Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Do nosso correspondente Radical Royalist

por Nuno Castelo-Branco, em 22.06.09

 Queen's Birthday Poll

Channel Ten's question of ther week:
Is it time Australia became a republic?
Yes 20.8%
No 79.2%

I wonder how the republicans will deal with this result.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09


12 comentários

Sem imagem de perfil

De LUIS BARATA a 22.06.2009 às 18:40

Apesar dos esforços de uma minoria republicana, é bem visível que a maioria dos australianos continua a querer viver numa monarquia. Ao menos na Austrália já se fizeram referendos, enquanto por cá nem um, nem que fosse para calar os monárquicos...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 22.06.2009 às 19:57

Calarão?
Veejamos:
1. A última sondagem dava logo à partida 20% a favor, SEM campanha de esclarecimento.

2. Se 60% do PSD votar a favor e 80% do CDS também, a coisa começa a ficar complicada para o campo "deles", até porque o PS será uma surpresa. Imaginemos que aqui, recolhemos 25-30% do seu eleitorado, mais uns tantos do BE (conheço alguns lá em casa) e mesmo do PC (em Vila Viçosa e arredores, por exemplo). As contas começam a parecer muito claras. JAMAIS farão o referendo porque de facto, podem mesmo perdê-lo.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 22.06.2009 às 21:08

Questionar o Regime? E porquê? Se o Sr. D. Duarte quiser, que se candidate a Chefe de Estado como qualquer outro cidadão desta nação. O mesmo gostavamos milhões de ver nas Espanhas, Holandas e Grã-Bretanhas, mas aí parece que temem algo.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 22.06.2009 às 23:15

Pois temem: não querem ter "chefes de Estado" que nada mais são senão chefes de partido em exercício oculto e que ainda por cima, consomem muito mais que qualquer monarca europeu. Apenas isso...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 22.06.2009 às 23:23

Já agora, Ricardo, convença os seus a fazerem o tal referendo, , nem que seja para nos aborrecer... ;)
Sem imagem de perfil

De André Ferreira a 23.06.2009 às 12:05

Essa questao nao é uma sondagem, logo apresenta imenso desvio. Só o facto de mencionar a rainha faz com que os republicanos nao respondam. A verdade é que, como enunciei num comentário anterior, muitos australianos estao a favor da mudança de regime, e estima-se que sejam muito próximas as proporçoes. Depois, igualmente, os resultados variam entre os estados, de acordo com as populçoes maioritarias que os compoem.

No que a Portugal diz respeito, sou a favor de um referendo, sendo republicano, visto que o regime nunca foi referendado, o que deveria ser feito em nome da democracia. Ainda assim, creio que ganharia o republicanismo, por uma questao prática! A dispersao populacional portuguesa, com zonas fortemente republicanas tradicionais a isso levaria. Nao podemos olhar para os conservadores (a nível de partidos) e extrapolar. Se a nível de Lisboa grande parte de conservadores é monárquico, na zona de Leiria (o eterno bastiao conservador nacional) a maioria é republicana...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 23.06.2009 às 17:55

Veremos. No dia do Regicídio, em 2008, vimos bem o que se passou na AR. Não houve UMA ÚNICA voz dissonante na direita e quanto á esquerda, conheço pessoalmente alguns PS que me disseram ter votado MUITO contrariados (o lugar em risco). A vida real é mesmo assim e as sondagens provam-no à saciedade. uma coisa é o que se diz e outra será a que se faz na solidão da cabina de voto. Já agora, quantos eleitores tem Leiria?

*O meu pai, por exemplo, vota BE há anos e no referendo votaria pelo fim da "república". Sem pestanejar.
Imagem de perfil

De João Pedro a 23.06.2009 às 23:07

Isso depende...Em Trás-os-Montes e na Beira Transmontana, também zonas conservadoras, não tenho dúvidas de que ganharia a monarquia.
Sem imagem de perfil

De André Ferreira a 23.06.2009 às 14:50

Roughly 55% of the nation voted "no" and all states voted "no". This was broadly as expected: the real surprise was the distribution of the votes. As expected, traditionally conservative states and rural areas were strongholds for the constitutional monarchy; but wealthy city electorates mostly voted "yes", and blue-ribbon Labor seats in working-class suburbs voted "no". The failure of the opinion pollsters to pick up these trends has caused many people to question their methodology.

With republican models of one form or another winning a majority in opinion polls prior to the referendum, it might have been expected that the republican referendum would pass comfortably. However, it was the particular form of the republic offered which was criticised as the main reason for the defeat of the referendum. Supporters of the republic disagreed about the best proposed mechanism for replacing the monarch and Governor-General with either a head of state appointed by the Parliament (which was widely criticised as being undemocratic), or with a directly-elected head of state (which was widely criticised as moving Australia away from the proven Westminster System toward an American-style presidential system, even though many Parliamentary republics directly elect non-executive Presidents).

O que aconteceu na Australia foi o modelo apresentado nao convenceu...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 23.06.2009 às 17:52

Eles que façam outro referendo, para ver o que dali sairá. Aliás, a táctica é sempre a mesma, repetindo até conseguirem o que querem. Já o contrário, torna-se impossível. É o "progresso"...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 23.06.2009 às 17:58

O que não convenceu, foi tambem QUEM está por trás dessa insistência na república. Um certo escroque que dá pelo nome de Murdoch. Sabe quem é?
Sem imagem de perfil

De André Ferreira a 23.06.2009 às 19:14

Independentemente do que Murdoch quer, há uma população externa muito grande na Austrália que deseja a República, principalmente os não protestantes. Quanto ao Murdoch, ele acha que a Austrália se converteria nuns segundos EUA, coisa que nunca aconteceria! Para além disso, apesar dos resultados do referendo não penderem a favor dos republicanos, são válidos e não devem ser postos indefinidamente em entredito, pelo que dever-se-ia deixar o assunto tal como está por bons e largos anos (pelo menos uma geração, 25 anos, que é o tempo que creio ser válido para certos tipos de referendo como os que condicionam mudanças de regime, regionalização, renovações constitucionais,...). Não acho de bom tom, de todos os modos, estar permanentemente a questionar os regimes porque se correm muitos riscos.

Continuo, enquanto republicano, a defender o referendo em Portugal, até porque quem realmente instaurou a república foi, em parte, um movimento terrorista anti-democrata, a Carbonária, pelo que falta legitimação à República. As minhas convicções não deveriam ofender! Reconheço as falhas do regime que suporto, mas é aquele que creio como melhor. Como democrata, convivo bem com ambos os regimes!

Quanto ao que aconteceu na AR, não sei do que se tratou porque não estou em Portugal a maior parte do tempo e, como tal, desconheço o sucedido. Se alguém fizer o favor de relatar... Ainda assim, antes republicano que socialista!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas