Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa Arruinada: o Terreiro dos Losangos do Paço

por Nuno Castelo-Branco, em 26.06.09

 

 A reformulação do projecto para o Terreiro do Paço, limitou-se a limar algumas das mais agrestes e contestadas arestas do anterior. O arquitecto nomeado sem concurso público, decidiu que os aspectos fundamentais previamente apresentados, permanecerão mesmo que esbatidos. Os losangos que todos perceberam ser uma alegoria muito evidente, as raias alegadamente "evocativas de cartas de marear" e sobretudo as várias e ainda incompreensíveis variações que sobre-elevam ou desnivelam a praça na sua placa central e no torreão ocidental (poente), lá estão no projecto reapresentado. Da estátua equestre, não há notícia do seu pleno restauro em tudo o que isto implica.

 

A edilidade deve saber que os lisboetas gostariam de possuir uma praça mais aprazível e próxima da natureza, com a plantação de árvores* criteriosamente escolhidas. Mais importante que a simples exibição de uma muito contestada obra feita, a praça deve ser devolvida à gente de Lisboa. Esta clara necessidade que foi apercebida pela CML de meados do século XIX, é hoje desprezada pela persistência do vincar do espírito de uma carcomida autoridade, num deserto de pedra sem império. Para comemorar a república.

 

Eles não têm emenda e quando reconhecerem o erro será tarde demais.

 

 

* Se estiverem interessados, leiam a caixa de comentários do Público. Confirma o que aqui se diz.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15


9 comentários

Sem imagem de perfil

De José Manuel Barbosa a 26.06.2009 às 10:17

Não se preocupe. No próximo tremor-de-terra afunda-se tudo. Paciência.
Sem imagem de perfil

De Ana Campos a 26.06.2009 às 11:12

Pois é Nuno, é uma praga estes politicos só existem para destruir tudo o que temos de bom.
Por exemplo estou farta de perguntar ao cérebro do Sr. Santana Lopes que se vai candidatar novamente à CML, o que fez à Feira Popular, até agora não respondeu. Ainda votam nesta gente. Vivemos num país de
Imagem de perfil

De José António Abreu a 26.06.2009 às 11:13

Numa praça que todos conhecemos nua e sem árvores, a falta destas não me parece grave (apesar de, em princípio, gostar de árvores seja lá em que sítio for). De qualquer modo, parece-me que está a existir alguma discussão em torno deste caso e que o arquitecto até se encontra disponível para ouvir os argumentos e modificar pontos do projecto, o que é positivo para além de pouco habitual. Já agora, alguém aqui no "Estado Sentido" tem uma opinião sobre a "requalificação" do Palácio de Cristal, no Porto? (Aconselho este post do "Dias com Árvores": http://dias-com-arvores.blogspot.com/2009/06/antes-o-charco-que-tal-espelho.html que também mencionei aqui: http://escafandro.blogs.sapo.pt/38045.html
Sem imagem de perfil

De Heriol Heraguizawa a 26.06.2009 às 12:16

Mais grave ainda: http://deepestsolitude.blogspot.com/2009/06/gnr-e-de-extrema-direita.html
Sem imagem de perfil

De André Ferreira a 26.06.2009 às 15:51

Já parece de mal gosto achar que a república é que é a culpada do estado em que fique o Terreiro do Paço. As pessoas de Lisboa que venham para a rua, formem associações cidadãs, mexam-se. Não se pode é ser demagógico! Acha que por ser republicano gosto de que se perverta a praça? Tenham dó!

O projecto é mau! Punto pelota! Dever-se-iam fazer passeios laterais alargados que permitissem criar espaços culturais e de ócio, bem construídos em boa calçada portuguesa, com motivos de interesse e beleza, e, porque não umas frases célebres da nossa língua? Manter os carris do celebrado e memorial eléctrico amarelo e criar um espaço central dedicado à cultura, com exposições e artistas de rua ou concertos de corais, violoncelistas e demais. Num canto, um quiosque tradicional lisboeta, reprodução de um dos muitos belos quiosques portugueses, tão característicos e tão nossos (e tão esquecidos em prol de uns montes de lata sem estilo ou carácter).
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.06.2009 às 16:23

Já tinha dito aproximadamente o mesmo num post há um ou dois meses, aqui no E.S. Quanto à república, estou-me nas tintas para ela, mas julgo que é de uma extrema infelicidade pretenderem comemorá-la ali, naquele sítio. a menos que corroborem a luminosa tese dos srs. Costa, Almeida, Bernardino e Teófilo que iam dizendo ter sido o regicídio um dos actos fundadores do regime.
Imagem de perfil

De João Pedro a 26.06.2009 às 18:01

Eu não alargaria os passeios. Espaço há de sobra. Até porque se vão passar carros em frente e dos lados, só vai provocar engarrafamentos e mais congestionamentos.
E espero que não tenham a ideia peregrina de fazer dos ministérios "hoteis de charme", como agora se diz. Na prática, era entregar a praça à turistada toda.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.06.2009 às 18:11

À turistada toda? Como a Praça de S. Marcos em Veneza...? Hã?
Sem imagem de perfil

De André Ferreira a 27.06.2009 às 10:48

Qual quê!? Aquilo vai ser é mais um centro comercial a céu aberto (porque em Portugal quando não sabemos o que fazer construímos centros comerciais), com muitos cabeleireiros e lojas Zara! Falando agora a sério, acho que alguém (inteligente, por sinal) tinha pensado em criar museus e galerias nos edifícios ministeriais. Mas se se pensava que tudo o que disse atrás era piada, está a pensar-se um plano de recuperação da Baixa com um centro comercial ao ar livre... é o que temos!

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas