Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lições da história do liberalismo português

por Samuel de Paiva Pires, em 26.07.09

Aqui há uns dias adquiri pela módica quantia de € 2,5 por livro algumas obras editadas em 2004 pelo extinto jornal "O Independente", ali na mini feira do livro da estação de metro do Marquês. Uma das obras dá pelo nome de Outra Opinião e reúne alguns ensaios de História da autoria de Rui Ramos. Logo no primeiro, "O Fim da História", pode-se entender aquilo que percebi quando no 2.º ano da licenciatura tive um semestre da cadeira de Ciência Política dedicada aos regimes políticos portugueses desde as invasões napoleónicas. Então, como hoje, e como escreve Rui Ramos, já pensava que para perceber o Portugal dos nossos dias, nada melhor do que começar por estudar muito bem o fenómeno do liberalismo em Portugal no século XIX. Aqui ficam dois parágrafos deste ensaio, simplesmente deliciosos. Qualquer semelhança com a realidade actual deve ser pura coincidência.

 

 

"Os liberais destruíram as formas tradicionais de autogoverno local e construíram um estado centralizado em Lisboa, no qual arranjaram emprego como funcionários: em 1890, 53 por cento dos deputados eram empregados do estado. As classes preponderantes na província, dos padres aos lavradores ricos, foram integradas na ordem política através dos negócios e favores proporcionados pela administração. O «progresso» liberal pôde assim ser decretado no Terreiro do Paço, e levado às aldeias pelos administradores de concelho, com o apoio da tropa quando necessário.

(...)

A tolerância liberal, porém, não traduzia um verdadeiro respeito pelo pluralismo. Para os liberais mais numerosos, em geral de esquerda, era preciso ser moderno, e só havia uma maneira de ser moderno, que era a deles. A diversidade de modos de vida provinha apenas de erros que deviam e podiam ser corrigidos. Os liberais recusaram-se a aceitar os portugueses tal como eles eram: quiseram-nos fazer ser como os ingleses ou os franceses. Por isso, nunca se contentaram com o simples estabelecimento de uma ordem jurídica.

A tese de que os liberais tiveram problemas porque não cuidaram do povo nem o quiseram integrar na ordem política não é correcta. A verdade é o contrário. Nos meados do século XIX, os liberais propuseram-se construir as infra-estruturas do progresso, das escolas aos caminhos de ferro. Portugal foi um dos primeiros países da Europa onde o estado declarou a escolarização primária gratuita e obrigatória. Em 1878, os liberais reconheceram o direito de voto à maior parte da população adulta masculina. No fim do século, muitos liberais já se consideravam abertamente «socialistas». Não quer isto dizer que desejassem estabelecer qualquer sistema colectivista, mas que resistiram cada vez menos à ideia de recorrer ao poder do estado para propiciar transformações sociais e de mentalidades. Na sua ânsia de melhorar a condição do povo, prepararam-se mesmo para desrespeitar o direito de propriedade. Por tudo isso, atormentaram-se muito quando constataram que o povo, desconfiado de um estado professoral e intrometido, não ia às escolas, faltava às eleições, resistia ao cumprimento dos deveres fiscais e militares, e insistia em manter-se fiel àquilo que, para os liberais, eram «superstições» e «fanatismo religioso». Resolveram ser ainda mais zelosos. O activismo liberal, desde meados do século XIX, agravou o já crónico endividamento do estado, com as correspondentes ameaças de inflação e bancarrota, e reforçou a associação ao poder político de grupos de interesse, apostados em viver das obras públicas e da protecção estatal. O país dos funcionários públicos, numerosos e lamurientos, e dos contratadores de obras públicas, enriquecidos e corruptos, já existia no século XIX." (pp. 20-22).  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:40


3 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.07.2009 às 13:45

Quem pagou as favas? O Rei!
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 26.07.2009 às 14:31

Sabemos que a História se repete. Venha um segundo João Franco, torcendo para que as coisas não sejam criminosamente interrompidas como naquela altura...
Sem imagem de perfil

De Ricardo Gomes Silva a 26.07.2009 às 23:33

Não percebo..qual era a alternativa?...manter os morgadios?..a ausência total (100%) de investimento em estradas, escolas, e funções do Estado?

Portugal entrou no liberalismo porque não havia outra opção..e para dizer a verdade foi uma excelente opção onde o único senão foi o termos entrado tarde demais.

Havia clientismo em Lisboa!...em que periodo da História é que isso não aconteceu?..na Idade média?

O povo não ia às escola (facto que decorreu atè ao Estado Novo e a implementação do abono de família) tal como hoje não vai votar...burrice aguda e falta de responsabilidade civíca

O Rui Ramos confunde "autogoverno" com anarquia e melhor faria se não se intrometesse em assuntos dos quais nada sabe.

A velha frase "para lá do Marão faz a Lei os que lá estão" é um adágio correcto e actual até à decada de 30 do sec XX...muitos casos conheci eu de aplicação de ordenamento pombalino em pleno sec XX no interior de Portugal.
O processo de democratização do país data de 1850 com recurso a vastos empréstimos (como poderiamos nós comprar tecnologia que não dispunhamos?...trocavamos feijões por máquinas?..convenhamos!) que endividaram Portugal a um nível bem modesto comparado com a situação que hoje (2009) temos.O Rei garantia a coesão e aceitação das reformas por parte do povo que olhava para o Rei antes de atacar o governo.
SE...e vincando o "se"..Se efectivamente os republicanos confundiram a solução com o problema e vêm agora atacar o "Liberalismo" com a ajuda de alguns que se esquecem que o resto do Ocidente funcionava em livre comércio (conhecido na altura por liberalismo) para de certa forma fazer o Rei D. Luís (ou a Rainha D. Maria) culpados "à posteriori"...valha-nos a "santa ignorância" que democraticamente a todos atinge.

Se alguma vez Portugal esteve próximo do resto do mundo Ocidental (relevando aqueles que gostam de cohabitar com os símios) esse "alguma vez" foi durante o Reinado de D. Maria II...e na decada de 90 do sec XX.
Portanto no que toca ao Liberalismo tudo ficaria dito

...não fosse o facto de ainda hoje Portugal ser denominado de "Reino" em legislação ainda em vigor, legislação "liberal" que os "pós-liberais" não tiveram o excelso esforço de lá ir corrigir a grande verdade:

Que no que toca a virtudes o País (Portugal) deve-as todinhas ao Liberalismo e respectiva Monarquia Constitucional

Portanto mudem 1º o art. 5 do Codigo Comercial e depois falamos

bem haja

Comentar post







Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas