou entidade política pode fazer a apologia do liberalismo económico e rejeitar o mesmo no campo social - duvido muito da utilidade e viabilidade de um partido estritamente liberal.
Serão mais eficazes os ventos da história a dar razão em muitos aspectos ao Liberalismo do que os políticos, os partidos e sua parafernália que dependem de contingências diversas e incontroláveis.
Não será um ou mais partidos liberais a propor certas reformas às sociedades estatizadas, mas sim a dialéctica imposta pelos vários desafios das conjunturas económico-sociais.
O Liberalismo seja ele qual for, e não falo de outras formas mais radicais e anti-sociais do fundamentalismo do mercado, apenas será uma referência teórica e sempre subordinado na sua praxis ao conservadorismo, seja este anglo-saxónico ou continental.

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Em destaque

  •  
  • Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas